Tristes verdades. O Botafogo deve R$ 1 bilhão. E não é tri mundial

Alegar que torneios em Caracas são Mundiais é inacreditável. Mas estratégico. Pode atrair investidores. O Botafogo é o clube com mais dívidas no país

Botafogo teve times que orgulharam o Brasil. Não soube aproveitar tanto talento

Botafogo teve times que orgulharam o Brasil. Não soube aproveitar tanto talento

Reprodução/Twitter

São Paulo, Brasil

Os bilionários irmãos Walter e João Moreira Salles, herdeiros do Itaú, resolveram ajudar o Botafogo, clube cuja família tem laços sentimentais.

Eles sabiam que o clube enfrentava sérias díficuldades financeiras há décadas. Contrataram a consultoria Ernst & Young e o escritório Trengrouse Advogados. Foi um trabalho intenso e assustador.

Diante da dívida de cerca de R$ 1 bilhão, quase quatro vezes o que deverá arrecadar, com sorte, em 2020.

A melhor saída seria a criação de um clube-empresa.

O plano foi apresentado no dia 26 de julho de 2019.

Prevê a formação de Sociedade de Propósito Específico, por meio de uma sociedade anônima. Ela duraria 30 anos. Assumiria o futebol, mas assumiria as dívidas do Botafogo como um todo. O clube social continuaria tendo sua vida independente.

A SPE teria o direito de usar o estádio Nilton Santos, além da responsabilidade sobre todo o futebol do clube.

Os dirigentes do clube não teriam a menor ingerência no futebol.

Só que a empresa, ou empresas, que assumirem, precisam começar a pagar as dívidas do clube imediatamente.

Em dezembro de 2019, o Conselho Deliberativo aprovou o projeto. No dia 12, centenário do clube.

Os irmãos Moreira Salles cumpriram o que prometeram. Mostraram um caminho, mas não investiram, como haviam avisado, frustrando torcida e diretoria.

Já se passaram quatro meses e não surgiu a empresa, ou empresas, para bancar o futebol do clube. Principalmente começar a pagar os débitos de R$ 1 bilhão.

O clube carioca buscou e conseguiu a atenção da mídia internacional ao contratar o japonês Keisuke Honda. Veterano de 33 anos, que disputou três Copas do Mundo.

Mas a contratação não foi suficiente para atrair investidores.

Diante desse impasse, o Botafogo precisa de notícias atraentes, sedutoras.

Só que conta com um elenco limitado nas mãos de Paulo Autuori.

Foi daí que ontem resolveu encampar a ideia do 'Grande Benemérito' Luiz Felipe Carneiro de Miranda, curador do Centro de Memória do clube.

E a diretoria resolveu colocar no site oficial três títulos mundiais.

Por haver vencido o Torneio Internacional de Caracas, em 1967, 1968 e 1970. 

Com o apoio de governos militares, a Venezuela se abriu para empresários do futebol nas décadas de 60 e 70. E eles, com muito lucro, levavam equipes e seleções do mundo para pequenos torneios.

Nem a eufórica imprensa carioca da época falou em Mundial

Nem a eufórica imprensa carioca da época falou em Mundial

Reprodução/Twitter

O Botafogo venceu três desses torneios. E mesmo a inflamada imprensa carioca da época jamais classificou como Mundial. Porque não era. Todos os jornalistas sabiam. Até os dirigentes do clube.

Mesmo vencendo adversários poderosos. 

Em 1967, o Barcelona venceu o Peñarol por 1 a 0. O Botafogo empatou em 0 a 0 com o Peñarol. E ganhou do Barcelona por 3 a 2.

Em 1968, venceu a seleção da Argentina por 1 a 0. E derrotou o Benfica por 2 a 0.

Em 1970, ganhou da União Soviética por 1 a 0. Depois, venceu o tcheco Spartak Trnava por 2 a 1.

O clube não trouxe sequer troféus pelas conquistas.

O que interessava era o dinheiro levantado pelos jogos.

Os clubes e seleções eram convidados.

A Fifa não dará o aval de Mundial aos torneios em Caracas. Se for consultada

A Fifa não dará o aval de Mundial aos torneios em Caracas. Se for consultada

Reprodução/Twitter

Se, por exemplo, o raciocínio de que o torneio valeria 'mundiais', a Argentina teria três títulos se vencesse na Venezuela? 

O Bangu venceu também torneio no mesmo formato.

É campeão do mundo?

Lógico que não.

Mas por que o clube promete pedir o reconhecimento dos três torneios na Venezuela como Mundiais?

Porque esse processo pode ser interessante.

Enquanto a Fifa não responder oficialmente que o Botafogo não tem Mundial algum, investidores internacionais podem se atrair pela história.

Colocar dinheiro em um clube tricampeão mundial é algo muito interessante.

A estratégia é inteligente.

E desesperada.

O clube precisa enfrentar a dívida de R$ 1 bilhão.

E que a pandemia do coronavírus tem tudo para deixá-la maior.

Os juros deixam tudo inviável.

Daí seria sensacional se houvesse investidores para bancarem a Sociedade de Propósito Específico. 

Mas não será assim, se declarando, da noite para o dia, tricampeão do mundo, que o Botafogo se mostrará viável.

A história do clube é maravilhosa.

O Brasil só venceu as Copas de 58, 62 e 70, graças a jogadores botafoguenses fabulosos. Didi, Garrincha, Nilton Santos, Amarildo, Jairzinho. Mais o versátil Zagallo.

O Botafogo não aproveitou financeiramente ter jogadores fabulosos

O Botafogo não aproveitou financeiramente ter jogadores fabulosos

Reprodução/Twitter

O Botafogo de Futebol e Regatas não precisa de títulos fantasiosos.

Nem fabricar troféus que jamais foram entregues há 50 anos.

Precisa é mostrar competência administrativa.

Se mostrar viável a investidores.

Garantir o que não é, tricampeão mundial, só prejudica a imagem do clube.

Aliás, o mais endividado do país.

Ninguém é tão ingênuo..

País do futebol? Estrelas mundiais se encantam por clubes brasileiros