Um sábado ruim para a Atalanta e particularmente bom para o Milan

A equipe de Bérgamo sofre um empate por causa de um ex, emprestado exatamente ao Verona. E o time de Ibrahimovic ignora a visita do Bologna.

Pessina, do Verona, emprestado pela Atalanta, o carrasco da "Deusa"

Pessina, do Verona, emprestado pela Atalanta, o carrasco da "Deusa"

@Serie A Calcio

Matteo Pessina. Torcedores e, principalmente, cartolas da Atalanta Bergamasca Calcio, jamais se esquecerão desse nome e desse rapaz de 23 anos, um volante contratado da agremiação desde 2017 mas desprezado e daí emprestado ao Verona. Neste sábado, 18 de Julho, pela rodada 34 do Campeonato Italiano de 2019/20, a Atalanta suplantava o Verona por 1 X 0, no campo do adversário, graças ao gol de Duván Zapata, quando a sua defesa se distraiu e, numa bola solta pelo arqueiro Gollini, o ex cravou 1 X 1. Foi o suficiente para que a agremiação de Gian Piero Gasperini se afastasse um espaço razoável da possibilidade de um inédito “scudetto”.

O momento do empate de Pessina

O momento do empate de Pessina

@Serie A Calcio

Pena. De todo modo, a Atalanta realiza disparadamente a melhor performance de toda a sua história inaugurada em 1907. Com o gol do seu desafio em Verona, a “Deusa”, a “Dea” da Lombardia, atingiu a cota dos 94 no certame, o absurdo de 17 acima dos 77 da “stagione” de 2018/19. Já havia suplantado um recorde absoluto da Juventus em 34 pelejas, 92 em 1959/60, quando a Série A só ostentava 18 clubes e na “Senhora” fulguravam os talentos do platino Sívori (28) e do galês John Charles (23). Uma maravilha, embora pareça impossível que se aproxime do primado fenomenal do Milan, estabelecido no torneio de 1949/50, vinte clubes como hoje – 118 tentos.

Omar Sívori e John Charles, da Juventus

Omar Sívori e John Charles, da Juventus

Reprodução

Era o “Diavolo” do exuberante terceto sueco Gre-No-Li, os dois Gunnar, Gren (que registrou 18 tentos) e Nordhal (35), mais Niels Liedholm (18). Para quem não sabe, ou não se lembra, Gren e Liedholm atuaram pela equipe da Escandinávia que a seleção do Brasil devastou por 5 X 2 na decisão da Copa de 1958. Ironicamente, apesar da sua ofensiva avassaladora, um gol a cada 28 minutos, aquele Milan não conquistou o “Scudetto”. Num torneio em que os triunfos ainda valiam dois pontos, com 27 vitórias e 3 empates acumulou 57, que hoje corresponderiam a 84. O título ficou com a Juve e o seu ataque dos 100 tentos, 28 vitórias e 6 empates, 62 pontos, equivalentes hoje a 90.

Gren, Nordhal e Liedholm, do Milan

Gren, Nordhal e Liedholm, do Milan

Reprodução

Não importa que o ataque atual da Atalanta não se torne o melhor de todos os tempos no Calcio. Apesar do seu escorregão em Verona, o elenco de Gasperini já deixou a sua impressão gravada. Aumentou a sua série invicta para 14 combates e, embora momentaneamente nos 71 pontos, assumiu a vice-liderança, seis atrás da Juventus e ao lado da Internazionale. Para que se preserve aceso o seu sonho do primeiro título, precisará que a Inter, visitante, perca da Roma, neste domingo, e que a Juventus, dentro da sua Turim, também desabe, na segunda, diante da Lazio. Problema, porém: uma vitória sobre a "Zebra" permitirá que a "Águia" suba aos 72 pontos.

Uma igualdade terrível para a "Deusa"

Uma igualdade terrível para a "Deusa"

@Serie A Calcio

Mais tarde, no horário das 16h45, coube ao Milan tentar a manutenção temporária da sua vaga na próxima Europa League. Uma conta simples. Já assegurada a presença do Napoli, conseqüência do seu título na Copa Itália, a Bota tem direito a mais duas inscrições, para os dois outros clubes que se colocarem imediatamente logo acima do quarto na tabela. No quinto posto está a Roma, que tem 57 pontos e hospeda a Internazionale no cotejo de fecho do domingo. E ao entrar em campo, no seu San Siro, para confrontar o Bologna, 43, o “Diavolo” já sabia que, antes, no jogo das 14h30, o Sassuolo havia emperrado diante do Cagliari na ilha da Sardenha, 1 X 1, mas alcançado o degrau dos 48. Com 53, o Milan precisava obrigatoriamente se aliviar.

Calhanoglu e Theo Hernández

Calhanoglu e Theo Hernández

@ACMilan

Muito mais fácil do que poderia fantasiar o seu treinador, Stefano Pioli. Logo aos 10’, Hernández cruzou da linha de fundo e, num contra-luz de magia, Zlatan Ibrahimovic deixou Saelemaekers livre para finalizar, 1 X 0. Daí, aos 24’, o arqueiro Skorupski fracassou ridiculamente numa tentativa de sair com a pelota dominada e permitiu os 2 X 0 a Calhanoglu. O Bologna diminuiria aos 44’, um tiro de canhota de Tomiyasu no ângulo direito de Donnarumma. O “Diavolo”, de todo modo, depressa ampliaria, na volta do intervalo, aos 49’, Bennacer, numa investida através do meio da zaga “rossoblu”. Pior, aos 57’, Ibrahimovic municiaria Rebic, 4 X 1. Nos acréscimos, Calàbria completaria, 5 X 1. O Milan agora com 56 pontos e bem mais perto da Europa League.

O momento da finalização de Bennacer

O momento da finalização de Bennacer

@ACMilan

Todos os jogos da rodada 34:

Sábado, 18 de Julho

12h15
Verona (45) 1 X 1 Atalanta (71)

14h30
Cagliari (42) 1 X 1 Sassuolo (48)

16h45
Milan (56) 5 X 1 Bologna (43)


Domingo, 19 de Julho

12h15
Parma (40) X Sampdoria (38)

14h30
Brescia (21) X Spal (19)
Fiorentina (39) X Torino (37)
Genoa (30) X Lecce (29)
Napoli (53) X Udinese (36)

16h45
Roma (57) X Internazionale (71)


Segunda-feira, 20 de Julho

16h45
Juventus (77) X Lazio (69)


Gostou? Clique num dos ícones para “Compartilhar”, ou “Twittar”, ou deixe a sua opinião sobre este meu texto no meu “FaceBook”. Caso saia de casa, use máscara. E fique com o meu abração virtual! Obrigadíssimo!