A semana do Calcio na Europa e, agora, o grande "Derby d'Italia"

Dos clubes da Bota nos torneios do continente, só a Juventus passou em paz. A mesma "Signora" que, neste domingo, desafia a líder Inter em Milão.

Na Champions, Juventus 3 X 0 Bayer Leverkusen

Na Champions, Juventus 3 X 0 Bayer Leverkusen

juventus.com

Transcorreu com mais baixos do que altos a semana do Calcio nas competições do Futebol do Velho Continente. Das seis equipes inscritas, só a Juventus, na Champions League, e a Lazio, na Europa League, ganharam as suas partidas. Respectivamente, do Bayer Leverkusen, por 3 X 0, e do Rennes, 2 X 0. Ainda na CL, três bolas na trave impediram que o Napoli saísse do 0 X 0 contra o Genk. Mandante, diante do Shakhtar Donetsk, pelo placar de 1 X 2 a Atalanta sofreu a sua segunda derrota. Pior, em Barcelona, a Internazionale segurou o 1 X 0 até os 58’ e então sucumbiu à potência “Blaugrana”, 1 X 2. Na EL, a outra agremiação da Bota, a Roma, viajou até a Áustria e, contra o pequenino Wolfsberger, padeceu, padeceu, e se limitou ao 1 X 1.

Messi e Lautaro Martínez, Barcelona 2 X 1 Internazionale

Messi e Lautaro Martínez, Barcelona 2 X 1 Internazionale

@inter

Integrantes da principal das competições do Ludopédio, a “Signora” de Turim e o “Burro da Terra da Pizza”, apesar do escorregão, parecem encaminhados à sua classificação na fase das oitavas-de-final. Já descartada “La Dea” de Bérgamo, basicamente sem chances num grupo bastante forte e dominado pelo Manchester City, se desenvolve de maneira lastimável o trajeto da “Biscione” de Milão, que  havia emperrado, em casa, 1 X 1, diante do Slavia Praga, e desperdiçou uma chance preciosíssima no Camp Nou. Isso, precisamente às vésperas de um combate crucial no Campeonato Italiano de 2010/20 – a edição número 249 do  “Derby”, o clássico Inter versus Juventus.

A "Biscione", serpente mitológica da Inter

A "Biscione", serpente mitológica da Inter

Reprodução

Tal duelo acontecerá neste domingo, dia 6 de Outubro, no Giuseppe Meazza da capital da Lombardia, esgotados antecipadamente quase todos os seus 80.018 ingressos. Nos últimos 14 certames, apenas em uma ocasião o título não ficou com a Juve e nem com a Inter: em 2010/11, o “scudetto” entregue ao Milan. Antes, de 2005 até 2010, a “Biscione”, uma serpente mitológica, arrebatou o penta. Desde 2011, a “Signora”, também chamada de “Zebra”, consequência da tradição do seu uniforme alvinegro em listras, insolitamente acumulou o absurdo de oito troféus, um volume inédito na sua história.

No Twitter da Juventus, uma brincadeira com a sua "Vecchia Signora"

No Twitter da Juventus, uma brincadeira com a sua "Vecchia Signora"

@Juventus

A Inter chega ao “Derby” com 18 pontos em 6 jogos, ou  100% de aproveitamento, 13 tentos pró e só 2 sofridos. A Juve a persegue com 16 pontos, 5 sucessos e um empate, 11 gols pró e 5 contra. A Roma e o Napoli, únicos times que, a partir de 2012, ousaram contestar a prevalência da “Zebra”, parecem distantes, respectivamente nos 11 e nos 12 pontos. Quanto ao Milan, que também acumula os 18 “scudetto” como a sua visceral opositora de “città”, hoje se humilha nos 6 pontos e na zona de queda à Série B.

Abaixo, o Olímpico de Turim e, acima, o parque do estádio antigo

Abaixo, o Olímpico de Turim e, acima, o parque do estádio antigo

Museo Torino

Data de 14 de Novembro de 1909 o primeiro “Derby”, 2 X 0 em favor da Juve no campeonato de então, no campo gramado do Corso Sebastopol de Turim, atualmente um delicioso parque público. No desafio mais recente, 24 de Julho, na China, confronto pela International Champions Cup, houve a igualdade, 1 X 1, mas a “Zebra” se safou no bingo dos penais, 4 X 3. Estatisticamente, larga vantagem da “Signora”, 110 triunfos a 77, com 353 “reti” a 321. A Inter, todavia, à parte o seu escorregão em Barcelona, no Calcio acaba de celebrar um recorde: as suas seis vitórias consecutivas no início do campeonato repetiram a marca da esquadra “nerazzurra” de 1966/67, sob o comando do “Mago” Helênio Herrera, astros como Facchetti, Sandro Mazzolla e os brasileiros Luís Vinício de Menezes (ex-Botafogo/RJ) e Jair da Costa (ex-Portuguesa/SP).

Maurizio Sarri, do cigarro, hoje, só a muletinha do filtro

Maurizio Sarri, do cigarro, hoje, só a muletinha do filtro

Reprodução

Tanto os turineses como os milaneses ostentam, nas suas “panchine”, novos treinadores. Pela “Zebra”, Maurizio Sarri, um ex-Napoli e ex-Chelsea da Inglaterra, fumante de quatro maços/dia mas, a pedido da diretoria, nenhum cigarro mais diante das câmeras de TV. Na Inter, Antonio Conte, ironicamente o predecessor de Maurizio Sarri no Chelsea e o homem que inaugurou, invicto, em 2011/12, a presente série de lauréis da “Signora”, e que na dama somou um tri. Isso, sem dizer que, com a Juve, nos seus idos de excelente meio-campista, ele venceu cinco vezes o “scudetto”, também levantou uma Champions League em 1995/96 e uma Intercontinental de clubes em 1996.

Antonio Conte, no domingo, contra a sua equipe do coração

Antonio Conte, no domingo, contra a sua equipe do coração

inter.it

Conte não poderá usar o chileno Alexis Sánchez, recém-contratado e já suspenso por causa de uma expulsão. E farão falta a Sarri o capitão Chiellini (contusão de joelho, seis meses de estaleiro), e os brasileiros Danilo (20 dias) e Douglas Costa (30 dias), com lesões musculares. Na meta da Juve, porém, após um ano no PSG, voltará a rebrilhar o antológico Gigi Buffon. Na quinta rodada, Gigi superou o zagueiro Paolo Maldini como o atleta da Bota que mais partidas jogou por clubes, 903 porfias. E ele quer quebrar um outro recorde de Maldini, 647 contendas de Série A. Frente à Inter, escalará a cota das 643.


Gostou? Clique em “Compartilhar”, em “Twittar”, ou deixe a sua opinião em “Comentários”. Muito obrigado. E um grande abraço!