Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Fracasso do Palmeiras diante do São Paulo. Organizadas ironizam avião. Exigem contratações. E prometem atormentar Leila

O Palmeiras foi eliminado pelo segundo ano consecutivo da Copa do Brasil pelo São Paulo. Clube que impõe a lei do silêncio pagou por não repor as contratações de Danilo e Scarpa. Abel implora reforços desde 2022

Cosme Rímoli|Do R7 e Cosme Rímoli

Rony, de joelhos, lastima a eliminação. A direção do Palmeiras se acomodou e não repôs a saída de jogadores
Rony, de joelhos, lastima a eliminação. A direção do Palmeiras se acomodou e não repôs a saída de jogadores Rony, de joelhos, lastima a eliminação. A direção do Palmeiras se acomodou e não repôs a saída de jogadores

São Paulo, Brasil

"Leila, faz um favor...

"Vende o avião e contrata jogador."

Assim que David colocou a bola na rede de Weverton, virando o clássico e garantindo a classificação justíssima do São Paulo para a semifinal da Copa do Brasil, com outra vitória por 2 a 1, as organizadas do Palmeiras passaram a cobrar a diretoria.

Publicidade

A eliminação dentro do Allianz Parque lotado demonstrou que tanta reclamação do clube contra a arbitragem, contra o "sistema" que impediria o Palmeiras de vencer outra vez o Brasileiro, foi apenas fumaça.

O silêncio imposto por Leila Pereira aos jogadores e ao treinador Abel Ferreira não encobriu a realidade.

Publicidade

O que acontece, de verdade, é que o Palmeiras paga pelo esgotamento do seu elenco. 

A conquista do Campeonato Paulista enganou os tolos, precipitados, torcedores sem capacidade de enxergar além.

Publicidade

Nos últimos sete jogos, o Palmeiras venceu apenas um.

A saída de Danilo e a de Gustavo Scarpa não foram reparadas.

Os jogadores que chegaram ao lugar deles são muito inferiores tecnicamente. 

Richard Rios se mostra apenas um volante esforçado, não onipresente, como Danilo.

E Bruno Tabata fracassou de tal maneira que já foi negociado, por empréstimo, com o Qatar SC, clube do Oriente.

"Vergonha, vergonha, vergonha, diretoria sem vergonha" (coro da torcida).

Abel Ferreira cansou de pedir reforços à presidente Leila Pereira, no início da temporada.

Mas ela se deixou levar pelas conquistas do Brasileiro e do Paulista, em seguida.

E seguiu forte na filosofia de investidora. 

Para não gastar, não investiu em jogadores formados, talentosos, que são caros.

Trouxe promessas ou atletas baratos.

Tabata foi contratado para ser o substituto de Scarpa. Fracassou no Palmeiras. Foi para o Catar
Tabata foi contratado para ser o substituto de Scarpa. Fracassou no Palmeiras. Foi para o Catar Tabata foi contratado para ser o substituto de Scarpa. Fracassou no Palmeiras. Foi para o Catar

E acreditou que a base do Palmeiras, atletas ainda em formação, resolveria a situação.

Ela não foi convencida por Abel Ferreira do tamanho das perdas de Danilo e Gustavo Scarpa. Fora a necessidade de um real "camisa 9", expressão que ela tanto odeia, pelas inúmeras vezes que ouviu. 

Mas não mostrou competência para contratar um artilheiro.

"Não é mole, não. Libertadores não é mais que obrigação" (coro da torcida).

Conselheiros próximos a Leila também insistiam para que ela agisse, contratasse, se preocupasse menos com a briga jurídica com a WTorre e pensasse mais na equipe.

Leila tem no executivo Anderson Barros o seu escudo. Ele age de acordo com o que deseja a presidente. Levou o pedido de Abel Ferreira por reforços importantes, formados. Mas fez questão de repetir várias vezes a Leila que a base do Palmeiras hoje é a melhor da América do Sul. E é verdade. 

Mas um clube que deseja se impor, conquistar de novo a Libertadores, sonhando com o inédito Mundial, precisa buscar jogadores vividos e que ofereçam a Abel a certeza de opções táticas confiáveis. E não apenas apostas. 

A contratação de Artur foi um acerto, mas tardia para a Copa do Brasil. Ele já queria voltar a jogar no Palmeiras desde o fim do ano passado, mas a negociação com o Red Bull Bragantino só aconteceu depois do Paulista, quando ele já tinha atuado pelo time interiorano na Copa do Brasil.

Festa do São Paulo em pleno Allianz. A homenagem a Pablo Maia, que perdeu o pai e não jogou ontem
Festa do São Paulo em pleno Allianz. A homenagem a Pablo Maia, que perdeu o pai e não jogou ontem Festa do São Paulo em pleno Allianz. A homenagem a Pablo Maia, que perdeu o pai e não jogou ontem

"Ô, Leila, incompetente, pegou o Palmeiras pra brincar de presidente" (coro da torcida).

Leila se cansou de repetir a conselheiros que pedem novas contratações que o grande reforço seria a manutenção do elenco titular.

Houve sondagens para Gustavo Gómez, Raphael Veiga e Rony. E, realmente, Leila não abriu negociação.

Abel Ferreira é muito fiel.

Sabe muito bem que o Corinthians, então de Fernando Lázaro, o São Paulo, então de Rogério Ceni, e o Santos, então de Odair Hellmann, não eram parâmetros.

Que a chave que o Palmeiras caiu na Libertadores, com Bolívar, Barcelona de Guayaquil e o Cerro Porteño, mergulhado em crise financeira, era fácil demais, capaz de levar o clube à melhor campanha da Libertadores na fase de grupos.

Mesmo a Supercopa do Brasil foi conquistada a duras penas contra o perdido Flamengo de Vítor Pereira.

As queixas do treinador foram feitas a Leila, que, bilionária, se preocupa com aquilo de que ela entende: oferecer infraestrutura à equipe. Como comprar um avião, por exemplo, e deixá-lo à disposição do clube, para não enfrentar voos comerciais. E o elenco poder descansar, não perder tempo em aeroportos.

Diante da proibição dos jogadores e de Abel de comentar a eliminação para o São Paulo, coube ao executivo Anderson Barros dar a sua versão do fracasso palmeirense.

E confirmou a insistência de Abel Ferreira na busca de reforços.

"Sim. O Abel é extremamente exigente e competitivo. Ele nos cobra o tempo inteiro, mas ele tem consciência do que fazemos no dia a dia.

"Poderia dizer aqui que buscamos, sim, algumas alternativas, mas não vamos buscar de qualquer maneira só para dar satisfação. Se encontrarmos as opções ideais, vamos fazer.

"Não é à toa que o Palmeiras está brigando por todas as competições."

Anderson Barros assumiu a incompetência da direção em buscar reforços.

"Vendemos muitos atletas e só trouxemos dois novos atletas [Richard Ríos e Artur]. Hoje, buscamos um número 5, mas temos encontrado dificuldade.

"Eu, particularmente, respeito o processo que temos dentro do clube. O clube nos cobra uma responsabilidade, mas nos dá uma condição para tal. Precisamos ter uma responsabilidade com aquilo que achamos melhor para o Palmeiras."

Direção do Palmeiras não se empenhou para buscar substitutos à altura de Danilo e Scarpa
Direção do Palmeiras não se empenhou para buscar substitutos à altura de Danilo e Scarpa Direção do Palmeiras não se empenhou para buscar substitutos à altura de Danilo e Scarpa

As torcidas organizadas prometem continuar protestando.

Contra a diretoria.

E, principalmente, contra a presidente Leila Pereira.

Enquanto não vierem grandes reforços para o time.

Não apenas um "número 5", como diz Anderson de Barros.

E não "só" um avião, como disse Leila Pereira...

Eliminação do Palmeiras na Copa do Brasil rende provocações e memes; confira os melhores

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.