Cosme Rímoli Para não atrasar salários das estrelas, na Libertadores, Corinthians vende a grande revelação: Gabriel Pereira

Para não atrasar salários das estrelas, na Libertadores, Corinthians vende a grande revelação: Gabriel Pereira

O presidente Duilio Monteiro Alves prometeu ao novo treinador, Vitor Pereira, que não atrasaria salários. E para não correr esse risco, acertou a venda de GP, 20 anos, ao grupo City. Por R$ 25 milhões

  • Cosme Rímoli | Do R7

Gabriel Pereira, 20 anos. Jovem promessa que o Corinthians precisa vender. Pela Libertadore

Gabriel Pereira, 20 anos. Jovem promessa que o Corinthians precisa vender. Pela Libertadore

Rodrigo Coca/Corinthians

São Paulo, Brasil

R$ 25 milhões livres.

Para pagar suas estrelas.

E disputar a Libertadores sem dever salários aos jogadores.

É a quantia que o Corinthians está exigindo do grupo City, na venda de Gabriel Pereira, revelação de 20 anos. Mesmo tendo só 70% do atleta.

A negociação, que começou há um mês, vive seu momento final, com a venda estando para ser anunciada no início da próxima semana.

Gabriel  Pereira até completou treino da Seleção Brasileira principal. Grande potencial

Gabriel Pereira até completou treino da Seleção Brasileira principal. Grande potencial

CBF

O português Vitor Pereira, que tinha ótimas referências, e gostou do talento do jovem meia-atacante, foi proibido de colocá-lo entre os jogadores que atuarão contra o São Paulo, hoje, no Morumbi.

Gabriel Pereira surgiu na base do Guarani e logo foi levado para o Corinthians. Estrou com 18 anos, em 2020. Logo clubes europeus logo se interessaram no jogador canhoto, habilidoso, veloz, driblador. 

Representantes do Benfica e da Inter de Milão no Brasil recomendaram sua contratação. O Dínamo de Kiev até protocolou proposta. Até o São Paulo se interessou, já que era público que o contrato do jogador venceria no dia 30 de março de 2022. 

Ele recebia R$ 12 mil. E seus empresários queriam R$ 300 mil de salários para renovar.

A direção do Corinthians foi esperta.

Em outubro do ano passado, anunciou a renovação de contrato até 2024. A imprensa divulgou, inclusive a multa rescisória 100 milhões de euros, cerca de R$ 504 milhões.

Os interessados se afastaram. Com a exceção do grupo City. Porque, na verdade, o Corinthians apenas divulgou um pré-contrato com Gabriel Pereira para evitar assédios.

Além disso, só permitiu que ele entrasse muito pouco em campo. Em 2022, só atuou por 32 minutos. Não pela concorrência, fortíssima, sim. Mas para que não chamasse atenção e fosse descoberto que ainda estava vigorando o contrato antigo, no qual ele recebia R$ 12 mil.

Enquanto isso, negociava a saída do atleta. Ele irá para o grupo City. Primeiro passará pelo New York City, como estágio, para depois, se aprovado, atuar no Manchester City, de Pep Guardiola.

A saída precipitada de um atleta com enorme potencial tem explicação direta com a péssima situação financeira do Corinthians.

O clube segue devendo cerca de R$ 900 milhões, incluindo o estádio, construído para a Copa de 2014.

E folha de pagamento de R$ 15 milhões, só para os jogadores.

O presidente Duilio Monteiro Alves prometeu ao técnico Vitor Pereira que não haveria atrasos de salários dos atletas, prática comum no clube.

Ainda mais com o elenco de estrelas, como Renato Augusto, Willian, Roger Guedes, Giuliano e Paulinho.

E para ter dinheiro na mão, antes do início da Libertadores, em abril, a saída de Gabriel Pereira se tornou quase que inevitável.

Empolgado com a possibilidade de atuar com Pep Guardiola, no Manchester City, GP aceitou ir para o futebol dos Estados Unidos.

O clube paulista ainda exige uma participação em futura venda de GP. A quantia ainda está sendo discutida. Entre 10% e 20%.

A saída do garoto de 20 anos é uma perda significativa para o Corinthians.

Mas para a diretoria 'não havia outra solução'.

Só assim, o time estará com os salários em dia para o início da Libertadores.

A decisão já está tomada...

Brasileirão Feminino começou! Veja o que esperar de cada time na disputa

Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas