Silvio Lancellotti A pequenina Islândia revoluciona a estética do Futebol no planeta

A pequenina Islândia revoluciona a estética do Futebol no planeta

Menor nação em área e em habitantes a disputar uma Copa do Mundo, a ilha nórdica apresenta a sua nova marca e emociona a sua população

O novo símbolo e os novos uniformes da seleção da Islândia

O novo símbolo e os novos uniformes da seleção da Islândia

KSI

Provém da menor nação que um dia participou de uma Copa do Mundo a mais espetacular ação de redesenho de um escudo, um distintivo, de toda a História do Futebol. Com apenas 102.775 km2 de extensão, cerca de 365.000 habitantes de população, num aglomerado de ilhas do gelado Atlântico Norte, a Islândia só conheceu o Ludopédio em 1912, só mereceu o reconhecimento da FIFA em 1946 e apenas disputou duas grandes competições.

Depois da vitória sobre a Inglaterra, em 2016

Depois da vitória sobre a Inglaterra, em 2016

UEFA

Fulgurou na Eurocopa de 2016, quando se desvencilhou da Inglaterra nas oitavas e só perdeu da França, a futura vice de Portugal, nas quartas-de-final. Daí, ineditamente se qualificou à Rússia/2018. Só que, desafortunada, caiu num grupo terrível, com Argentina, Croácia e Nigéria. Chegou a empatar com a seleção de Lionel Messi, mas não prosseguiu às outras fases da contenda.

O distintivo antigo e a nova marca

O distintivo antigo e a nova marca

KSI

Através da KSI, sigla de Knattspyrnusamband Íslands, a sua federação, a seleção masculina da Islândia, aquela dos “Strákarnir Okkar”, ou “Nossos Rapazes”, ocupa a posição de número 39 entre as 210 do ranking da FIFA. A feminina, “Stelpurnar Okkar”, ou “Nossas Garotas”, se localiza no posto de número 19 entre 159. E embora o seu povo idolatre o Hóquei no Gelo e a Glima, uma luta característica dos vikings, o Futebol soma popularidade a ponto de a KSI contratar uma agência, a Brandenburg, da capital Reykjavik, para elaborar uma identidade visual, capaz de magnetizar o público jovem.

A águia e o dragão

A águia e o dragão

KSI

No começo deste 2020, o símbolo de ambos os times era uma composição trivial da sigla KSI agregada a uma bola e à bandeira da Islândia. Para a sua digna modernização a Brandenburg recorreu às imagens estilizadas dos quatro protetores das ilhas, os seus guardiões mitológicos, uma águia, um guerreiro de tamanho gigante, um touro e um dragão alado.

O touro e o guerreiro gigante

O touro e o guerreiro gigante

KSI

Todos, exemplos da paixão com que o islandês defende a sua unidade. As figuras dos guardiões, antes pertencentes ao folclore e à comunicação verbal de geração a geração, foram oficializados como os protetores em 1918. Através de um filme de fato emocionante, lançado ao mercado da Islândia numa abrangente rede de TV, na noite deste último domingo, 28 de Junho, a agência, imediatamente, emocionou toda a sua população.

Os antigos tipos de madeira do alfabeto local

Os antigos tipos de madeira do alfabeto local

KSI

Até mesmo na sua concepção a nova logomarca estimula a solidariedade. Baseada nos ícones de madeira com que se imprimiam textos no alfabeto local, engenhosamente se subdivide em quatro partes, cada qual criada para cada um dos guardiões protetores. Cada qual pode ser usada sozinha, individualmente. Porém, as quatro também se encaixam num único signo gráfico, aparentemente abstrato e no entanto, ao olhar mais atento, também informativo o suficiente para sugerir luta, combate, um brado de alerta à aproximação do inimigo. “Cuidado!”, avisa o logo, metaforicamente.

A águia, o guerreiro, o touro e o dragão

A águia, o guerreiro, o touro e o dragão

KSI

Sem dúvida uma manifestação de agressividade que, por causa do politicamente correto dos tempos que correm, talvez sofra algumas críticas severas: “Como, um signo de entidade ligada ao Futebol, ao desporto, ousa sugerir que o adversário tenha medo?” Artisticamente, pela sua estética, pela sua impactante criatividade, porém, é admirável a maneira com que as quatro partes se encaixam, com justeza, num ângulo perfeito de 45 graus.

Uma das aplicações, "Pela Islândia"

Uma das aplicações, "Pela Islândia"

KSI

Sem dizer que, comercialmente, cada produto que se coloque à venda poderá ostentar cinco versões, com a marca na sua integralidade ou com só uma de suas quatro partes. Mais facilmente reconhecíveis parecem o touro e o guerreiro gigante. E alguém dirá que são iguaizinhos a águia e o dragão. São não. Preste mais atenção, perceberá que existe uma diferença sutilíssima de bico e focinho. É. De agora em diante, haja colecionadores de itens KSI.

Luvas para os arqueiros, com o distintivo montado  nas quatro partes

Luvas para os arqueiros, com o distintivo montado nas quatro partes

KSI


Aprecie o filme, magnífico, neste link:

Gostou? Clique em “Compartilhar”, em “Twittar”, ou deixe a sua opinião em “Comentários”. Obrigado. Fique em casa, que eu fico a dever um abração!

Últimas