Futebol Jogo com reservas dá confiança a trio de velocistas do São Paulo

Jogo com reservas dá confiança a trio de velocistas do São Paulo

Everton, Helinho e Paulinho Boia, jogadores com características que estão em falta na equipe titular, foram os autores dos gols da vitória sobre Guarani

Lance
Helinho foi um dos que mostraram habilidade

Helinho foi um dos que mostraram habilidade

Lance

Fernando Diniz ignorou as discussões vazias sobre a possibilidade de o São Paulo facilitar a vida do Guarani para prejudicar o Corinthians e provou que é possível levar uma partida a sério mesmo utilizando uma formação reserva.

Veja também: Dudu no Qatar? Confira brasileiros que defenderam outras seleções

Já classificado para as quartas de final e ciente da maratona que se avizinha após um dos maiores hiatos do futebol brasileiro na história - o Paulistão ficou parado por quatro meses -, o São Paulo decidiu deixar os titulares fora até do banco (Volpi foi a exceção) e dar rodagem para quem não joga com tanta frequência.

Mais do que rodagem, a partida serviu para devolver confiança a alguns atletas. Três deles, curiosamente os autores dos gols da vitória por 3 a 1 na Vila Belmiro, compartilham uma característica da qual a equipe principal costuma sentir falta: velocidade.

Everton, Helinho e Paulinho Boia jogaram bem contra o Guarani e deram sinais de que é possível contar com eles pelo menos como alternativas para o segundo tempo - Pablo, Pato e Vitor Bueno merecem a titularidade neste momento.

Everton não marcava um gol desde a vitória por 2 a 0 sobre o Botafogo pela primeira rodada do Brasileirão do ano passado, em abril, no Morumbi. Já Helinho não balançava as redes desde a sua estreia profissional, em novembro de 2018, contra o Flamengo. E não foram "só" os gols: praticamente todas as jogadas de ataque do Tricolor até a metade do segundo tempo tiveram a participação de pelo menos um dos dois.

Brenner, que pouco fez como centroavante (embora tenha iniciado a jogada do primeiro gol), foi substituído por Paulinho Boia aos 18 minutos da etapa final. Everton foi deslocado para o comando do ataque e perdeu fôlego, mas Boia compensou ao assumir seu lugar pela esquerda. Bastaram só quatro minutos para que ele marcasse o golaço que fechou o placar. Foi o primeiro gol dele como profissional do São Paulo, combustível importante para quem começou o ano como peça descartável e só não foi emprestado pela terceira vez seguida porque o Cruz Azul encontrou uma pequena lesão no joelho.

Veja também - Exclusivo R7: agente comunitária de saúde fala sobre as dificuldades para atuar na pandemia

O zagueiro Diego, jovem da base, e o bom e velho Hernanes também se destacaram. Igor Vinícius e Léo, como de praxe, mostraram que as laterais estão bem servidas mesmo quando Juanfran e Reinaldo não podem jogar.

O São Paulo chega aos mata-matas tendo usado praticamente todo o elenco nas duas rodadas após a retomada do Paulistão e com alguns atletas que podem ser importantes retomando a confiança. Agora enfrentará o Mirassol, quarta ou quinta-feira, no Morumbi, por uma vaga na semifinal.

Gênios! Confira melhores camisas 10 do futebol brasileiro no século 21

Últimas