Especiais Treino de goleiro até na quarentena é mais puxado do que dos outros

Treino de goleiro até na quarentena é mais puxado do que dos outros

Além de bem fisicamente, defensores devem ter agilidade, reflexo rápido e velocidade. Como fazer isso em casa? O R7 conta a rotina desses atletas

Fernando Prass, ex-Palmeiras, em treino específico para goleiro no Ceará

Fernando Prass, ex-Palmeiras, em treino específico para goleiro no Ceará

Felipe Santos/Divulgação cearasc.com

A rotina de treinos dos goleiros certamente é a mais puxada entre os jogadores de futebol. Eles vão para o campo antes todo mundo e saem quando muitos atletas já tomaram até banho. A explicação para tanto esforço é dada facilmente pelos profissionais que defendem ou que preparam aqueles que neste domingo (26) comemoram o seu dia: o Dia do Goleiro.

“Nós temos trabalho específico, a parte física que todos fazem e o trabalho com o grupo, com bola. Mas não sei se posso dizer que é mais difícil. Um goleiro se movimenta 3 km em um jogo. Já um cara de linha corre 7 km”, minimiza Fernando Prass, que atualmente defende o Ceará.

Os treinos específicos são de agilidade, reflexos e velocidade de reação e esses acontecem antes das atividades com o grupo. “São treinos puxados de 45 a 55 minutos. Os atletas alternam momentos rápidos de alta intensidade com curto período de descanso”, explica Arzul, preparador de goleiro do Santos.

A intensidade tem justificativa como conta Thiago Mehl, preparador do Coritiba. “As demandas físicas do goleiro são bem diferentes dos atletas de linha. O desgaste em jogo, por exemplo, é bem menor que dos outros. Em compensação o goleiro precisa trabalhar para conseguir em curto espaço de tempo responder rápido. Isso só se consegue com intensidade.”

Depois dos treinos com o elenco e o treinador, os goleiros vão para treinos específicos com bola que variam de acordo com as características ofensivas dos próximos adversários ou com fundamentos que não foram explorados nos coletivos.

Arzul trabalha no Santos há 20 anos e começou na base

Arzul trabalha no Santos há 20 anos e começou na base

Divulgação Santos

Treino na quarentena

Diante de tudo isso, fica uma dúvida: como os goleiros estão fazem para manter o físico, a agilidade, o reflexo e força durante a quarentena. Por causa da pandemia do novo coronavírus, as atividades esportivas estão paradas desde o meio de março.

Como o resto do elenco, eles receberam planilhas de treinamentos e estão se virando em casa. “Não tem muito o que fazer é manter o preparo físico. Dessa vez ficaremos parados mais tempo, antes era quarentena depois virou férias. É fazer o que pode para voltar o melhor possível”, afirma Prass, que está há mais de 30 dias em casa, em Fortaleza, com esposa e filhos e só sai para o essencial.

Os goleiros do Santos receberam um pedido parecido com o que está sendo colocado em prática por Prass. “O mais importante era não perder a força, porque força é essencial para o goleiro não perder a capacidade física. Trabalho de mobilidade e agilidade, de bola cada um está fazendo como pode. Bate bola na parede, coloca colchão no chão para fazer queda lateral. Se tem casa com área maior, tenta o treino de bola aérea”, diz Arzul.

Thiago e os quatro goleiros do Coritiba

Thiago e os quatro goleiros do Coritiba

Divulgação Coritiba

Tecnologia

Thiago encontrou na tecnologia um jeito de fazer os atletas treinarem agilidade, reflexo e velocidade. Mexendo na internet, ele descobriu o aplicativo Homecourt usado por treinadores de basquete. Nele os usuários têm de provar que são rápidos, tem reflexo e estão bem fisicamente.

“Com o aplicativo ficou interessante e desafiador. Eles gostaram e virou uma forma lúdica de treinar. Um desafia o outro, além de querer melhorar os próprios números. Foi bom porque, se desafia e desafiar o outro. É maçante só fazer treino de força e academia”, conta o preparador.

Veja no vídeo como é o treino e a competição entre os jogadores do Coritiba.

Além de uma grande responsabilidade em campo, os goleiros não têm vida fácil fora deles merecem a homenagem de todo da 26 de abril, o Dia Nacional dos Goleiros.

“O goleiro é um ser humano diferente. O goleiro precisa ter mais responsabilidade. Você lembra do goleiro bem sucedidos e pensa em maturidade, respeito. Tem que ter perfil de líder, frieza e serenidade. Não dá para viver essa fantasia na hora do jogo. É muito justa essa homenagem!”, finaliza Thiago Mehl.

Curta a página do R7 Esportes no Facebook.

Sete goleiros que vestiram camisa da seleção e você nem se lembra

Últimas