Silvio Lancellotti O CR7 desperdiça um penal, mas a Juventus sobrevive na Copa Itália

O CR7 desperdiça um penal, mas a Juventus sobrevive na Copa Itália

Naturais, até, a mediocridade do prélio e o resultado nulo, 0 X 0. Favoreceu a "Senhora" o placar de 1 X 1 que havia arrancado ao Milan na ida de San Siro.

O CR7 e Kjaer, logo depois do penal perdido

O CR7 e Kjaer, logo depois do penal perdido

@JuventusFC

Desde a inauguração do seu Allianz Stadium, em Turim, capital da região do Piemonte, norte da Itália, no dia 8 de Setembro de 2011, a Juventus havia hospedado 12 vezes o rivalérrimo Milan e, invicta, havia somado 11 triunfos. O único empate ocorreu na fase semifinal da Copa Itália de 2011/12. Então, depois de sobrepujar o clube “rossonero” no San Siro, 2 X 1, a esquadra “bianconera” ficou no 2 X 2, em seus domínios, e se classificou à decisão. Perderia a peleja, Napoli 2 X 0. Naquela mesma temporada, porém, iniciaria uma sequência impressionante e inédita de conquistas do “scudetto” do Campeonato Nacional. Mais. No trajeto ainda abiscoitou um tetra na Copa, entre 2015 e 2018. E o Milan? Permaneceu zerado em ambas competições.

A Juve no aquecimento, um não ao racismo

A Juve no aquecimento, um não ao racismo

@JuventusFC

Nesta sexta-feira, dia 12 de Junho, a data da ressurreição do Futebol da segunda competição em importância na Velha Bota, depois de 110 dias de suspensão obrigatória por causa da Covid-19, o Milan radicalmente necessitava resgatar o infortúnio da pugna de ida, 1 X 1 aos 94', no seu San Siro da capital da Lombardia. Penalizado pela UEFA porque maquilou balanços financeiros, excluído das contendas do continente, disputa um “Nazionale” precário, apenas o sétimo posto na tabela. Um sucesso na Copa Itália lhe asseguraria uma vaga na Europa League. Todavia, em crise o seu elenco, indisposto com o Elliot Group, o seu novo dono, e com o prepotente Ivan Gazidis, seu representante, o treinador Stefano Pioli ainda corria o risco de uma súbita, humilhante demissão. O placar, 0 X 0, talvez lhe tenha assegurado a sobrevivência. No entanto, favoreceu a Juve, que agora enfrenta, quarta, 17, o ganhador de Napoli X Internazionale, que se pegam neste sábado.

A chegada da Juve ao seu estádio

A chegada da Juve ao seu estádio

@JuventusFC

Estranhíssimo presenciar a chegada dos atletas ao Allianz Stadium, todos devidamente mascarados, em entrevistas com repórteres idem, as arquibancadas totalmente vazias, os sons do campo a repercutirem no concreto dos degraus e nos metais da cobertura. O elenco do Milan se aqueceu nos bastidores. O time da Juve subiu ao gramado com um dístico anti-racismo nas costas do fardamento. Daí, assim que o mediador Daniele Orsato liberou o seu apito inicial,  assumiu o controle das ações. Aos 14’, graças ao VAR, o árbitro apontou um toque de braço de Conti, zagueiro do Milan, junto à linha da área pequena. Penal, que Cristiano Ronaldo cobrou, rasteirinho, num poste de Donnarumma. O Milan, porém, nem pôde celebrar. No lance seguinte, o imprevidente Rabic alçou o pé no rosto de Danilo e viu o inexorável cartão vermelho. O Milan com dez. E, no primeiro tempo, em duas ocasiões, acrobático, o arqueiro “rossonero” impediu o gol da anfitriã.

O Allianz vazio, silêncio no minuto de  praxe e durante o jogo inteirinho

O Allianz vazio, silêncio no minuto de praxe e durante o jogo inteirinho

@acmilan

Aliás, um péssimo primeiro tempo do CR7, ainda longe da melhor forma e, principalmente, irritado pela ausência de platéia, ele que tanto aprecia se exibir. Na emergência da pandemia, a FIFA autorizou que se façam cinco trocas durante uma pugna. Nem Pioli e nem Maurizio Sarri, seu adversário de banco na “Senhora”, efetuaram qualquer alteração no intervalo. E o segundo tempo se estendeu no mesmo ramerrão, inodoro e insosso, a Juve no cerco e o Milan a tentar pontadas eventuais. Aos 62’, enfim, o mister “bianconero” modificou no atacado. Bernardeschi, Rabiot e Khedira nos lugares de Douglas Costa, Matuidi e Pjanic. O meio-de-campo quase todinho novo. De fato, a inatividade comprometeu o fôlego dos dois times. E outras trocas, de lado a lado, não impediriam que a mediocridade determinasse um resultado nulo.

Gostou? Clique em “Compartilhar”, em “Twittar”, ou deixe a sua opinião em “Comentários”. Obrigado. Fique em casa, que eu fico a dever um abração!

Últimas