Morumbi ultrapassado. Orçamento estourado. 18 títulos perdidos. Leco

Ele é o pior presidente da história do São Paulo. Sabe do vexatório legado que deixará para a história. Por isso, o desespero no último ano de mandato

Lecou usou Rogério Ceni como cabo eleitoral. E, depois, o despachou

Lecou usou Rogério Ceni como cabo eleitoral. E, depois, o despachou

Reprodução/Twitter

São Paulo, Brasil

Desde 2012, o São Paulo já disputou 30 campeonatos oficiais.

Perdeu todos.

Sob o comando do inseguro Leco, já foram 18 desperdiçados.

O currículo, os números, as estatística, o tornam o pior presidente da história do São Paulo Futebol Clube.

Carlos Augusto Barros e Silva já tem 81 anos.

Fez na segunda-feira, sem festa no clube.

Não há o que comemorar.

Ficará na presidência por mais onze meses.

Sabe que este período será 'tudo ou nada'.

Ou consegue um mísero título para o clube tricampeão mundial ou será terá seu nome associado ao pior legado da era moderna, pós-Morumbi.

Isso o apavora, confirmam opositores e aliados.

Nas conversas com seus grandes amigos no Pinheiros, sofisticado clube social que frequenta aos finais de semana na capital paulista, ele se abre. Mostra sua incredulidade com o acúmulo de derrotas, com as frustrações.

Sonhou ser presidente por décadas, até que o cargo caiu no seu colo, com Carlos Miguel Aidar tendo de abdicar graças a denúncias gravíssimas.

O inseguro Leco assumiu dizendo que tudo apurado 'de errado' ficaria 'dentro do São Paulo'. Para evitar escândalos públicos. Foi o que aconteceu.

Dentro de campo, o dirigente mostrou sua falta de rumo, convicção.

Foram, até agora, nove treinadores. Seis interinos.

Nada menos do que 15 pessoas a comandar o futebol do clube, sob a bênção do inseguro Leco.

Das mais variadas filosofias.

Usou como escudo e cabo eleitoral o maior ídolo do São Paulo, Rogério Ceni. Reeleito, o despachou. Assim como fez com Ricardo Rocha.

Lugano chega a ser quase um símbolo.

E Raí tem de se submeter às suas vontades.

Comprometeu o clube com contratações caríssimas de veteranos como Daniel Alves, Hernanes, Pato. E perdeu apostas como Pablo e Everton.

R$ 1,5 milhão a cada 30 dias para Daniel Alves, 36 anos. Por três anos

R$ 1,5 milhão a cada 30 dias para Daniel Alves, 36 anos. Por três anos

Reprodução/Twitter

Teve Gonzalo Carneiro suspenso por dois anos por uso de cocaína.

O goleiro Jean espancou a mulher e foi para o Atlético Goianiense de graça.

Contusões e recuperações demoradas atormentaram como nunca o clube.

O namoro com o rebaixamento em 2017 foi assustador.

Diante todo esse quadro, o orçamento oficial do clube previa a venda, em 2019, de R$ 80 milhões em jogadores.

Os interessados foram poucos. E não houve a sonhada proposta milionária pelo melhor jogador, Antony. 

Veja mais: Garotos, Pacaembu, Cueva. Jesualdo fará o que Peres deseja no Santos

2020 começa com o inseguro presidente pressionado.

Ele teria de vender atletas.

Enrolou o quanto pôde o Red Bull, que queria o zagueiro Walce. Eram R$ 27 milhões de uma só vez.

Resultado, o zagueiro rompeu o ligamento cruzado anterior do joelho esquerdo, treinando com a Seleção Pré-Olímpica. E ficará oito meses sem jogar futebol. 

O Red Bull desistiu da transação.

Mesmo indo contra o estatuto, o inseguro Leco manda Fernando Diniz não se preocupar. E treinar forte.

Aguirre um dos 15 profissionais que comandou o futebol no São Paulo de Leco

Aguirre um dos 15 profissionais que comandou o futebol no São Paulo de Leco

Reprodução/Twitter

O Campeonato Paulista é a grande meta.

Por ser o torneio mais fácil.

Já que o Palmeiras foi desmontado, assim como o Corinthians. E o Santos teve uma profunda mudança de filosofia, trocando Jorge Sampaoli por Jesualdo Ferreira. 

Dividido, o Conselho Deliberativo se mostra omisso.

Veja mais: Corinthians não perdoou Dodô. Por isso não foi contratado

Não cobra o inseguro Leco como deveria.

Quanto às organizadas, a relação segue boa.

O próprio Leco confessou que ajuda financeiramente as principais.

"Não tem como não conviver com essas torcidas. São concessões que temos que fazer. Ajudar no carnaval e a entrar no estádio. Sempre foi assim e sempre vai ser", disse à Folha de São Paulo.

E questões fundamentais como a modernização do Morumbi, a transformação em uma arena, foram ficando esquecidas. Graças aos fracassos no futebol.

O novo estádio do Palmeiras 'roubou' o palco dos principais shows no país. Tirou o status, de décadas, do Morumbi.

Veja mais: Jesus está errado. Reinier vale mesmo só um quinto de João Felix

Marco Aurélio Cunha e Júlio Casares serão dois dos principais candidatos à sucessão do inseguro Leco.

E usam os vexames da atual gestão como trampolim.

O inseguro Leco quer saber do seu legado.

Conquistar ao menos um título em 2020.

Situação econômica do clube, estatuto, transformação do ultrapassado Morumbi em arena, tudo isso fica para trás.

O inseguro Leco jamais esperava viver tanto constrangimento.

Ele lutou décadas para ser presidente.

Foi traído várias vezes.

Até que chegou ao cargo.

Conseguiu.

E se tornou o pior presidente da história do São Paulo...

Curta a página do R7 Esportes no Facebook

Mercado da Bola 2020: veja quem saiu e quem chegou no seu time