Cosme Rímoli Nova goleada. Mas Renato Gaúcho enquadra Gabigol: 'Chatão'

Nova goleada. Mas Renato Gaúcho enquadra Gabigol: 'Chatão'

Renato estava orgulhoso da 5ª vitória seguida desde que assumiu, 6 a 0 no ABC. A quarta goleada. Mas percebeu que Gabigol, que havia marcado 2, não gostou de ser substituído. Enfrentou a situação

  • Cosme Rímoli | Do R7

O orgulho de Renato Gaúcho. Em mais uma goleada. 6 a 0 sobre o ABC

O orgulho de Renato Gaúcho. Em mais uma goleada. 6 a 0 sobre o ABC

MAGA JR/O FOTOGRÁFICO/ESTADÃO CONTEÚDO - 29/07/2021

São Paulo, Brasil

Flamengo 6, ABC 0.

Quinta vitória do time em cinco jogos sob o comando de Renato Gaúcho.

21 gols marcados, dois sofridos. 

Na partida de ontem, primeira das oitavas da Copa do Brasil, no Maracanã, foram 22 finalizações. E 75% de posse de bola.

Por trás da seriedade, firmeza, respeito com que encarou uma equipe da Série D, quarta divisão do Brasil, do futebol objetivo, intenso, moderno do Flamengo, há Renato Gaúcho.

E fazendo o que deseja.

Como gosta de fazer, sonhando com a Libertadores, ele tratou de fazer o que não é bem aceito na Gávea. Poupar jogadores. Deixou Filipe Luis, Rodrigo Caio e Gustavo Henrique descansando.

E, mais importante, tratou de matar o 'mal pela raiz', situação que Rogério Ceni não fez e se arrependeu.

Aos 31 minutos do segundo tempo, tirou Gabigol do jogo. Colocou Vitinho. 

O atacante tem números incríveis na Gávea.

Em 116 partidas como titular do Flamengo, participou de 117 gols. Marcou 90 e deu 27 assistências. Participa, em média, de um gol a cada 84 minutos.

Se tornou o nono artilheiro da Copa do Brasil, ontem.

E, simplesmente, detesta ser substituído.

Gabigol agradece a Everton Ribeiro. Mais um gol para a sua incrível estatística

Gabigol agradece a Everton Ribeiro. Mais um gol para a sua incrível estatística

Alexandre Vidal/Flamengp

Seja jogo difícil, onde pode ser decisivo, ou fácil, quando pode aumentar suas estatísticas, fundamental em qualquer carreira hoje em dia.

Renato Gaúcho percebeu que ele não gostou de sair. E logo fez questão de encarar a situação. E não passá-la para a diretoria. 

"Ele não saiu irritado. É o chatão do grupo. Ele é chato de manhã, de dia, de tarde, chato o dia todo. Ele é um dos jogadores que não gostam de sair. Mas aí cabe ao treinador. Chatão ele vai ser. Deixa que o treinador sabe lidar."

"Tem mais uns três ou quatro fominhas que não gostam de sair. Não tem cláusula no contrato que não pode tirar. Mas sempre com jeitinho, falando com eles, mas tem hora que precisam sair para descansar e dar oportunidade ao companheiro que está entrando", sentenciou.

O treinador avisou que resolve a situação com Gabigol. Ao contrário de Rogério Ceni, que pedia para a diretoria interferir.

E deixou as reclamações por substituições o desmoralizarem. Foi assim com Gabigol, Gerson e Pedro. O novo treinador do Flamengo avisou a diretoria que não permitiria que isso acontecesse.

Renato, esperto, não quer carregar a pressão de o Flamengo ter de vencer, golear, todos os jogos.

"São cinco vitórias, mas o importante é que a gente vem avançando no Brasileiro. Demos um passo importante na Copa do Brasil. Daqui a pouco acontece com qualquer time, vamos tropeçar."

"Importante é que temos dado continuidade no trabalho, jogando para vencer, e temos conseguido essas vitórias. A equipe tem feito o que é pedido dentro de campo."

Gabigol não tinha limites com Rogério Ceni. Com Renato, a situação é bem diferente

Gabigol não tinha limites com Rogério Ceni. Com Renato, a situação é bem diferente

Alexandre Vidal/Flamengo

O Flamengo enfrentará o Corinthians, domingo, em Itaquera, pelo Brasileiro.

O clube é quinto, distante dez pontos do líder Palmeiras. Mas com duas partidas a menos. 

Renato sabe o quanto a diretoria quer o tricampeonato brasileiro. 

E vai colocar seu time para atacar no domingo...

Ciclista sofre acidente assustador e quebra clavícula em prova do BMX

Últimas