Silvio Lancellotti Mesmo com um empate no Rio, o "Timão" segue na Sul-Americana

Mesmo com um empate no Rio, o "Timão" segue na Sul-Americana

Graças a Pedrinho, o Corinthians fez 1 X 0 no Fluminense e, então, cedeu a igualdade num lance polêmico, graças a uma decisão do árbitro de vídeo

Pedrinho, o autor do gol, no Twitter do "Timão"

Pedrinho, o autor do gol, no Twitter do "Timão"

@Corinthians

Nesta temporada de 2019, entre os clubes de São Paulo e do Rio, já não mais sobra qualquer um vivo na Copa do Brasil. Na Libertadores, ainda resta o Flamengo. Na Sul-Americana, até esta noite de quinta-feira, 29 de Agosto, remanesciam o Corinthians e o Fluminense. Pois em um Maracanã praticamente repleto, 57.503 espectadores, o “Mosqueteiro” batalhou para permanecer como o único representante do seu Estado em uma competição, além do óbvio campeonato nacional. Para tanto, necessitava fazer ao menos 1 X 0 na retaguarda do “Pó de Arroz”, uma das piores do Brasileiro, e manter incólume a sua, a melhor. Não conseguiu, o prélio acabou em 1 X 1. O seu elenco, porém, cumpriu a sua obrigação e realizou o seu sonho.

A taça da Copa Sul-Americana

A taça da Copa Sul-Americana

Conmebol

A pugna valeu pelo último duelo das quartas-de-final da, digamos, segunda divisão do Futebol do continente. Já estavam nas semis o Atlético Mineiro e o Colón de Santa Fé, na Argentina, adversários diretos, e o Independiente Del Valle, do Equador, que pegará o ganhador do combate do Maracanã. Na ida, que oorreu na Arena ainda-sem-nome de Itaquera, uma peleja modorrenta, sem emoções, houve um empate de 0 X 0. De certa maneira, não tão ruim para o “Timão”. O quesito regulamentar do gol dobrado fora de casa lhe propiciaria a qualificação graças ao 1 X 1. O Flu, bem, tinha que vencer.

A torcida do Flu no Maracanã quase repleto

A torcida do Flu no Maracanã quase repleto

@Conmebol

Nesta noite aconteceu o desafio de número 109 entre o Flu e o Corinthians. E o placar das estatísticas continua a exibir 39 sucessos a 38, 142 tentos a 139 em favor do “Pó-de-Arroz”. O elenco de Fábio Carille ao menos ainda não perdeu nesta 18ª edição da Sul-Americana. Antes do Flu, passou pelo Racing da Argentina, pelo Deportivo Lara da Venezuela e pelo Montevideo Wanderers do Uruguai. O Flu, desafortunado, que amargou a má estréia de Oswaldo de Oliveira no seu comando, já havia suplantado o Club de Antofogasta do Chile, o Atlético Nacional Medellin da Colômbia e o Peñarol do Uruguai.

E a torcida do Corinthians, num canto do estádio

E a torcida do Corinthians, num canto do estádio

@Corinthians

A etapa inicial proporcionou ao menos duas situações de risco na área do tricolor do Rio. Numa, ao recolher um passe de Pedrinho, Wagner Love fuzilou de primeira, o arqueiro Muriel espalmou e a pelota ainda escorregou no travessão. Noutra, Muriel saiu atabalhoadamente e entregou a bola a Mateus Vital, que se desvencilhou de dois beques e chutou à meta quase vazia. Sim, quase vazia, porque Muriel se recuperou e, noutra intervenção absurdamente elástica, impediu que o alvinegro inaugurasse o marcador. Cássio, do seu lado, precisou se empenhar uma só vez, e num arremate de muito longe.

Pedrinho, a vibração pelo gol do 1 X 0

Pedrinho, a vibração pelo gol do 1 X 0

@FolhaPress

Mais aceso no tempo derradeiro, aos 54’ o Corinthians se locupletou de uma cadeia de tolices do Flu. Inteiramente livre pela esquerda, Clayson se infiltrou e bateu cruzado. A pelota resvalou no lombo de Igor Julião e escapuliu da rebatida de Digão. Atrás dos beques, Pedrinho acertou de canhota, 1 X 0. Embora desacorçoado, o “Pó-de-Arroz” se avolumou. Embora nem um pouco familiarizado com o elenco, o experiente mas hesitante O. de O. tentou modificar o time e o seu modo de atuar: colocou quatro avantes em ação.

@Conmebol

Enquanto isso, em investidas ariscas o “Timão” compelia Muriel a novas duas acrobacias cruciais. Então, aos 85’, e graças ao VAR, o Flu igualou, Pablo Dyego de testa, num cruzamento de Nenê. O atleta pareceu em impedimento. Contudo, a arbitragem validou a igualdade, 1 X 1. Daí, os minutos restantes e os acréscimos, obviamente, transbordariam de tensão. Para o alívio de Carille & Cia., prevaleceu firme a sua retaguarda. O “Mosqueteiro”, nas semis, enfrentará o Independiente Del Valle do Equador, antes em sua casa, na Arena de Itaquera, e daí no incômodo dos 2.850 metros da altitude de Quito.

A celebração do River, também nas semis da Libertadores

A celebração do River, também nas semis da Libertadores

@Conmebol Libertadores

PS.: Na determinação das semis da Libertadores, mesmo em Assunción o River Plate arrancou um empate, 1 X 1, ao Cerro Porteño do Paraguai, e se habilitou para cruzar com o seu rivalérrimo Boca Juniors. Mandará a pugna de ida, em Avellaneda, dia 1º de Outubro. Dia 2, em Porto Alegre, se defrontarão Grêmio e Flamengo. As porfias de retorno se realizarão, respectivamente, dia 22 e dia 23.


Gostou? Clique em “Compartilhar”, em “Twittar”, ou deixe a sua opinião em “Comentários”. Muito obrigado. E um grande abraço!

Últimas