Copa das Confederações 2013 Brasileiros mandam recado a Joseph Blatter: “A festa acabou”

Brasileiros mandam recado a Joseph Blatter: “A festa acabou”

Jornal britânico destaca situação precária dos torneios da Fifa no País

Brasileiros mandam recado a Joseph Blatter: “A festa acabou”

Blatter, ao lado da presidente Dilma Rousseff: presidente da Fifa não encontrou vida fácil no Brasil

Blatter, ao lado da presidente Dilma Rousseff: presidente da Fifa não encontrou vida fácil no Brasil

Getty Images

Os protestos no Brasil apresentaram o pior dos quadros para o presidente da Fifa, Joseph Blatter. O recado que veio das ruas para os cartolas da principal entidade do futebol mundial é um só: “a festa acabou”. É o que relatou o jornal britânico The Independent. Os incidentes de violência foram apenas o estopim de algo maior.

De acordo com a publicação, a beleza do futebol nunca mais será a mesma depois do “ódio” contra a Copa do Mundo e a “traição” de Pelé perante o seu povo. As manifestações em várias cidades brasileiras – algumas das quais recebendo a Copa das Confederações – questionam o alto custo dos estádios para a Copa de 2014. O pedido do Rei do Futebol para que os protestos fossem “esquecidos” manchou a sua imagem diante da população.

Não por acaso, logo após a abertura do torneio deste ano em Brasília, Blatter deixou o País às pressas e seguiu para a Turquia, onde acontece o Mundial Sub-20. Ao contrário do que fiz a Fifa, a viagem não estava planejada e muitos compromissos assumidos pelo presidente da Fifa em solo brasileiro acabaram não sendo honrados por conta da atual turbulência política.

A entidade chegou a ameaçar o cancelamento da competição, a qual serve de teste para a Copa do Mundo do próximo ano, porém não levou a ideia adiante e, oficialmente, negou ter interesse em paralisar o torneio. Para essa semana final, Blatter é aguardado no Brasil, mas não deve encontrar um quadro muito diferente de quando saiu.

Brasileiros querem Copa de 2014 na Inglaterra

Balotelli vai desfalcar Itália na semifinal contra Espanha

Pequenos voluntários falam da emoção de estar na Copa das Confederações

O Independent pondera que os brasileiros querem hospitais e escolas ao invés de estádios de futebol. Tal rejeição, no país que é considerado a “Terra do Futebol” no mundo, era tudo o que a Fifa e seus patrocinadores não esperavam, o que os deixam “desesperados”, segundo o jornal britânico.

Ainda conforme reporta a publicação europeia, a situação vista no Brasil será seguida por Mundiais na Rússia (em 2018) e Qatar (em 2022), dois países que não são exatamente democráticos. A sugestão, em tom irônico, é que a Copa de 2026 acabe sendo realizada na Coreia do Norte, diante da impossibilidade da Fifa e do COI (Comitê Olímpico Internacional) em confiar em governos democráticos.

Tais organizações esportivas, com seus pedidos exorbitantes, estão longe de deixar um legado para a população das nações que recebem os seus eventos, algo que, de acordo com o The Independent, precisa ser revisto, tanto pela Fifa quanto pelo COI. A relação crítica do ex-jogador e hoje deputado Romário em relação aos torneios e as muitas denúncias de corrupção também é lembrada.