Recuo de Milena na justiça. E carreira de Jean pode ser salva

Mesmo agredida, não quis prestar queixa nos Estados Unidos. No Brasil, o crime não existe se ela não quiser. "Penso no futuro das minha filhas", diz

Recuo de Milena pode salvar a carreira de Jean.

Recuo de Milena pode salvar a carreira de Jean.

Reprodução/Twitter

São Paulo, Brasil

"SOLTO!!!

"Em audiência nos EUA, o juiz acabou de decidir pela soltura de JEAN, que pelas exigências de alguns procedimentos da própria Corte, será liberado dentro de 1 a 4 horas.

"O processo foi arquivado sem necessidade de pagamento de fiança. Não será deportado, não teve visto de passaporte cassado, apenas, ficará fichado, mas como processo arquivado."

A comemoração é de Antônio Tillemont, avô de Jean, e candidato assumido à presidência do Bahia.

"Eu não dei queixa pelo simples fato de que se eu desse ele teria que pagar tudo aqui nos Estados Unidos e eu não quero um futuro desse para minhas filhas.

"Na hora certa irei me pronunciar, não mostro meu rosto porque estou irreconhecível. Só quero que entendam que além de mim e dele tem duas crianças, nossas filhas inocentes envolvidas na história… que vieram realizar um sonho que infelizmente virou um pesadelo."

Publicação de Milena Bemfica

Publicação de Milena Bemfica

Montagem R7

O desafabo é Milena Bemfica, esposa que foi agredida pelo goleiro do São Paulo.

Mas o fato dela não prestar queixa nos Estados Unidos foi excelente para a defesa de Jean. O processo vai seguir. Porém, sem tanta força contra o goleiro.

O recuo da esposa será usado pela defesa do atleta.

"Todas as famílias têm discussões.

"Acreditamos que foi o que aconteceu aqui. Nós esperamos que os fatos vão provar que o ocorrido foi um assunto privado de família e nenhum crime foi cometido."

A convicção é do renomado advogado norte-americano Jack Goldberger, contratado para libertar o jogador.  Jack ficou conhecido em casos midiáticos. E se apresenta como 'especialista em litígios de defesa criminal no Estado da Flórida e em todo o país há mais de 30 anos'.

As duas filhas são o motivo de Milena repensar. E não querer Jean preso

As duas filhas são o motivo de Milena repensar. E não querer Jean preso

Reprodução/Instagram

Ele conseguiu a liberação do brasileiro sem pagamento de fiança. Fez o acordo que impede que Jean se aproxime das suas duas filhas sozinho. E ele precisa manter distância de Milena. O jogador ainda se comprometeu a ir aos Estados Unidos quando houver audiências sobre o caso.

No boletim de ocorrência, Jean deixou claro que primeiro foi agredido por Milena. Ela a teria pego conversando como outra mulher no telefone e o atingiu com um aparelho de fazer chapinha. E ainda mordeu sua perna, que estava sangrando. Só daí teria dado os oito socos no rosto da mulher e em frente a uma das filhas.

Ele foi solto e deve embarcar para o Brasil nas próximas horas.

O que aconteceu nos Estados Unidos só terá validade se Milena entrar com queixa contra o jogador, utilizando como prova os mesmos exames de corpo de delito feitos em Orlando.

A esposa, que não quis prestar queixa formal nos Estados Unidos, também se mostra disposta a não dar sequência legalmente contra o marido. "Para não prejudicar as filhas."

Se Jean for preso, ele fica sem trabalhar. Não há como pagar a pensão, garantir uma vida confortável para as filhas.

Sem a queixa de Milena, para a justiça brasileira nada ocorreu.

As perpectivas de Jean melhoraram.

Menos no São Paulo, que segue firme na decisão de rescindir seu contrato. Tão logo termine as férias, como obriga a legislação.

Mas aos 24 anos, o medo do goleiro, de ter de encerrar a carreira após a agressão, pode estar se dissipando.

Seu o avô Antônio Tillemont é radialista e tem influência política no Bahia. Jean Paulo Fernandes, pai do agressor, atuava como goleiro do próprio Bahia, Guarani, Ponte Preta. E trabalha como preparador de arqueiros no clube baiano.

Assim como João Victor, irmão de Jean, que é goleiro do Bahia.

Jean era considerado uma grande esperança no clube, foi goleiro da Seleção Brasileira sub-20, vice campeã mundial em 2017.

Ou seja, caso tenha seu contrato rescindido, o Bahia é uma possibilidade real de retorno ao futebol.

O pai de Jean trabalha no Bahia. Assim como seu irmão que também é goleiro

O pai de Jean trabalha no Bahia. Assim como seu irmão que também é goleiro

Reprodução/Instagram

O advogado Breno Tannuri já foi acionado pelo empresário do jogador, Paulo Pitombeira, para defender Jean em relação ao São Paulo.

O recuo de Milena está abrindo caminhos para Jean.

Diminuindo a chance do final de carreira do goleiro.

Principalmente se não o processar no Brasil, como indica fazer.

As marcas dos oito socos de Jean. Milena não prestou queixa nos Estados Unidos

As marcas dos oito socos de Jean. Milena não prestou queixa nos Estados Unidos

Reprodução/Twitter

Está claro que a esposa pode se separar por conta das agressões.

Mas não quer tirar o rentável trabalho de Jean.

Na cadeia, ele não teria como pagar pensão.

Milena alega que pensa no futuro das filhas...

Curta a página do R7 Esportes no Facebook.

Jean é mais um na lista de jogadores acusados de agredir mulheres