Rancor pelo beijo na camisa do Fla pesou. E Palmeiras vendeu Artur

Diretoria e torcida não se esqueceram do beijo do atacante palmeirense na camisa do Flamengo. E ele foi despachado para o Bragantino 

Não é o melhor ângulo para uma fotografia de jogador do Palmeiras...

Não é o melhor ângulo para uma fotografia de jogador do Palmeiras...

Reprodução/Instagram

São Paulo, Brasil

Foi um gesto tolo.

Fruto ou não de uma suposta aposta.

Não interessa.

Para a diretoria do Palmeiras, frustrada pelos fracassos seguidos em 2019, e acompanhando o Flamengo conseguir tudo o que clube sonhava, um beijo de um jogador do clube na camisa rubro-negra foi visto como uma traição.

Os apenas 21 anos, estar emprestado ao Bahia, nada foi levado em conta.

Como o blog publicou no dia 30 de novembro de 2019, Artur havia complicado sua vida no Palmeiras.

Isso porque fui obrigado a ouvir os gritos de dois conselheiros importantes, ligados ao presidente Mauricio Galiotte.

Embora tenha potencial promissor, muita velocidade e sangue frio diante dos goleiros adversários, o atacante passou a ser hostilizado nas redes sociais por palmeirenses.

O sentimento de desrespeito ao clube continuou, mesmo com o fim do Brasileiro.

Antônio Carlos, que jogou e foi treinador do Palmeiras, avisou aos dirigentes do Bragantino. Seria fácil tirar Artur do Palestra Itália.

E foi assim que a negociação foi amarrada.

Com o clube comprado pela Red Bull pagando 75% dos direitos do jogador.

Por R$ 25 milhões.

Artur não teve sequer um defensor importante no Palmeiras, clube onde foi formado.

Há ainda o rancor pelo beijo no escudo flamenguista.

Veja mais: Proposta de R$ 31 milhões por Scarpa divide o Palmeiras

E também a necessidade financeira do clube para pagar suas dívidas, a começar com a patrocinadora Crefisa.

Artur acompanhou nas redes sociais a rejeição dos torcedores palmeirenses ao seu nome. E compreendeu que o melhor era aceitar e ir jogar no Bragantino.

O clube interiorano, bancado pela Red Bull, tem a escancarada intenção de usar o jogador, valorizá-lo e vendê-lo para o exterior.

Havia muita esperança quando Artur era jogador da base do Palmeiras

Havia muita esperança quando Artur era jogador da base do Palmeiras

Reprodução/Twitter

No Palmeiras, ele sempre foi tratado como uma incógnita. 

No ano passado, teve de operar o tornozelo direito.

Nas poucas vezes que atuou pelo clube, não mostrou bom futebol.

No Bahia, foi bem.

Jogou menos tenso.

O treinador Roger até pediu para a diretoria comprá-lo.

Só que o Palmeiras já negociava com o Bragantino.

Como a liberação burocrática tinha de vir da Áustria, sede da Red Bull, a transação demorou.

Mas foi fechada.

O jogador atuará no time interiorano.

E estará livre para beijar quantas vezes quiser a camisa do Flamengo.

A diretoria do Palmeiras é rancorosa.

Tanto quanto a torcida.

Artur deveria saber o que fazia...

Incomuns: confira os nomes mais estranhos da Copinha de 2020