Cosme Rímoli Passivo, Fla nem parecia lutar pelo título. Empate com fraco Fortaleza

Passivo, Fla nem parecia lutar pelo título. Empate com fraco Fortaleza

Pênalti desperdiçado de forma bizarra por Pedro não serve de desculpa. Fla de Ceni foi lento, desinteressado. 0 a 0 revoltante

  • Cosme Rímoli | Do R7

Pedro escorregando. E dando dois toques na bola. Gol de pênalti anulado

Pedro escorregando. E dando dois toques na bola. Gol de pênalti anulado

Reprodução/Twitter

São Paulo, Brasil

O pênalti desperdiçado de forma bizarra por Pedro.

Aos 41 minutos do primeiro tempo, ele foi cobrar a falta na área que ele mesmo sofreu.

O atacante escorregou no péssimo gramado do Castelão, agravado pelo buraco que Ronald, do time nordestino, cavou com as travas da chuteira.

Pedro conseguiu bater com a perna direita na esquerda. A bola até entrou. Mas houve dois toques.

Rafael Traci anulou corretamente.

Mas não percebeu a invasão grosseira na área de Gabriel Dias.

A cobrança deveria ser feita novamente.

Não foi.

Mas o time de Rogério Ceni não merecia vencer.

O Flamengo jogou mal demais.

Time espaçado, lento, desinteressado.

Nem parecia que está brigando pelo título do Brasileiro.

Pior que teve cinco dias só para treinar, já que o clube foi eliminado da Libertadores e da Copa do Brasil. 

Sem atitude, personalidade, intensidade, o time de Rogério Ceni parou na previsível marcação do Fortaleza, no Castelão.

0 a 0.

Dois pontos desperdiçados.

Em vez de ficar a quatro pontos do São Paulo, líder do Brasileiro, o time carioca se mantém longe. 

A sete...

Em terceiro na tabela.

Inaceitável a postura passiva do Flamengo.

Carlinhos anulou Everton Ribeiro, irritadiço e distante dos companheiros

Carlinhos anulou Everton Ribeiro, irritadiço e distante dos companheiros

Xandy Rodrigues/Futura Press/Folhapress 26.12.20

Perder dois pontos para uma equipe bem mais limitada tecnicamente, que luta para fugir da segunda divisão, nesta reta final do Brasileiro, da maneira que foi, chega a ser revoltante.

O clube está empatado com o Atlético Mineiro, com 49 pontos.

"Foi um resultado ruim, queríamos a vitória. Fizemos de tudo, mas não conseguimos. Tive duas oportunidades. Na primeira, o gramado prejudicou e acabei escorregando, mas sei da responsabilidade. Na segunda, o goleiro fez uma grande defesa. Bati bem, acertei o chute."

"Temos que aprender com esse erro. Temos muito campeonato ainda, muitos jogos, e vamos fazer de tudo para vencer esse campeonato", dizia, Pedro.

Mas essa não foi a postura do Flamengo.

O pênalti em Pedro. A melhor chance para o Flamengo. Mas o time de Ceni foi muito mal

O pênalti em Pedro. A melhor chance para o Flamengo. Mas o time de Ceni foi muito mal

Flamengo

Rogério Ceni, que tanto discursa sobre intensidade, velocidade com a bola, troca de posição, não conseguiu fazer com que seu time colocasse tudo isso em prática.

O Fortaleza de Marcelo Chamusca não teve dificuldade, com suas previsíveis duas linhas de marcação na intermediária, travar o Flamengo.

Arrascaeta e Bruno Henrique, dois jogadores fundamentais, estavam burocráticos, lentos, desinteressados. Everton Ribeiro, irritadiço. Gerson, individualista. Os laterais Isla e Renê não conseguiam auxiliar as jogadas pelas beiras do campo. Pedro corria como um desesperado, mas estava absolutamente isolado.

O Flamengo foi mal demais do meio para o ataque.

Trocava passes, irritantemente, sem penetração.

E Rogério Ceni sem cobrar seus atletas.

Foi absurda a lentidão do time, com o talento dos jogadores que possui.

A jogada de Pedro, invadindo a área, até ser seguro na área por Jackson, aos 38 minutos, foi a melhor do Flamengo.

O castigo veio na cobrança de pênalti, na qual o jogador fez a bola acertar os dois pés, caracterizando dois toques e o lance foi paralisado. Com falta para o Fortaleza.

No segundo tempo, a mesma toada.

0 0 a 0 serviu como placar e nota do desempenho dos times.

Rogério Ceni segue seu trabalho instável e decepcionante no Flamengo.

Resultado que chega a ser um vexame.

Pior, só a maneira que o time jogou...

Flamengo sobe para 20% de chance de título: as contas do Brasileirão

Últimas