Cosme Rímoli Palmeiras vive a expectativa. O 'fenômeno' Endrick poderá ficar no banco. E até estrear contra o Santos. Só depende de Abel

Palmeiras vive a expectativa. O 'fenômeno' Endrick poderá ficar no banco. E até estrear contra o Santos. Só depende de Abel

O jogador de 16 anos está indo melhor do que se esperava nos treinos com o time principal. E pode ficar no banco, hoje, contra o Santos. O que tiraria a pressão pela conquista, de qualquer jeito, do Brasileiro

  • Cosme Rímoli | Do R7

Endrick está treinando muito bem. E pode ser a surpresa no banco. E até estrear contra o Santos

Endrick está treinando muito bem. E pode ser a surpresa no banco. E até estrear contra o Santos

Fábio Menotti/Palmeiras

São Paulo, Brasil

Um fato novo para atrair ainda mais a torcida.

Mobilizar a mídia.

E valorizar a mais que provável conquista do Brasileiro que, na prática, é uma mera compensação pela eliminação traumática e infantil da Libertadores da América. 

As expulsões amadoras de Danilo, Gustavo Scarpa e Murilo nunca foram discutidas em público, com profundidade.

Endrick reúne todos as elementos para ser esse 'fato novo', faltando 12 rodadas para o Brasileiro acabar, a última dúzia de jogos do ano no Palmeiras, que caiu na Libertadores e na Copa do Brasil.

Os oito pontos de vantagem sobre o segundo colocado, o Internacional, e nove do clube que realmente assusta, o Flamengo, faz com que Abel Ferreira exerça ainda com mais seriedade seu trabalho.

Quer acumular vitórias, definir o título, e investir pesado no planejamento de 2023.

Só que a pressão externa, e interna, são grandes para que coloque Endrick nestes últimos jogos.

O português já o utiliza nos treinamentos com os profissionais e o faz disputar as partidas do sub-20, para manter o ritmo de jogo.

Tem evitado até colocá-lo no banco, para evitar a pressão dos torcedores palmeirenses, ávidos para ver o garoto que foi um fenômeno nas categorias de base.

Mesmo a presidente Leila Pereira quer ver o menino que vale R$ 315 milhões, já que 60 milhões de euros é o valor de sua multa rescisória. 

Só que respeita o planejamento de Abel Ferreira, que era usá-lo, para valer, no Campeonato Paulista em 2023, contra equipes com nível técnico mais baixo do que o Brasileiro. Para ir ganhando confiança e fazer a transição com mais tranquilidade.

E tudo caminhava assim, sob o domínio do treinador.

Até que, na semana passada, Wagner Ribeiro, que na verdade é um consultor do pai do jogador, disse que Endrick poderia estrear contra o Juventude.

Se criou enorme expectativa entre os jornalistas que cobrem o dia-a-dia no Palmeiras. E nos torcedores.

Endrick viveu momentos de constrangimento. Tendo de se desculpar para Abel Ferreira, deixando claro que ele não disse nada a Wagner Ribeiro e ele não tinha autoridade para falar sobre sua carreira, já que trabalha com os empresários da TMF e seu pai.

Abel aceitou as desculpas. E não o deixou no banco, contra o último colocado no Brasileiro. Jogo sofrido para o Palmeiras, porque o time precisava se recuperar psicologicamente da dolorida eliminação da Libertadores, maior objetivo de 2022.

Mas a desconfiança ficou que Endrick estreará ou passará a ficar no banco de reservas, o mais rápido possível. 

Ainda mais que ficou fora da partida contra o Ituano, pelo Sub-20.

Só que pode não ser assim. 

Para Abel Ferreira o caminho mais simples seria passar a deixar o garoto no banco, com direito a entrar alguns minutos, depois de o time conquistar o Brasileiro. Quando a pressão seria muito, mais muito menor.

É assim que a comissão técnica do Palmeiras pensa.

O departamento de futebol já foi avisado. E até mesmo Endrick. 

Mas mesmo assim, hoje, contra o Santos, retornam os boatos que talvez o menino fique no banco. 

Se Wagner Ribeiro, que foi empresário de Kaká, Robinho e Neymar, foi desmentido em relação à estreia, que não ocorreu, contra o Juventude. Não foi em relação a detalhes muito importantes da breve carreira de Endrick.

E que não foram desmentidas nem pelo atacante.

“Endrick tinha 13 anos e era federado no Palmeiras. O contrato dele foi uma briga. No primeiro item, eu pedi 30% dos direitos econômicos para o atleta."

"O João Paulo Sampaio (gerente das categorias de basa) me disse: 'Você está louco?'. Eu falei que tiraria ele do Palmeiras, e ele nem acreditou.

"Fui ao Corinthians e ao São Paulo, mas eles me disseram que aquilo iria ferir a ética. Como se valesse de alguma coisa."

“Outro item, um contrato de três anos. Impusemos uma multa de 30 milhões de euros (R$ 155 milhões na cotação atual)."

"O salário dele, de um garoto que tinha 13 anos, ganhando R$ 18 mil, eu considerava muito bom. Eu considero bom. Somente o Neymar ganhava um pouco mais com essa idade."

“Fizemos o contrato profissional dele recentemente, colocamos uma multa de 60 milhões de euros, porque ele recebeu uma luva na mão com um valor muito bom, muitíssimo bom, que nenhum jogador brasileiro nessa idade de 16 anos recebe, um salário também fantástico."

“A única coisa ruim é que eu queria que o Abel o levasse para Abu Dhabi para o Mundial. Achava que devia levá-lo, que ele tinha condições, colocar ele no banco. O regulamento permite que um jogador que esteja registrado no clube possa jogar o Mundial. Mas o Abel disse que ele tinha que ir para a Disney. Aí nós o levamos para Euro Disney, aí ele conheceu o PSG, o Real Madrid, a Inter e o Milan."

“Os clubes estão todos babando por ele, ligando direto. Ele tem um contrato de três anos com o Palmeiras. Certamente não sai do Palmeiras até fazer 18 anos, isso é lei, porém eu acredito que ele vá jogar logo. E infelizmente ele não vai ver o Palmeiras ter o primeiro Mundial, que era o sonho dele."

Wagner falou publicamente, na Brasil Futebol Expo. Só exagerou em relação ao PSG, que Endrick também desmentiu.

Os valores, no entanto, foram verdadeiros. Eram os que foram ditos por pessoas do futebol do próprio Palmeiras.

Depois do desmentido em relação ao Juventude, Wagner Ribeiro se calou. Ou foi calado. Caso queira continuar como mentor do pai do jogador.

O resumo da situação é esse.

Pessoas importantes do Palmeiras querem antecipar a estreia de Endrick. As mesmas que o queriam no Mundial, no início do ano, quando ainda tinha 15 anos e não treinava com os profissionais.

Abel Ferreira disse 'não'.

Agora, está sendo coerente.

Quer primeiro o título do Brasileiro, de forma firme, consistente, tranquila até.

Colocar Endrick no banco de reservas poderia desviar o foco.

Tirar a pressão dos jogadores em relação a conquistar o Brasileiro, de qualquer maneira.

O domingo amanheceu com essa dúvida em relação ao clássico.

Endrick ficará ou não no banco de reservas.

O que é ótimo, já que o time titular não é questionado.

A tensão, pela vitória obrigatória, diminuiu.

Abel vai manipulando bem ter um jogador tão promissor, e tão novo, nas mãos.

Se depender de Endrick, ele já seria titular do Palmeiras.

Mas está se mostrando consciente, profissional.

E segurando a ansiedade.

Aceita as ordens de treinador, como lei.

Talvez essa obediência garanta um lugar no banco de reservas.

Mais rápido do que se esperava.

Talvez até hoje.

Só uma pessoa sabe.

O português Abel Ferreira...

Diga 'xis'! Veja as melhores fotos do esporte nessa semana

Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas