Logo R7.com
Logo do PlayPlus
BRASILEIRO 2022
Publicidade

Caso Daniel: testemunhas divergem sobre ações de 7º suspeito preso

Advogado que representa a 1º jovem a contar detalhes do crime, acredita que Eduardo Purkote seja inocente. Defensor de outros suspeitos discorda

Futebol|Cesar Sacheto, do R7

Daniel, de 24 anos, foi assassinado
Daniel, de 24 anos, foi assassinado Daniel, de 24 anos, foi assassinado

O advogado Jacob Filho, que representa a testemunha responsável pelas primeiras revelações sobre os bastidores do after na casa da família Brittes, em São José dos Pinhais (PR), onde o jogador Daniel Corrêa foi morto, no mês passado, disse nesta quinta-feira (15) que o sétimo suspeito preso pela polícia por envolvimento no caso é inocente.

Veja mais: Sexo, traição e vingança: por que o jogador Daniel foi assassinado

O jovem Eduardo Purkote, de 18 anos, foi apontado em depoimento como sendo a pessoa que entregou a faca do crime a Edison Brittes Junior, o Juninho Riqueza, e também teria participado do espancamento da vítima ainda na casa. Ele e o irmão, Gustavo, estavam entre os convidados da festa de aniversário de Allana Brittes.

Curta a página do R7 Esportes no Facebook

Publicidade

"É mentira. Perguntei para a minha testemunha várias vezes. Ele não pegou a faca. Quem pegou a faca foi o [Edison] Brittes. O cara é inocente. Eles [irmãos Purkote] ficaram desesperados. Estavam com medo. Fico muito triste com isso", frisou o advogado em entrevista ao R7.

Leia também

De acordo com Filho, a história contada pela jovem Evelyn Brisola, que beijou Daniel ainda na boate Shed, em Curitiba, e foi com o jogador até a casa dos Brittes, é fruto de uma combinação de versões.

Publicidade

"Os caras [Brittes e outros suspeitos] estão se defendendo e fazem isso acusando todos que estavam lá. Ela [Evelyn] vê uma matança, com pisões na cara, e vai cozinhar strogonoff? Você acha que uma pessoa assim tem credibilidade? Você não se desesperaria? Ela fez isso para aparecer", enfatizou.

Contraponto

Publicidade

Defensor de David Willian Vellero da Silva e Igor King (presos por suspeita de envolvimento no crime), Robson Domacoski vê com ressalvas a tese de que Eduardo Purkote tenha entregue a arma utilizada para matar Daniel ao empresário Edison Brittes Junior.

"Não acredito na versão de [Eduardo] ter dado a faca para o Brittes."

Polícia do Paraná prende mais dois suspeitos na morte de Daniel Freitas. Veja:

Veja mais: Preso 4º suspeito do assassinato de jogador no PR

Por outro lado, a participação no espancamento do jogador é confirmada pelas testemunhas.

"O Eduardo ajudou a surrar Daniel. Era uma situação de comoção, repúdio. Quando se grita estupro, o cidadão age por repúdio. Todos os homens bateram [na vítima]", diz o advogado com base nos depoimentos dos clientes.

Veja mais: As contradições que a polícia aponta sobre o crime

"Pesa sobre ele a fraude processual por ter dado fim no telefone celular de Daniel", complementa o advogado Robson Domacoski ao comentar outra prática imputada a Eduardo Purkote no crime e corroborada nos interrogatórios de David e Igor.

Família Brittes segue presa

O empresário Edison Brittes Junior, que confessou ter matado Daniel, a esposa dele, Cristiana, e a filha Allana continuam presos em um complexo penitenciário na cidade de Piraquara, na região metropolitana de Curitiba. Mãe e filha estão na penitenciária feminina.

Veja mais: Moto usada por Edison Brittes pertence a traficante, diz polícia

Edison, Allana e Cristiana Brittes estão presos
Edison, Allana e Cristiana Brittes estão presos Edison, Allana e Cristiana Brittes estão presos

As prisões temporárias (por 30 dias) foram expedidas pela Justiça, mas podem ser prorrogadas ou convertidas em preventivas (até que o processo seja julgado).

Conclusão do inquérito

O titular da Delegacia Regional da Polícia Civil de São José dos Pinhais, Amadeu Trevisan, deverá concluir o inquérito na próxima semana. O delegado deverá indiciar os suspeitos por homicídio qualificado.

Veja mais: Imagens em shopping flagram Brittes com testemunhas

Após ser relatado pela autoridade policial, o documento será encaminhado ao promotor João Milton Salles, do Ministério Público do Estado do Paraná, que irá oferecer a denúncia contra os acusados à Justiça.

A reportagem do R7 não conseguiu contato com o defensor de Evelyn Brisola, uma das testemunhas do inquérito.

Tortura, assassinato e briga de bar: Veja casos traumáticos do esporte

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.