Com Gabigol, Fla quer tirar o marketing do futebol da pré-história

Clube vendeu 15 mil copos com a imagem do atacante, na partida contra o Barcelona de Guayaquil, no Maracanã. Era um teste. Deu mais que certo

Copo foi só o início de um trabalho sério para explorar a imagem de Gabigol

Copo foi só o início de um trabalho sério para explorar a imagem de Gabigol

Divulgação/4Comm

São Paulo, Brasil

Mais do que os abraços de crianças, torcedoras de times adversários.

Além de imitações das comemorações dos gols.

Dos cartazes que haverá gol seu.

Nasce, finalmente, um ídolo rentável no Brasil.

Não importado, em final de carreira.

Como o São Paulo quer fazer com Daniel Alves, por exemplo.

Este tem apenas 23 anos.

Une carisma, conquista e gols.

O Flamengo encontrou em Gabigol não só idolatria, mas fonte de renda.

O primeiro teste foi tímido, mas certeiro.

Na partida entre Flamengo e Barcelona de Guayaquil, 15 mil copos de plástico foram colocados à venda no Maracanã.

Inspirados nos copos vendidos nas Copas do Mundo, no estádio carioca não estava estampada a partida.

Mas a figura do artilheiro do Flamengo.

Veja mais: Coronavírus encurrala CBF. Por estádios vazios. Clubes não querem

Com a marcante frase 'hoje tem gol de Gabigol', de um lado.

Do outro, o atacante com os braços abertos, sorridente.

Foi um sucesso.

A R$ 20,00, os copos renderam R$ 300 mil.

Para serem divididos entre Flamengo e Gabigol.

Se houvesse mais copos, seriam vendidos.

O clube já tem copos personalizados com outros atletas.

Copos de Bruno Henrique, Gabigol e Gerson. Mais simples

Copos de Bruno Henrique, Gabigol e Gerson. Mais simples

Flamengo

Mas com o artilheiro, quer uma relação muito mais profunda.

A intenção é colocar outros produtos.

Como bonecos, camisetas, canecas, bottons.

Depois, como foi revelado para a mídia carioca, fazer um documentário sobre Gabigol.

Sua importância, seus gols.

E também vender.

Mas o objetivo do departamento de marketing do Flamengo é atrair patrocinadores específicos para o jogador.

Empresas que queiram fazer publicidade com o camisa 9 da Gávea.

E seguir dividindo o dinheiro.

Utilizando seu público alvo, as crianças, criar um personagem inspirado no jogador para histórias em quadrinhos.

Por exemplo, com o onipresente Mauricio de Souza.

Não houve tempo para o Santos aproveitar a imagem de Neymar

Não houve tempo para o Santos aproveitar a imagem de Neymar

Divulgação

O Corinthians sonhava fazer algo parecido, com Carlitos Tevez.

O Palmeiras mal desenhou a situação com Gabriel Jesus.

O Santos tinha certeza que daria certo com Neymar.

Mas os três partiram para a Europa, sem olhar para trás.

Gabigol também quer ir.

Mas está no melhor time da América do Sul.

No mais popular do Brasil.

Space Jam. Animação com Michael Jordan. De 1996. Faturou US$ 230 milhões

Space Jam. Animação com Michael Jordan. De 1996. Faturou US$ 230 milhões

Divulgação

Pode desfrutar mais um ou dois anos.

Sem reclamar.

Há tempo, portanto, para vários projetos individuais.

Não é só Gabigol que está entusiasmado.

Veja mais: Pesadelo continua. Ronaldinho seguirá atrás das grades

A diretoria Flamenguista também.

Tem a certeza que pode tirar o futebol brasileiro da pré-história em termos de marketing.

E faturar como a NBA, por exemplo, faz há décadas...

Curta a página do R7 Esportes no Facebook

Vingadores do Mengão! Elenco do Fla se fantasia para festa de Diego