Ridícula, a Juve perde em Ùdine e atrasa o seu nono título seguido

Saiu na frente, 1 X 0, ainda na etapa inicial. Depois, porém, a sua defesa reprisou as falhas terríveis de jogos anteriores e a Udinese virou, 2 X 1.

O placar final, e fatal, em Ùdine

O placar final, e fatal, em Ùdine

@Serie A Calcio

Em mais uma apresentação grotesca, que sequer merece o sinônimo de “exibição”, a Juventus Football Club de Turim chegou a abrir a folga mínima de 1 X 0, sobre a Udinese, placar suficiente para lhe propiciar, pela nona vez consecutiva, o título do Campeonato Nacional do “Calcio” da Bota. De todo modo, numa repetição irritante de falhas terríveis de combates anteriores, permitiu a reviravolta e amargou, por 1 X 2, a sua quinta derrota em 35 prélios do certame. Pior, concedeu o seu gol de número 12 em seis partidas, isso num global de 38 em todo o certame, praticamente 30%. Responsabilidade integral da defesa que, ao invés de aprimorar, o “mister” Maurízio Sarri estragou.

A espetacular Dacia Arena da Udinese

A espetacular Dacia Arena da Udinese

Udinese Calcio

O jogo da proeza negativa se desenrolou em Ùdine, a sede da Udinese, apelidada de “Zebrinha” pelo seu fardamento assemelhado ao “bianconero” da Juve, a “Zebra”. Cidade da região do Frìuli, também no norte da Bota mas perto da Croácia, a 513 quilômetros de distância, Ùdine ostenta uma das arenas arquitetonicamente mais majestosas da Europa, a Dacia, dotada de uma cobertura em arco, sem qualquer apoio, ao longo de toda uma das laterais do seu gramado. Claro, por se tratar da visitante, a “Senhora” se obrigou a atuar com um uniforme reserva, azul. E, numa pugna tensa, até os 42’, os únicos lances de perigo, com bolas acertadas nas traves, aconteceram por duas atrasadas equivocadamente perigosas de lado a lado.

De Light, a ilusão do 1 X 0

De Light, a ilusão do 1 X 0

@JuventusFC

Ocorreu, então, o gol do 1 X 0 da Juve, da maneira mais improvável. Numa bola extemporaneamente levantada por Paulo Dybala, o brasileiro Rodrigo Becão, ex-Bahia, rebateu rasteirinho. De Ligt, o becão da “Zebra”, pegou de destra, também rasteirinho, no canto destro de Musso. O intervalo serviria para que os treinadores, Luca Gotti, da “Zebrinha”, e o rival Maurizio Sarri, tentassem um acerto indispensável nas suas escalações. Atuavam muito mal ambas as equipes. Mas, apenas melhorou a Udinese. Na verdade, a “Senhora” repetiria um erro crassíssimo do módulo defensivo de Sarri, a cobertura patética. Logo aos 52’, livre na esquerda, Serna cruzou e não existia ninguém para evitar a testada de Nestorovski, 1 X 1, Alex Sandro atrasadérrimo no meio do campo. Ah, como faz falta a tranqüilidade do lesionado Chiellini...

Chiellini, nas tribunas, a frustração pela derrota

Chiellini, nas tribunas, a frustração pela derrota

@JuventusFC

Sucedeu, daí, o corriqueiro na inapetente Juve de Sarri que não conseguira ganhar três das suas quatro pugnas mais recentes: o sufoco na retaguarda e o desespero na procura além de bagunçada da “rete” salvadora. Fatal. Já nos acréscimos, aos 92’, em outra barbaridade, agora de Rugani, numa escapulida em velocidade Fofana tocou ao lado de Szczesny, o alívio da Udinese, placar de 2 X 1 e a escalada ao degrau dos 38 pontos, sete acima do limiar da zona de rebaixamento. Quanto ao seu título, a “Senhora”, atordoada, precisará esperar por um novo “matchpoint”, no domingo, em Turim, diante da Sampdoria. Com 78 pontos, ainda mantém seis sobre a Atalanta, a “Deusa” de Bérgamo, que visitará o Milan. Mesmo que fiquem com o mesmo número ao final do campeonato, a Juve levará vantagem no critério de desempate, o confronto direto: 3 X 1 em viagem e 2 X 2 na sua Allianz Arena.


Gostou? Clique num dos ícones para “Compartilhar”, ou “Twittar”, ou deixe a sua opinião sobre este meu texto no meu “FaceBook”. Caso saia de casa, use máscara. E fique com o meu abração virtual! Obrigadíssimo!