Cosme Rímoli Com a bênção de Abel Ferreira, Palmeiras fecha a venda de Patrick de Paula ao Botafogo

Com a bênção de Abel Ferreira, Palmeiras fecha a venda de Patrick de Paula ao Botafogo

O clube carioca e o paulista se acertaram, neste sábado, quanto ao preço. R$ 33 milhões por 50% dos direitos do meio-campista de 22 anos. O detalha apenas é se o pagamento será à vista ou parcelado.Jogador está empolgado

  • Cosme Rímoli | Do R7

Patrick de Paula entendeu que não recuperaria espaço com Abel Ferreira. Prefere sair

Patrick de Paula entendeu que não recuperaria espaço com Abel Ferreira. Prefere sair

Cesar Greco/Palmeiras

São Paulo, Brasil

Palmeiras e Botafogo se acertaram neste sábado.

Por R$ 33 milhões, Patrick de Paula jogará no clube carioca.

A negociação é mesmo por 50% dos direitos do jogador.

O volante está empolgado com a transação.

Ele percebeu que perdeu espaço de forma irrecuperável com Abel Ferreira.

Por conta do seu comportamento fora dos gramados. 

Farras, noitadas.

E, de acordo com o treinador, pouco empenho e seriedade nos treinos.

Virou reserva absoluto.

O atleta ficou muito magoado, frustrado, por não ter sido inscrito no Mundial de Clubes deste ano.

Em 2020, ele disputou 49 jogos. Em 2021, 48 partidas. Este ano, entrou apenas quatro vezes em campo.

Era nítido que ele estava atrás de Danilo, Zé Rafael, Jaílson e Atuesta.

A direção palmeirense consultou Abel Ferreira.

E ele não se opôs à venda de Patrick de Paula.

O Botafogo pode comprar mais 20%, se quiser, o Palmeiras até já colocou o preço nesta porcentagem, 3,5 milhões de euros, cerca de R$ 19,4 milhões a mais. Só que o clube paulista deseja ficar com 30%, acreditando em futuras transações.

A decisão agora está na forma de pagamento.

Se à vista, ou dividida em parcelas.

A transação já está toda amarrada.

E pessoas ligadas à direção garantem.

"Não há volta.

"Patrick de Paula já é do Botafogo"...

Neymar só fica atrás de Messi e CR7 entre os maiores salários do mundo

Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas