Cosme Rímoli São Paulo pede para o Palmeiras não comprar Caio Paulista. Clube do Morumbi perdeu o prazo da contratação. Leila analisa 'chapéu'

São Paulo pede para o Palmeiras não comprar Caio Paulista. Clube do Morumbi perdeu o prazo da contratação. Leila analisa 'chapéu'

A direção do São Paulo errou feio. Deixou passar o prazo para comprar o versátil Caio Paulista, que era no dia 15 de dezembro, junto ao Fluminense. Empresários ofereceram o atleta ao Palmeiras, que pode dar o 'chapéu'

  • Cosme Rímoli | Do R7

Caio Paulista fez excelente temporada. São Paulo perdeu o prazo. Compra está nas mãos do Palmeiras

Caio Paulista fez excelente temporada. São Paulo perdeu o prazo. Compra está nas mãos do Palmeiras

São Paulo

São Paulo, Brasil

A última vez que São Paulo e Palmeiras se envolveram em uma 'guerra' nos bastidores foi por Alan Kardec, em 2014.

O então presidente Carlos Miguel Aidar quebrou acordo de cavalheiros informal, feito no início da segunda década do século, a partir de de 2010, que perdurava entre os quatro grandes clubes de São Paulo. 

Quando um atleta estava atuando pelo clube e iria renovar contrato, ninguém entraria em leilão, tumultuando a situação.

Mas Aidar não quis saber e mandou uma proposta financeira maior para o atacante, que acertava seu contrato com o Palmeiras.

Levou o jogador e o ódio da direção dos dirigentes rivais

Miguel Aidar ainda ironizou os palmeirenses, dizendo que o clube adversário 'se apequenou'.

A relação entre São Paulo e Palmeiras se tornou péssima, desde então. 

Só foi amenizada quando Julio Casares assumiu a presidência no Morumbi.

Houve afagos, liberação do Palmeiras usar o estádio são paulino e o São Paulo a arena palmeirense.

Só que, neste final de ano, o versátil lateral Caio Paulista está abalando este delicado acerto.

O São Paulo tinha até o dia 15 de dezembro para efetivar a contratação do jogador.

Ele pertence 50% ao Fluminense e 50% ao empresário Eduardo Uram, do Tombense.

O erro foi de Casares. O São Paulo perdeu o prazo para comprar Caio Paulista. A data era 15 de dezembro

O erro foi de Casares. O São Paulo perdeu o prazo para comprar Caio Paulista. A data era 15 de dezembro

São Paulo

A direção paulista não exerceu a compra por 3,5 milhões de euros, cerca de R$ 18,7 milhões.

Acreditou que poderia conversar com mais tranquilidade depois de o clube carioca decidir o Mundial de Clubes. E conseguir o desejado parcelamento.

Mas acontece que empresários que costumam negociar jogadores do Tombense procuraram a direção de futebol do Palmeiras.

E ofereceram o atleta, detalhando que o São Paulo perdeu o prazo para efetivar a compra, ou seja, 'abriu mão' do jogador.

A notícia foi vista com interesse pelo executivo Anderson Barros.

Abel Ferreira é fã da versatilidade, velocidade e personalidade do jogador, que inclusive provocou o rival, na noite que foi eliminado pelo Boca Juniors, no dia 5 de outubro. Postou uma foto de uma taça de vinho com a seguinte legenda: "Vou dormir triste hoje".

Caio Paulista foi muito ofendido por torcedores palmeirenses nas redes sociais.

Mas aos 25 anos seria um reforço importante para se revezar com Piquerez. O jogador da Seleção Uruguaia disputará, por exemplo, a Copa América, no meio do próximo ano. Enquanto o Campeonato Brasileiro seguirá.

Ao saber dessa movimentação do departamento de futebol do Palmeiras, o treinador Dorival Junior tratou de avisar o presidente do São Paulo, Julio Casares. Dorival considera o lateral fundamental para a campanha de 2024, que tem como meta a Libertadores.

Casares entrou em contato com a direção do Fluminense e reiterou que quer exercer o direito da compra.

Só que ele sabe que perdeu o prazo.

Ou seja, o Palmeiras está à vontade para comprar o atleta.

Mas Casares decidiu apelar à proximidade que os clubes reconstruíram.

E está tentando demover a direção palmeirense da contratação.

Postura que divide dirigentes no Palestra Itália.

Já que o Palmeiras não atravessaria a negociação.

Porque ela não existiria, já que o São Paulo perdeu o prazo.

Além disso, Casares tenta convencer Caio Paulista a ficar.

Porque o clube do Morumbi resgatou a carreira do jogador.

Leila Pereira não se mostra disposta a comprar guerra com o São Paulo.

A postura do Palmeiras é se posicionar como primeiro interessado.

Não entrar em leilão.

E se o rival não se acertar com o Fluminense, investir de verdade no jogador.

Frio, o empresário Eduardo Uram, peça fundamental na negociação, quer saber como Caio Paulista poderá ser melhor recompensado.

O grande erro foi do São Paulo.

Por perder o prazo para comprar o jogador.

Ficar com o atleta está nas mãos do Palmeiras...

Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas