Cosme Rímoli O sacrifício de Filipe Luís para disputar a Copa

O sacrifício de Filipe Luís para disputar a Copa

A imprensa garantia. Não se recuperaria a tempo de uma fratura para disputar a Copa. O jogador acreditou e conseguiu realizar seu sonho

Filipe Luís desfruta da confiança de Tite. Pronto para seguir titular, se precisar

Filipe Luís desfruta da confiança de Tite. Pronto para seguir titular, se precisar

CBF

Moscou, Rússia

15 de março de 2018.

Atlético de Madrid e Lokomotiv jogavam pelas oitavas da Liga Europa. A partida era na Rússa. O time espanhol era muito melhor e se impunha. Quando Filipe Luís e o português Eder entraram forte em uma dividida.

O brasileiro levou a pior. Sofreu fratura na fíbula, osso da canela, da perna esquerda. Os jornais europeus se apressaram a noticiar. 

Felipe Luís deveria perder a Copa do Mundo. 

E era essa a perspectiva. Ele teria de se submeter a uma operação de reconstituição óssea. E deveria ficar até quatro meses longe do futebol. Ou seja, voltar a jogar em julho.

"Foi um período terrível, mas eu tinha em mente que estaria recuperado. Fiz a operação e me dediquei dia e noite ao tratamento. Tinha como meta jogar esta Copa. Ninguém iria tirar isso de mim", confidenciou o lateral, após o jogo contra a Sérvia.

O tratamento exigiu uma grande dose de sacrifício, o maior que o jogador se submeteu na carreira. Enfrentou as dores dos exercícios e conseguiu cortar pela metade o prazo para a recuperação.

Sua vontade incrível e o sucesso da operação garantiram que, em apenas dois meses, ele pudesse de volta aos gramados. Concorria com Alex Sandro, versátil lateral da Juventus. Os dois brigavam para ser o lateral esquerdo reserva de Marcelo.

Tite realmente ficou em dúvida. Mas acabou optando por um jogador com características inteiramente diversa de Marcelo. Filipe Luís nãol tem metade do potencial ofensivo do jogador do Real Madrid. Mas defende muito melhor. Tem 1m82 contra 1m74 do titular. 

"O Marcelo é um jogador excepcional. É um dos melhores do mundo. Suas características ofensivas é uma das maiores armas do Brasil. Isso está fora de questão. Eu sei que a vaga no time é dele. Eu vim para ajudar o grupo. Para quando o Tite precisar de mim, poder colaborar. Já é uma grande conquista estar nesse grupo", afirma.

Foi exatamente o que aconteceu contra a Sérvia. Aos nove minutos, depois de um carrinho e de alguns piques, Marcelo sentiu um 'espasmo nos músculos de sustentação da coluna'. Mal podia pisar no gramado. Não conseguiu sequer acompanhar o jogo no banco de reservas. Teve de deitar e começar o tratamento médico.

A entrada de Filipe Luís foi providencial. Foi um reforço nas insistentes bolas aéreas por parte dos sérvios. Deu sustentação pelo lado esquerdo na marcação. Não conseguiu, óbvio, ser tão importante na frente, com as triangulações com Neymar, como Marcelo. Mas nem foi preciso. O Brasil marcando forte seu Atlético de Madrid costuma fazer, venceu o jogo.

Notícias sobre contusões na Seleção Brasileira seguem desencontradas. Até por uma questão de estratégia. A última informação oficial da CBF dá conta que Marcelo melhorou bastante. O que pode ser que garanta sua volta contra o México. Pode ser. Ninguém garante. Por enquanto é uma possibilidade.

"Se eu tiver de jogar contra os mexicanos, não há problema algum. Estou no melhor da minha forma. Estou preparado. Tenho feito como o Tite cansa de repetir aqui na Rússia. Quem não está jogando precisa estar pronto para entrar a qualquer momento. Foi isso que eu mentalizei. Estar pronto. E eu estou."

Sobre o México, Filipe Luis explicou a jornalistas espanhóis que estavam na zona mista brasileira. "É um time que costuma marcar forte. E ter um contragolpe muito veloz. Conta com jogadores habilidosos no meio de campo e rápidos no ataque. O Brasil terá outro adversário difícil pela frente. Temos esta certeza."

Aos 32 anos, Filipe Luís é um dos líderes desta Seleção. Discreto, sem precisar fazer estardalhaço. Tem seu espaço, mesmo reserva, nas reuniões decisivas antes dos jogos. E é um dos mais dedicados nos treinamentos. 

Ele não esconde sua felicidade por estar disputando a Copa.

E no país em que sofreu a contusão que quase matou o sonho.

"Foi terrível, mas sabia que tudo iria dar certo. 

"E estou pronto para ajudar a Seleção.

"Em campo ou fora dele.

"É uma felicidade estar aqui", confessa...