O Bayern e o Barça completam os oito que seguem na Champions

Vitórias de 4 X 1 e 3 X 1 sobre o Chelsea e o Napoli. Agora, ineditamente, de 12 a 22 de Agosto, todo o restante da competição ocorre em Lisboa, Portugal.

Lewandowski, o super-artilheiro da CL

Lewandowski, o super-artilheiro da CL

@ChampionsLeague

Hoje na sua edição de número 65, ou a 28ª desde que, em 1992/93, mudou o seu sobrenome de Cup para League, enfim a Champions, principal competição interclubes do Velho Continente, definiu os quatro cotejos das suas quartas-de-final. Na próxima quarta-feira, 12 de Agosto, no Estádio da Luz, em Lisboa, Portugal, Atalanta da Itália X PSG da França. Na quinta-feira, dia 13, no José Alvalade, também na capital lusa, Red Bull Leipzig da Alemanha X Atlético de Madrid, da Espanha. Dia 14, sexta, na Luz, Barcelona da Espanha X Bayern Muenchen da Alemanha. E sábado, dia 15, no Alvalade, Manchester City da Inglaterra X Lyon da França. Um mini-torneio, como uma Copa do Mundo.

A taça da Champions, à espera da decisão em Portugal

A taça da Champions, à espera da decisão em Portugal

UEFA

Trata-se, efetivamente, de uma edição compacta e bizarra da competição. Iniciada, em 25 de Junho de 2019, com 79 clubes de 54 afiliadas da UEFA, a entidade que cuida do futebol na Europa, no meio das suas oitavas-de-final esta CL se contaminou pela Covid-19, daí se interrompeu em 11 de Março, até retomar as suas atividades na sexta, 7 de Agosto. Embora sem público, de portões fechados, as partidas das oitavas ainda obedeceram aos mandos de jogo programados na tabela original. Todavia, a UEFA e as agremiações envolvidas estabeleceram que os desafios das quartas, das semifinais e a decisão ocorressem, de 12 a 23 de Agosto, exclusivamente em Lisboa.

O CR7, cereja sem bolo na Juventus do agora demitido Maurizio Sarri

O CR7, cereja sem bolo na Juventus do agora demitido Maurizio Sarri

#ForzaJuve

Antes da eclosão da pandemia, a Atalanta já havia batido o Valencia da Espanha. O Atlético já tinha sobrepujado o Liverpool da Inglaterra, detentor do troféu. O Leipzig já havia vencido o Tottenham também da Inglaterra. E o Paris Saint-Germain já tinha despachado o Borussia Dortmund da Alemanha.

Depois da interrupção, Barcelona, Bayern, Lyon e City se desvencilharam, respectivamente, do Napoli da Itália, do Chelsea da Inglaterra, da Juventus da Itália e do principal ganhador da CL, 13 taças, o Real Madrid da Espanha. A Juve de Maurizio Sarri e o Real de Zinedine Zidane. O Sarri que conseguiu eternizar uma façanha: transformar o CR7, o Cristiano Ronaldo, numa cereja sem bolo. Sarri já foi substituído pelo ex-craque, ex-volante, Andrea Pirlo.

O momento da testada de Lenglet, Barcelona 1 X 0

O momento da testada de Lenglet, Barcelona 1 X 0

@ChampionsLeague

O Bayern e o Barça definiram bem depressa a promoção às quartas. Na Bavária, aos 10’, na cobrança de um penal, o esfuziante Rob Lewandowski registrou o seu tento de número 52 em 43 partidas na temporada. Na Catalunha, aos 10’, em mais uma barbeiragem da defesa do Napoli na “stagione”, uma trombada de Koulibaly em Demme, Lenglet subiu e cravou de cabeça. Daí, protocolarmente, bastou esperar que o tempo escoasse.

O placar “Die Rotten”, ou “Os Vermelhos”: 4 X 1 (Lewandowski/2/1pen, Perisic, Tolisso X Abraham). O placar “Blaugrana”, ou o “Azul-e-Grená: 3 X 1 (Lenglet, Messi e Luisito Suárez/pen X Insigne/pen). Com os resultados do sábado, em 112 jogos esta CL produziu 359 tentos, média ótima de 3,21. Como era a de público, 44.059, volume que a Covid-19 fez que perdesse qualquer sentido.

O momento do penal convertido por Lewandowski, Bayern 1 X 0

O momento do penal convertido por Lewandowski, Bayern 1 X 0

@ChampionsLeague

Gostou? Clique num dos ícones para “Compartilhar”, ou “Twittar”, ou deixe a sua opinião sobre este meu texto no meu “FaceBook”. Caso saia de casa, use máscara. E fique com o meu abração virtual! Obrigadíssimo!