Logo R7.com
Logo do PlayPlus
R7 Esportes
Publicidade

Federação Espanhola de Futebol anuncia 'ações legais' por 'mentiras' de jogadora sobre beijo forçado

Jenni Hermoso, atacante da seleção, afirmou ontem que gesto 'não foi consentido' e que se sentiu 'vítima de uma agressão' de cartola

Copa do Mundo|Do R7, com AFP


Rubiales se recusou a deixar o cargo mesmo com escândalo do beijo forçado
Rubiales se recusou a deixar o cargo mesmo com escândalo do beijo forçado

A RFEF (Real Federação Espanhola de Futebol) qualificou, neste sábado (26), de "mentiras" as últimas acusações da jogadora da seleção de futebol do país Jenni Hermoso contra o presidente da entidade, Luis Rubiales, pelo beijo forçado que o cartola lhe deu após a final do Mundial, quando a Espanha ganhou da Inglaterra por 1 a 0 no último domingo (20). A entidade máxima do futebol espanhol anunciou "ações legais".

"A RFEF e o sr. presidente demonstraram cada uma das mentiras que se difundem, seja por alguém em nome da jogadora ou, se for o caso, pela própria atleta", disse o órgão em um comunicado na madrugada deste sábado, depois de Hermoso ter dito que se sentia "vítima de uma agressão" pelo beijo de Rubiales na boca.

A entidade afirmou que iniciará "as ações legais cabíveis" para defender a versão do presidente, que rechaçou se demitir nesta sexta-feira (25) do cargo. Para ele, o beijo foi um gesto "consentido" pela atleta espanhola. Ela nega.

A jogadora Jenni Hermoso garantiu, ontem, que se sentiu "vulnerável e vítima de uma agressão" quando recebeu o beijo de Luis Rubiales ao término da final do Mundial, depois de ter dito que o beijo "não foi consentido".

Publicidade

Horas antes, Hermoso assegurou, no primeiro comunicado sobre o assunto, emitido pelo sindicato dos atletas profissionais, que "em nenhum momento" consentiu esse beijo, o que desmontou a defesa de Luis Rubiales.

Na nota oficial, a federação cita o comunicado do sindicato, em que Hermoso afirma: "Em nenhuma situação, procurei alcançar o presidente".

Publicidade

Quatro fotos acompanham o comunicado da federação espanhola para defender a versão de que foi a jogadora que se levantou do solo para chegar ao rosto do presidente, não o contrário.

"Os pés do senhor presidente estão clara e manifestamente levantados do solo como consequência da ação de força feita pela atleta", explica a RFEF.

A entidade também respondeu às jogadoras da seleção que anunciaram, na sexta (25), a recusa em voltar a jogar com a seleção se não houver uma troca dos atuais dirigentes da federação espanhola.

No comunicado, a RFEF relembra que a "participação na seleção é uma obrigação de todas as pessoas federadas se são convocadas".

De forma inesperada e apesar da pressão, o dirigente máximo do futebol espanhol se recusou a deixar o cargo na assembleia geral extraordinária da federação, que ocorreu em Las Rozas, na periferia de Madri.

No cargo desde 2018, Rubiales, que foi zagueiro quando profissional, empreendeu um contra-ataque às acusações, afirmando que o beijo foi "mútuo" e "consentido", e que contou com a autorização da atleta. Ele aproveitou para atacar o "falso feminismo".

O caso, intitulado "#MeToo del fútbol español", provocou uma avalanche de críticas contra Luis Rubiales no mundo político e esportivo.

Hermoso, atleta do Pachuca, recebeu também, nas últimas horas, apoio da liga feminina de futebol do México e dos clubes que lá atuam.

"Na liga MX Femenil, defendemos e protegemos os direitos de nossas jogadoras, técnicas e comissão técnica; teremos tolerância zero diante de qualquer tipo de ato que atente contra a integridade das atletas", disse o órgão.

"Jenni conta com todo o respaldo institucional, emocional e pessoal do Grupo Pachuca neste momento tão delicado de sua vida", manifestou-se também o clube mexicano.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.