Cosme Rímoli A guerra suja por dinheiro. O corpo de Sala não interessa

A guerra suja por dinheiro. O corpo de Sala não interessa

Nantes e Cardiff não mostram respeito pela morte de Sala. Enquanto o corpo foi achado ontem, a preocupação dos clubes é com os R$ 72 milhões

Nantas, Cardiff, Sala, corpo de Sala encontrado

Nantes e Cardiff duelam por dinheiro. Não importa a descoberta do corpo de Sala

Nantes e Cardiff duelam por dinheiro. Não importa a descoberta do corpo de Sala

Edward Boone/Reuters - 30.1.2019

São Paulo, Brasil

Os últimos momentos de vida e os primeiros dias da morte de Emiliano Raúl Sala Taffarel foram marcados.

Pela insensibilidade e pelo dinheiro.

A retirada do corpo do atacante de 28 anos, ontem, preso nos destroços do monomotor Piper PA-46, 67 metros submerso no Canal da Mancha, a 34 quilômetros da ilha de Guernsey, ainda não foi o ponto final nesta trágida história.

Muito pelo contrário.

A direção do Nantes já deixou claro que deseja os 15 milhões de libras, cerca de R$ 72 milhões, pelos quais negociou o atacante com o Cardiff, do País de Gales.

A cobrança da primeira parcela, 5 milhões de libras, cerca de R$ 23 milhões, foi feita por e-mail.

E, não foi nada amigável. 

Os franceses não tiveram a menor preocupação de esperar o capítulo final da tragédia ocorrida na noite de 21 de janeiro. E, enquanto a terrível imagem dos destroços do avião no fundo do mar ganhava o mundo, a cúpula do Nantes ameaçava o Cardiff. 

Se o pagamento não fosse feito em dez dias, os franceses processariam o clube galês. 

Acionaria até a Fifa para ter o dinheiro.

A transação estava concluída.

Os dirigentes do Nantes repassariam 50% da transação para o Bordeaux, clube anterior do atacante.

Veja mais: Dor e luto no Ninho: as imagens do CT do Flamengo após o incêndio

O combinado era : um terço do dinheiro seria pago uma semana depois da assinatura de contrato de Sala para atuar na Grã-Bretanha. Ou seja, dia 28 de janeiro.

Os dirigentes do Cardiff se mostraram desgostosos com o vazamento da cobrança. E decidiram alegar 'respeito à morte do jogador' e garantiram que iriam pagar no 'momento oportuno'.

O que é algo absurdo. 

A terrível morte do jogador não pode servir de escudo para que o Cardiff não cumpra sua obrigação financeira.

Na verdade, é vergonhosa a atitude dos galeses.

O clube que disputa a Premier League também não assumiu publicamente que pagará os salários de três anos e meio combinados com Sala. Essa quantia precisa ser depositada à família do jogador.

Só que até agora, nenhum pronunciamento.

Aliás, tanto o Nantes como o Cardiff tiveram atitude lamentável em relação às buscas da aeronave. As autoridades da ilha britânica de Guernsey decidiram interromper a procura três dias depois do desaparecimento da aeronave que transportava o argentino.

Os dirigentes das duas equipes cruzaram os braços. Não se comoveram com o desespero da família do atleta. Nem com a comoção da opinião pública.

Não quiseram gastar, já que o atleta estava morto.

Ameaças de processos, cobranças. Clubes querem saber do dinheiro

Ameaças de processos, cobranças. Clubes querem saber do dinheiro

REUTERS/Peter Powell - 29.01.2019

Foi necessária a organização de uma campanha de doação pela Internet para uma empresa particular continuasse com as buscas. Messi, Higuain, Otamendi e outros jogadores importantes argentinos foram os maiores doadores. A arrecadação chegou a 190 mil libras esterlinas, cerca de R$ 911 mil. 

E a empresa Blue Water Recoveries foi contratada.

Os destroços do avião logo foram encontrados.

Havia um corpo preso às ferragens.

Aparelhos por controle remoto conseguiram retirar o cadáver.

Ele foi levado pela Inglaterra, para que houvesse a identificação.

Poderia ser do piloto David Ibbotson.

Houve o anúncio ontem à noite: era Emiliano Sala.

Só que a cúpula do Nantes queria saber do dinheiro prometido e não pago pelo Cardiff.

Além do valor da venda, há o contrato de três anos e meio assinado

Além do valor da venda, há o contrato de três anos e meio assinado

Site Cardiff

Os galeses já articulam o recebimento de 16 milhões de libras, R$ 76 milhões, valor que o clube teria direito ao seguro de vida do atacante. 

Não será assim tão fácil.

Porque haverá uma investigação.Sobre os motivos que fizeram o clube galês aceitar que a mais cara contratação de sua história cruzasse o Canal da Mancha a bordo de um monomotor. À noite e em péssimas condições climáticas.

Lógico que a irresponsabilidade, o descaso do Cardiff serão grandes obstáculos.

Veja mais: Técnico do Real revela Vinicius Jr. abalado e presta solidariedade

O corpo do jogador está na Inglaterra.

Ele será levado para a Argentina, onde será enterrado.

A família espera a última despedida.

Que os galeses pelo menos paguem essa despesa.

A tristeza de Romina. A agonia por encontrar o corpo do irmão acabou

A tristeza de Romina. A agonia por encontrar o corpo do irmão acabou

Reprodução/9news

Por trás da enorme tristeza pela morte do atacante há dois componentes fundamentais.

A insensibilidade.

E o dinheiro.

O valor pela vida perdida ficou em segundo plano...

Veja quem são as vítimas da tragédia no CT do Flamengo