Cosme Rímoli Repórter da ESPN é assediada ao vivo, antes do jogo do Flamengo. Homem acaba preso 

Repórter da ESPN é assediada ao vivo, antes do jogo do Flamengo. Homem acaba preso 

Um torcedor do Flamengo beijou a repórter da ESPN, Jéssica Dias, ao vivo, antes da partida do Flamengo e Vélez. Acabou preso. Flamengo e ESPN querem punição exemplar ao assediador

  • Cosme Rímoli | Do R7

A repórter Jéssica Dias sendo assediada, ao vivo. Ele acabou preso. Beijo sem permissão é assédio

A repórter Jéssica Dias sendo assediada, ao vivo. Ele acabou preso. Beijo sem permissão é assédio

Reprodução/ESPN

São Paulo, Brasil

A repórter Jéssica Dias da ESPN estava ao vivo.

Mostrava a euforia da torcida do Flamengo, antes da partida contra o Vélez.

Estava quase acabando o link, quando um torcedor se aproximou e deu um beijo na repórter, no ar, assustando Jéssica.

O ato de tocar, beijar, sem consentimento, é considerado assédio, importunação pela legislação brasileira.

Ele estava acompanhado do filho de 17 anos.

Jéssica, com razão, ficou revoltada, como toda a equipe da ESPN.

O flameguista percebeu a situação que havia provocado. E procurou escapar. Mas o cinegrafista da emissora o localizou. E a polícia foi chamada.

Ele acabou sendo levado ao Juizado Especial do Torcedor, no Maracanã, para depor.

O Flamengo enviou dois advogados para darem suporte à Jéssica, que fez questão de formalizar a queixa contra o assédio. Acompanhada do pai e do noivo, ela não teve condições emocionais para trabalhar na transmissão da partida de ontem.

A ESPN também ofereceu acompanhamento jurídico a Jéssica.

O assediador acabou preso na 18ª Delegacia de Polícia da Praça da Bandeira.

Seu filho, menor de idade, fez questão de pedir desculpas, em nome do pai. E fez questão de dizer que sua mãe estava 'arrasada' com a situação. 

O rosto nítido do assediador. Ele foi conduzido para a 18ª Delegacia de Polícia do Rio de Janeiro

O rosto nítido do assediador. Ele foi conduzido para a 18ª Delegacia de Polícia do Rio de Janeiro

Reprodução/ESPN

Beijar alguém sem consentimento não é uma 'brincadeira'.

Jéssica Dias estava trabalhando e não permitiu o beijo do desconhecido.

O Flamengo divulgou nota oficial.

"O Clube de Regatas do Flamengo repudia o assédio cometido por um torcedor rubro-negro com a jornalista da ESPN Jéssica Dias durante reportagem antes da partida desta noite."

"É lamentável que atos repugnantes como este, que não representam a Nação Rubro-Negra, ainda aconteçam."

A emissora onde Jéssica trabalha também se manifestou.

"Nossa repórter Jéssica Dias foi hoje vítima de assédio na porta do Maracanã, onde trabalhava na cobertura de Flamengo x Vélez. Atitudes como essa não cabem hoje no nosso planeta, seja em um jogo de futebol ou na casa de qualquer mulher. Nossa equipe que acompanhava a Jéssica conseguiu segurar o agressor e pediu à polícia que o encaminhasse para a delegacia do Maracanã."

"Jéssica, como toda mulher deve fazer, registrou boletim de ocorrência. A ESPN e a Disney repudiam qualquer tipo de agressão contra as mulheres."

"A empresa vai dar todo apoio a nossa repórter e esperamos que o agressor seja punido com todo o rigor que a lei permite."

A Polícia do Rio de Janeiro, até o início da madrugada de hoje, não havia divulgado o nome do homem que importunou Jéssica. 

Mas seu rosto é nítido na hora do beijo.

Flamengo e ESPN estão juntos no apoio à Jéssica.

E na busca de uma punição exemplar do assediador...

Imprensa inglesa se derrete por mulher de Arthur, do Liverpool; conheça Carolina Miarelli

Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas