Futebol CR7 admite ter pago R$ 1,5 mi para se livrar de acusação de estupro

CR7 admite ter pago R$ 1,5 mi para se livrar de acusação de estupro

Segundo site, craque português diz ter dado a quantia para professora de educação física para impedir que processo judicial prosseguisse

  • Futebol | Leonardo de Souza, do R7*

Jogador é acusado por um estupro que teria cometido em 2009

Jogador é acusado por um estupro que teria cometido em 2009

Reprodução/Instagram

O astro português Cristiano Ronaldo admitiu, nesta segunda-feira (19), ter pago cerca de 375 mil dólares (R$ 1,51 milhão) à Kathryn Mayorga, professora de educação física,  que o acusava de estupro.

Veja mais: Philippe Coutinho é apresentado no Bayern de Munique com camisa 10

Segundo o site americano “TMZ”, os advogados do jogador conseguiram um acordo no caso: “O senhor Ronaldo pagou à professora 375 mil dólares e ambas as partes concordaram em estar vinculadas por obrigações explícitas de confidencialidade e não depreciação”.

O caso aconteceu em 2009, quando a professora de educação física, Kathryn Mayorga, de 34 anos, alegou ter sido abusada sexualmente pelo português em um quarto de hotel em Las Vegas. As autoridades de Nevada, Estados Unidos, chegaram a abrir uma investigação contra Cristiano Ronaldo, mas, no mês passado, o Ministérios Públicos de Las Vegas anunciou que o caso não teria continuidade por não haver provas.

Mayorga abriu um processo civil contra o craque da Juventus e agora espera que um juiz encerre de vez o caso, argumentando que as duas partes assinaram um acordo de confidencialidade e que os prazos para apresentar uma queixa prescreveram.

Veja mais: Ex-presidente do Peixe diz: 'Neymar não foi para o Real por minha causa'

No documento, Ronaldo afirma que o valor pago a Mayorga não é uma admissão de culpa, apenas o custo para manter as acusações longe da 'mídia'. O jogador sempre negou as acusações.

Curta a página do R7 Esportes no Facebook

Não só Daniel Alves! Torcedores pedem mulher do lateral no Brasil

*Estagiário do R7, sob supervisão de André Avelar

Últimas