Cosme Rímoli Em plena euforia do semifinalista São Paulo, o ídolo e reserva, Miranda, segue o caminho de Hernanes

Em plena euforia do semifinalista São Paulo, o ídolo e reserva, Miranda, segue o caminho de Hernanes

O zagueiro de 37 anos vive nova realidade no São Paulo. Sem a mesma explosão muscular que marcou sua carreira, se tornou reserva de Diego Costa, Arboleda e Léo. Miranda segue líder, mesmo no banco, mas sem espaço no Morumbi

  • Cosme Rímoli | Do R7

O São Paulo age com todo o cuidado com Miranda. Como fez quando Hernanes não rendia mais

O São Paulo age com todo o cuidado com Miranda. Como fez quando Hernanes não rendia mais

São Paulo

São Paulo, Brasil

"Adivinha quem foi fundamental pra eu ficar de vez no São Paulo? Pouca gente sabe disso: Rogério Ceni. Quando estava acabando meu empréstimo, ele deu uma prensa na diretoria: 'Olha, se o São Paulo não comprar o Miranda, eu compro. Quero ele no time'. Vocês têm noção?"

"O Rogério queria comprar 50% para ajudar o São Paulo!"

(Miranda, falando sobre sua primeira passagem no Morumbi, entre 2006 e 2011, emprestado pelo Sochaux, da França.)

"Às vezes, parece que eu nunca fui embora. O São Paulo é minha casa. Aqui é meu lugar. Dessa vez, voltei para ficar. Acima de tudo, para conquistar mais títulos com essa camisa. A história continua."

(Miranda, resumindo suas expectativas na volta ao clube, em 2021.)

Só que o final de seu relato para o site The Players Tribune não se confirmou.

Depois de uma profunda análise do elenco, em 2021, Rogério Ceni decidiu que Miranda não seria mais titular absoluto nesta temporada. O treinador estudou com todo o cuidado o excesso de gols que o São Paulo tomou no ano passado e que quase levou o clube ao caminho do rebaixamento.

E um dos "culpados" era Miranda.

É um assunto delicado no Morumbi.

Porque a relação é de ídolo para ídolo. Assim como no ano passado foi dificílimo deixar claro para Hernanes que ele não tinha mais espaço nem entre os reservas imediatos do São Paulo. E que não conseguiu render no Sport. E decidiu este ano "dar um tempo" na carreira, maneira delicada para dizer que não jogará mais profissionalmente. Ele tem 36 anos. 

Miranda tem 37 anos.

Em setembro, fará 38 anos.

Ele assinou contrato até o fim deste ano.

Tinha também a oferta do Flamengo, em 2021.

Mas quis voltar ao Morumbi.

Ceni está sendo muito cuidadoso com o zagueiro, que um dia quis comprar. Das 13 partidas que o São Paulo disputou no Paulista, Miranda atuou apenas em seis jogos. Não entrou em campo também na Copa do Brasil, contra o Manaus. Ou seja, 14 jogos no ano e apenas meia dúzia de vezes como titular.

Miranda era um dos pilares do time de Hernán Crespo, no ano passado. Várias vezes capitão

Miranda era um dos pilares do time de Hernán Crespo, no ano passado. Várias vezes capitão

São Paulo

Miranda é um líder nato, tanto que chegou para o São Paulo como capitão do time. Dirigentes e o coordenador Muricy Ramalho confirmam: mesmo reserva, ele continua sendo um dos atletas que mais trabalham na motivação do elenco.

O grande problema detectado em Miranda é a sua lentidão.

Não tem mais o mesmo arranque para chegar de forma antecipada, com autoridade, marca registrada de sua carreira. E, mesmo no cabeceio, perde décimos de segundo para se posicionar. É a cobrança da idade e do futebol, cada vez mais competitivo.

Na partida mais importante do ano, até agora para o São Paulo, ontem, contra o São Bernardo, não haveria espaço para derrota. Ceni sabia que o time de Márcio Zanardi atuaria no 3-6-1 e tentaria explorar os contragolpes.

Por isso, nem pensar em Miranda.

Jogaram Diego Costa e Léo Pelé. Se Arboleda não estivesse com o Equador, nas Eliminatórias, seria titular. E Miranda, reserva do reserva.

"Nós hoje optamos por dois zagueiros mais jovens, mais saída. Pudemos usar dois laterais que constroem mais jogadas. Saída rápida, com boa construção", disse Ceni, não tocando no nome do ídolo de 37 anos, que ficou o tempo todo no banco de reservas, na partida que valia uma vaga na semifinal do Campeonato Paulista.

Rogério Ceni e Miranda têm relacionamento muito próximo.

E está claro que o treinador vai optar pela juventude e voluntariedade de Diego Costa e Léo Pelé, nas partidas que o time tiver pela frente jogadores velozes.

Miranda pode entrar eventualmente, como na semifinal ou até em uma possível final.

Mas o jogador tricampeão brasileiro pelo São Paulo, campeão espanhol e da Liga Europa, pelo Atlético de Madrid, campeão chinês, pelo Jiangsu Suning, campeão da Copa das Confederações e Copa América, pela seleção brasileira, hoje é reserva.

Não há outra palavra.

Mas Rogério Ceni está tendo todo o respeito possível com Miranda.

O jogador, claro, não esperava perder espaço, mas tem devolvido o respeito a Ceni.

E segue fundamental nos bastidores, apoiando, incentivando, orientando principalmente os garotos vindos da base, de Cotia.

Mas para a imprensa, silêncio, para não atrapalhar o ambiente.

Nas redes sociais, de ontem, fotos dele com agasalho de reserva, abraçando os jogadores na comemoração dos gols do São Paulo.

E a "legenda do líder": "Boa rapaziada, estamos na semi!"

De forma calma e tranquila, Miranda se assenta na reserva do São Paulo.

Seu contrato vai até o fim do ano, mas não será surpresa se o Coritiba, clube onde "nasceu para o futebol", levá-lo para o Brasileiro. 

Miranda voltou para o São Paulo quando tinha a opção do Flamengo

Miranda voltou para o São Paulo quando tinha a opção do Flamengo

São Paulo

Exatamente a trajetória que fez Hernanes. Ao perder espaço no São Paulo, foi para o Sport, jogar no "seu" Recife. O zagueiro é paranaense.

O único obstáculo está no salário de R$ 700 mil.

Mas vale destacar que, em plena euforia da classificação do São Paulo para a semifinal do Paulista, com ótimo futebol dos garotos da base, principalmente Pablo Maia e Rodrigo Nestor, há um líder veterano, que perdeu espaço.

É o líder, e hoje reserva, Miranda...

Goleiro do Ajax se envolve em acidente de carro antes de jogo pelas Eliminatórias

Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas