Com farras e noitadas, Cazares se queima com Palmeiras e Corinthians

Equatoriano do Atlético Mineiro interessa aos dois grandes rivais de São Paulo. Mas suas seguidas farras sabotam a chance de negociação

Festas, festas e mais festas. Com coronavírus, Cazares farreava em Minas Gerais

Festas, festas e mais festas. Com coronavírus, Cazares farreava em Minas Gerais

Reprodução Twitter

São Paulo, Brasil

Há quatro situações envolvendo Casares.

A primeira é sua situação no Atlético Mineiro. 

O equatoriano de 28 anos estragou de vez seu relacionamento com a diretoria do clube.

Ele já foi acusado de ter agredido mulheres em uma festa na sua casa. Depois, seu empresário Jorge Marino declarou que ele não ficará no clube em 2021.

Em seguida, ele foi advertido por outra festa na sua casa, em plena pandemia.

Depois, pela segunda vez.

Outra vez farreando, mesmo com a curva crescente do coronavírus.

Como se debochando da Vigilância Sanitária de Lagoa Santa, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, fez mais uma festa na sua casa, no condomínio Boulevard.

Desta vez foi multado em R$ 130 mil.

O pior é que, antes desta terceira festa, havia feito exames para verificar se estava infectado pelo coronavírus. O resultado saiu depois da festança, com convidados e convidadas. 

Resultado: Casares está infectado.

A segunda situação acontece no Parque São Jorge.

O perfil do veloz e driblador meia-atacante agrada a diretoria. Até porque ele ficará livre do seu contrato no final do ano. 

Ele já demonstrou interesse em atuar no clube paulista.

Só que as farras arranharam sua imagem.

Houve enorme decepção e tensão.

Os defensores de sua contratação recuaram.

E perderam força neste momento.

A direção corintiana tem péssimas lembranças de Adriano, o último jogador assumidamente farrista no Parque São Jorge.

A terceira situação ocorre no Palmeiras.

Vanderlei Luxemburgo gosta do futebol de Cazares.

E seria interessante ao Palmeiras ter o jogador 'de graça' em 2021.

Só que suas indisciplinas também o desgastaram.

O clube está com seus atletas controlados, compromissados.

A quarta situação envolve o executivo Alexandre Mattos.

Ele sabe que o Atlético Mineiro perderá Cazares em dezembro.

E está se mexendo no mercado para conseguir algo em troca.

Scarpa, subaproveitado, desperdiçado no Palmeiras. Mas vale 8 milhões de euros

Scarpa, subaproveitado, desperdiçado no Palmeiras. Mas vale 8 milhões de euros

Reprodução Twitter

Jornalistas de Belo Horizonte especulam que ele sabe da vontade do Palmeiras em ter o meia.

Do interesse de Luxemburgo.

E garantem que Mattos articula uma troca.

Oferecer o equatoriano para levar Gustavo Scarpa.

O executivo tem conhecimento do quanto o meia é subaproveitado no clube paulista.

Ele tem 26 anos e contrato até dezembro de 2022.

Conselheiro influente, ligado a Mauricio Galiotte informa ao blog.

A diretoria palmeirense não é tão ingênua.

Sabe que Cazares estará livre em dezembro.

Esta troca simples é absurda.

A não ser que o Palmeiras recebe algo como 8 milhões de euros, R$ 47 milhões.

O Atlético Mineiro tem sérias dificuldades financeiras.

Não tem como pagar tanto por Scarpa.

Uma das muitas festas de Cazares. Diretoria do Atlético se cansou dos problemas

Uma das muitas festas de Cazares. Diretoria do Atlético se cansou dos problemas

Reprodução Instagram

Ou seja, o futuro de Cazares está indefinido.

Há duas únicas certezas.

A primeira é que pagará R$ 130 mil.

Pelas farras na pandemia.

A segunda é que está infectado pelo coronavírus...

Atletas apoiam movimento contra racismo após morte de George Floyd