Cosme Rímoli Pênalti inexistente garante o empate do fraco Corinthians

Pênalti inexistente garante o empate do fraco Corinthians

Mancini errou feio . Escalou Gabriel e Xavier juntos. Ainda fez o omisso Luan ficar o jogo todo. No fim, empate com o Atlético Goianiense veio por falha do juiz

  • Cosme Rímoli | Do R7

Fábio Santos comemora o gol de empate. Em um pênalti inexistente

Fábio Santos comemora o gol de empate. Em um pênalti inexistente

Rodrigo Coca/Agência Corinthians

São Paulo, Brasil

11 minutos do segundo tempo.

Fagner invade a área do Atlético Goianiense.

Gilvan toca na bola, ela é desviada, muda sua trajetória.

Mas em seguida, sua perna esquerda toca Fagner.

Jogada normal.

Mas não para o árbitro Jean Pierre Gonçalves Lima.

Ele marca pênalti.

Fábio Santos dá um dos dois chutes do Corinthians, durante todos os 90 minutos, mais acréscimos, e empata a partida em 1 a 1. 

Oliveira havia marcado para o Atlético Goianiense.

O pênalti inexistente foi o que garantiu mais um ponto para o time de Vagner Mancini, garantindo o Corinthians na nona colocação.

Foi uma piores partidas do Campeonato Brasileiro de 2020.

Truncada, com pouquíssimas jogadas ofensivas.

Muita briga pela bola, mas com os sistemas defensivos se impondo. E apelando para inúmeras faltas, não deixando a partida fluir. O que a tornou monótona, sonolenta, cansativa.

O gramado do estádio Olímpico estava vergonhoso.

O que dificultava ainda mais, os dois limitados elencos.

O Atlético Goianiense, montado pelo interino Eduardo Souza, buscava vencer, atacou muito mais o Corinthians, principalmente no primeiro tempo.

Fagner disputa bola com Chico. Muita correria dos times. Sem rumo. Nem técnica

Fagner disputa bola com Chico. Muita correria dos times. Sem rumo. Nem técnica

Carlos Costa/Futura Press/Folhapress 07.11.20

Ajudado pela escalação de Gabriel e Xavier juntos. Os dois marcadores, com fraca saída de bola. O que facilitava a marcação do time goiano.

E Luan, outra vez omisso. Nada produzia. Mal marcava. É inacreditável sua falta de produtividade no Corinthians.

O gol do Atlético, aos 41 minutos nasceu em um vacilo da zaga quando Ferrareis cruzou para a cabeçada de Oliveira, livre. Indefensável para Cássio.

O domínio da equipe de Eduardo Souza estava estampado nas estatísticas.

Foram 62% de domínio de bola. Sete finalizações contra apenas uma do time de Mancini.

O árbitro interferiu aos 11 minutos do segundo tempo, marcando o pênalti a favor do Corinthians, que Fábio Santos não desperdiçou.

Depois, Mancini recuou o Corinthians sonhando com o encaixe de um contragolpe.

O que não ocorreu.

Empate em 1 a 1, com o time jogando de forma desanimadora.

A busca, em mais um ano fracassado, é uma vaga na Libertadores.

O que seria uma façanha para o elenco tão fraco do Corinthians.

Daí a sequência de vexames...

Atlético-GO e Corinthians apenas empataram, em jogo frio. 1 a 1 foi o placar final do jogo desse sábado, em Goiânia. Ao final do primeiro tempo, Oliveira abriu de cabeça para o time da casa. Fábio Santos empatou, de pênalti, na segunda etapa, e se credenciou a levar a maior nota do Timão no jogo. Confira as notas do LANCE! para os jogadores do Corinthians. (Por Pedro Moura)

Atlético-GO e Corinthians apenas empataram, em jogo frio. 1 a 1 foi o placar final do jogo desse sábado, em Goiânia. Ao final do primeiro tempo, Oliveira abriu de cabeça para o time da casa. Fábio Santos empatou, de pênalti, na segunda etapa, e se credenciou a levar a maior nota do Timão no jogo. Confira as notas do LANCE! para os jogadores do Corinthians. (Por Pedro Moura)

Lance! Galerias

Últimas