Cosme Rímoli Abalado pelas vaias, Messi sabe: fracassou no PSG. Argentina o quer de volta no Barcelona. Pela Copa do Catar

Abalado pelas vaias, Messi sabe: fracassou no PSG. Argentina o quer de volta no Barcelona. Pela Copa do Catar

Rejeitado por torcida e imprensa, o meia de 35 anos, sete vezes melhor do mundo, está abalado com o fracasso na Champions. Pelas vaias, pelas críticas. Chance de voltar ao Barcelona é real

  • Cosme Rímoli | Do R7

Desempenho de Messi é frustrante. O sete vezes melhor do mundo ganha R$ 16 mi mensais

Desempenho de Messi é frustrante. O sete vezes melhor do mundo ganha R$ 16 mi mensais

AFP

São Paulo, Brasil

Em abril de 2014, Messi foi vaiado pela torcida do Barcelona.

O motivo foi o time ter sido eliminado da final da Champions League. A equipe caiu diante do Atlético de Madrid. Empatou na Catalunha e perdeu na capital espanhola por 2 a 0. E deixou de decidir o título com o eterno rival Real Madrid, que foi campeão.

Messi havia acabado de receber um grande aumento. Seu salário anual passava de 13 milhões de euros, atuais R$ 72 milhões, para 20 milhões de euros, cerca de R$ 111 milhões.

"Se não me querem, vou embora. Não fico onde não me querem", disse o argentino.

Oito anos depois, ele vive a mesma situação, só que desta vez no PSG, clube que jamais chamou de "casa", como fazia frequentemente no Barcelona. O motivo é a eliminação precoce da Champions League, nas oitavas, diante do Real Madrid. 

Só que, ao contrário de Neymar, Messi é muito mais suscetível. Dono de sete Bolas de Ouro como melhor do mundo, não finge, como o brasileiro, que nada está acontecendo. 

E, embora tenha contrato até 2023, ele pensa seriamente em voltar para "sua casa", o Barcelona. 

Seus números são tímidos diante de tanta expectativa. E tanto talento. Em 26 partidas, apenas sete gols e 11 assistências. O técnico Mauricio Pochettino o privilegia taticamente. Caminhando para os 35 anos, o argentino atua do meio para a frente sem a obrigação de marcar, o que sobrecarrega o time. E não está trazendo tanta compensação.

Na semana passada, no reencontro do time diante da torcida do PSG, depois da eliminação da Champions, Messi foi muito vaiado quando seu nome foi anunciado na escalação contra o Bordeaux. Mbappé, aplaudido, fez questão de consolar o argentino.

Neymar foi xingado de "filho da pu..."

Neymar e Messi. Reencontro gerou enorme expectativa. Foi um fracasso

Neymar e Messi. Reencontro gerou enorme expectativa. Foi um fracasso

AFP

A verdade é que seu reencontro com o brasileiro foi um grande fracasso.

O argentino, que se desentendeu com a antiga diretoria do Barcelona, só foi parar no PSG por conta de Neymar, que insistiu com a diretoria do clube parisiense. E que insistiu com o amigo argentino que não fosse para o Manchester City, de Pep Guardiola.

O sonho era reeditar as quatro temporadas em que a dupla brilhou na Espanha. E interrompida no auge, por conta de Neymar querer se tornar protagonista no PSG e ganhar a Bola de Ouro, como melhor do mundo. Algo que jamais alcançou.

Messi assinou com o PSG por 35 milhões de euros por temporada. Cerca de R$ 194 milhões por ano. Próximo de R$ 16 milhões por mês.

O sonho da família real catariana, dona do clube, era a conquista da Champions. A desilusão em relação ao argentino é enorme. Sua saída não está descartada no meio do ano.

"Espero que Messi possa voltar ao Barcelona. Para mim, Leo não está aproveitando, está fora de lugar lá. Vou falar algo que Leo sempre me disse: 'Onde mais você vai estar melhor do que aqui?'. Ele está certo, eu vivi isso", disse Daniel Alves, deixando claro o arrependimento de ter jogado na Juventus, no PSG e no São Paulo, 'clube do seu coração'.

O treinador da Argentina, Lionel Scaloni, está preocupado. Já ligou para o jogador. E o convocou para as últimas partidas das Eliminatórias. Mesmo com a seleção já classificada, ele acredita que as partidas contra a Venezuela, em Buenos Aires, e contra o Equador, em Quito, darão moral, 'aquecerão' o coração do argentino.

A 'casa' de Messi é o Barcelona. Com nova diretoria, retorno é mais do que possível

A 'casa' de Messi é o Barcelona. Com nova diretoria, retorno é mais do que possível

Reprodução/Instagram

A preocupação da imprensa, do povo argentino, é que Lionel Messi chegue bem na Copa do Mundo no Catar. Será sua última tentiva, aos 35 anos.

E sua passagem pelo PSG está fazendo muito mal para a carreira brilhante do argentino.

Ser campeão francês, como o clube deverá ser, não tem importância.

Ele foi contratado para vencer a Champions, para formar o "trio dos sonhos", com Neymar e Mbappé.

Fracassou.

E está abalado.

Messi, muito mais do que Neymar, foi extremamente mimado por onde passou. 

Em 2014, após a ameaça de ir embora, a torcida do Barcelona se tranquilizou e o perdoou. Cessaram as vaias.

Na França, Messi sabe que não tem o mesmo poder.

A pressão, as críticas da imprensa francesa se refletem nas redes sociais.

Depois de Neymar, é o jogador mais desejado fora de Paris.

Messi sabe que está na fase final de sua carreira.

E não tem a tolerância do amigo brasileiro para ser xingado, vaiado.

A imprensa argentina acredita que a possibilidade de rescisão de contrato é real.

E um possível retorno ao Barcelona, para os anos finais dentro do campo.

A infelicidade de Messi é absolutamente transparente.

A lua de mel com o PSG acabou.

A aventura em Paris, com Neymar, foi um fiasco...

Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas