Cosme Rímoli Vexame do Benfica, de Jesus, é motivo de festa no Flamengo. Dirigentes brasileiros ficarão em Portugal para aumentar a pressão

Vexame do Benfica, de Jesus, é motivo de festa no Flamengo. Dirigentes brasileiros ficarão em Portugal para aumentar a pressão

O Porto fez o que quis com o Benfica. 3 a 0 foi pouco. A imprensa portuguesa exige a saída de Jesus. Até por desrespeito ao Benfica. Dirigentes do Flamengo ficarão em Portugal para desestabilizar ainda mais o técnico

  • Cosme Rímoli | Do R7

Depois do vexame diante do Porto, derrota por 3 a 0, torcida e imprensa pedem saída de Jesus

Depois do vexame diante do Porto, derrota por 3 a 0, torcida e imprensa pedem saída de Jesus

AFP

São Paulo, Brasil

Em 30 minutos, o Benfica já era humilhado pelo Porto.

Perdia por 3 a 0, caía eliminado da Taça de Portugal.

O treinador, Jorge Jesus, suspenso, assistia o massacre nas tribunas.

Assim como estavam nas tribunas do estádio do Dragão, o vice-presidente de futebol, Marcos Braz, e o executivo Bruno Spindel. Os dirigentes do Flamengo acompanharam a vexatória derrota ficar ainda mais constrangedora, depois que Evanilson, autor de dois gols, foi expulso no final do primeiro tempo.

O Benfica teve 48 minutos com um jogador a mais, até o argentino Otamendi ser expulso. E nada produziu. Pelo contrário, quase tomou mais gols.

Ao final do clássico, mesmo com Jorge Jesus fora do banco de reservas, ele foi massacrado por jornalistas portugueses e por torcedores do Benfica, que consideram que o técnico não tem mostrado o menor respeito pelo clube, ao se reunir com dirigentes do Flamengo às vésperas de uma partida eliminatória contra o Porto.

A pressão só aumentou com a eliminação de hoje.

Jogadores do Benfica estavam constrangidos depois do massacre.

"Penso que a equipe não estava à altura da situação da partida. Em cinco minutos sofremos dois gols de bola parada. Não é o que o Benfica necessita, temos de dar a volta à situação. Quero pedir desculpa, não é a imagem que queremos dar a quem nos apoia.

"Não é a imagem que podemos dar. Não sei como explicar", disse o lateral espanhol Grimaldo.

Em apenas 30 minutos, o Benfica já perdia por 3 a 0. Ficou o 2º tempo com um a mais. Nada fez

Em apenas 30 minutos, o Benfica já perdia por 3 a 0. Ficou o 2º tempo com um a mais. Nada fez

Reprodução/Instagram

Marcos Braz e Spiendel fugiram dos jornalistas no Porto.

Mas tudo está se encaminhando para um desfecho favorável ao Flamengo.

Jorge Jesus tem grande chance de ser demitido na próxima quinta-feira, dia 30.

O Benfica fará a última partida do ano justamente contra o Porto. No mesmo estádio do Dragão, palco da atuação vexatória de hoje.

O treinador, esperto, fez questão de não dar entrevista, já que não estava no banco de reservas, comandando seu time.

Mas não escapou das críticas da imprensa portuguesa.

A ironia foi o grande ingrediente.

Com a insistente opinião de comentaristas.

Marcos Braz e Spindel acompanhando o vexame do Benfica. Ficarão em Portugal

Marcos Braz e Spindel acompanhando o vexame do Benfica. Ficarão em Portugal

Reprodução/CNN

Que o Flamengo quer Jorge Jesus pelo desempenho no Brasil.

Porque se fosse pelo que faz, desde 2020 no Benfica, o clube carioca escolheria qualquer outro treinador.

Jesus não conseguiu título algum em um ano e meio de trabalho.

Só colecionou eliminações e decepção.

A expectativa é que, caso o Benfica perca a partida de quinta-feira, desta vez válida pelo Campeonato Português, Jesus seja demitido. Sem o pagamento da multa de 6,5 milhões, R$ 41 milhões. Se ele for para o Flamengo.

Seu contrato só terminaria em maio do próximo ano.

O vexame do time de Jorge Jesus hoje não desanimou a diretoria rubro-negra.

Pelo contrário até.

Marcos Braz e Spindel ganharam fôlego para ficar até a próxima semana em Portugal.

Cada dia que a dupla fica no país, mais aumenta a pressão sobre Jorge Jesus.

E o Benfica segue jogando cada vez pior.

Para alegria da direção do Flamengo.

Jesus segue sendo a prioridade para 2022...

Ranking da Conmebol é atualizado; confira a posição do seu time!

Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas