Ronaldinho Gaúcho vai comemorar 40 anos na prisão

Juíza decreta. O ex-jogador ficará até o final das investigações sobre passaporte falso. Previsão: seis meses. Empresária que o levou foi presa

Reprodução/Twitter

São Paulo, Brasil

Nada de festas varando a madrugada, em Porto Alegre, Paris ou Barcelona.

Nem nos piores pesadelos, Ronaldinho Gaúcho imaginaria onde comemoraria os seus 40 anos.

Na cadeia.

É o que a justiça paraguaia acaba de determinar.

O homem escolhido por duas vezes, como o melhor jogador do mundo, em 2004 e 2005, terá de pagar caro por haver entrado no Paraguai com passaporte falso.

A juiza Clara Ruiz Díaz ouviu por seis horas as suas desculpas, as do irmão Assis e as explicações dos caros advogados que o defendem.

Mas não se convenceu.

Pelo contrário, até.

Destacou dois departamentos do Ministério Público para investigar os passaportes falsos dos irmãos. O primeiro tem a missão de descobrir como os documentos chegaram às mãos dos dois antes de chegarem ao Paraguai. 

Há a desconfiança que não foi apenas o empresário Wilmondes Sousa Lira. E qual o motivo que fez o ex-jogador e Assis não usarem seus RGs, que seriam aceitos, no desembarque no país.

Ruiz  Díaz foi além.

Destacou que investigadores, especializados em Lavagem de Dinheiro, dissequem todas as relações de Ronaldinho Gaúcho e os empresários que o levaram para o Paraguai. Há pessoas envolvidas com cassino.

A juíza acredita que uma peça chave para entender o que está acontecendo é a empresária Dália Lopez, responsável direta pela ida do ex-atleta ao Paraguai.

Dália estava no alvo da Receita Federal (Ministério de Tributação). A desconfiança é que ela tenha desviado, no mínimo, 10 milhões de dólares, cerca de R$ 40 milhões.

E que a visita de Ronaldinho, paga, seria uma maneira efetiva de burlar o fisco.

A empresária está presa. 

Empresária que levou Ronaldinho ao Paraguai. Presa. Suspeita de lavagem de dinheiro

Empresária que levou Ronaldinho ao Paraguai. Presa. Suspeita de lavagem de dinheiro

Reprodução/Twitter

E ficará assim enquanto durarem as investigações.

Ronaldinho e Assis foram algemados ao Palácio de Justiça de Assunção. E saíram de lá, da mesma maneira.

Os dois ficarão presos em uma delegacia especializada em crime organizado, a Agrupación Especializada da Polícia Nacional.

A detenção da dupla pode durar até seis meses.

A defesa dos dois tentou, sem sucesso, transformar a detenção em prisão domiciliar. O ex-jogador alugaria uma casa em Assunção.

A juíza recusou.

E reforçou que os dois precisam estar em uma cela para evitarem fugas. Os dois têm recursos suficientes para virem ao Brasil. Por isso a negativa.

Como 'embaixador' do Turismo do governo Bolsonaro, há a expectativa se a embaixada do Brasil se posicionará em relação ao ex-jogador.

A sentença já começou quando os dois deixaram o Palácio da Justiça, no final da tarde de hoje.

Ronaldinho Gaúcho completará 40 anos no dia 21 de março.

Restam apenas três semanas.

As chances de sair do cárcere, até essa data, são remotas.

Ronaldinho Gaúcho comemorava aniversários de maneira muito diferente

Ronaldinho Gaúcho comemorava aniversários de maneira muito diferente

Reprodução/Twitter

A pressão para que o trabalho policial seja bem feito é imensa no país vizinho.

A começar pelo presidente do Paraguaii, Mario Abdo Benítez.

Ele assumiu com a bandeira anticorrupção.

E contra a lavagem de dinheiro.

A situação de Ronaldinho se complicou de vez...