Cosme Rímoli Palmeiras não teve dó do Corinthians. 3 a 0, com atuação outra de gala de Dudu

Palmeiras não teve dó do Corinthians. 3 a 0, com atuação outra de gala de Dudu

Vítor Pereira ficou preocupado em poupar seus jogadores trintões para o jogo contra o Boca Juniors, pela Libertadores. E, contra o time titular, a derrota inevitável. 3 a 0 foi pouco diante da superioridade do Palmeiras

  • Cosme Rímoli | Do R7

Palmeiras se impôs com intensidade, talento. O improvisado Corinthians não ofereceu resistência

Palmeiras se impôs com intensidade, talento. O improvisado Corinthians não ofereceu resistência

Cesar Greco/Palmeiras

São Paulo, Brasil

Vítor Pereira se viu diante de um dilema.

Colocar seus maduros titulares contra o Palmeiras, na terceira rodada do Brasileiro, ou poupar os principais para o confronto fundamental pela Libertadores, terça-feira, diante do Boca Juniors, em Itaquera.

O português optou pelo bom senso. Mesmo sabendo que daria toda a chance para o seu compatriota Abel Ferreira, de não só vencer o clássico. Mas golear.

E Fagner, Renato Augusto, Willian e Gil não começaram a partida, ficaram no banco de reservas. Não bastassem esses quatro desfalques, Cássio sentiu dores no aquecimento e deu seu lugar para Matheus Donelli.

O Corinthians completo já teria enormes dificuldades para encarar o Palmeiras atual bicampeão da Libertadores. Abel colocou todos seus titulares, queria vencer o jogo para recuperar sete pontos desperdiçados de nove possíveis. 

E aí não teve nem comparação, diante de uma equipe corintiana mista e desentrosada.

No primeiro tempo, o Palmeiras decidiu o clássico, mostrou sua força.

Em 18 minutos, já vencia por 2 a 0.

Com duas cobranças de escanteio de Raphael Veiga.

Com talento, e muito treinamento de Abel Ferreira, colocou a bola para a antecipação de cabeça de Gustavo Gómez. 13 minutos, 1 a 0.

Em um lance muito parecido, mostrando a importância dos treinos, Raphael Veiga fez a mesma coisa. Só que, desta vez, Rony empurrou para as redes. 2 a 0, aos 18 minutos.

O Corinthians seguiu sem força ofensiva alguma.

Time que tinha como maior mérito superpovoar as intermediárias com seis jogadores. Mas dava muito espaços às costas dos seus laterais Rafael Ramos e Lucas Piton. Dudu estava em mais uma noite muito inspirada, não tinha dificuldade alguma partir para cima da zaga do rival.

No segundo tempo, Vítor Pereira tentou evitar o desastre. Colocou Renato Augusto no lugar de Maycon. A tentativa era subir a marcação, com Du Queiroz preso à entrada da área. Passando Paulinho adiantado, ao lado de Renato Augusto e Mantuan.

Gustavo Gómez marcou de cabeça o primeiro gol. Lance misturou talento de Veiga e ensaio de Abel

Gustavo Gómez marcou de cabeça o primeiro gol. Lance misturou talento de Veiga e ensaio de Abel

Cesar Greco

Mas Abel Ferreira reagiu. Fez com que Danilo acompanhasse Renato Augusto, individualmente, quando o Corinthians atacava. E acabou com as esperanças corintianas.

O Palmeiras seguia confiante, sem correr riscos.

E com ainda mais espaços pelas laterais.

Aos dois minutos, Zé Raphael, com toda liberdade, acertou o travessão corintiano.

E que Dudu fez o gol mais bonito da noite.

Zé Raphael serviu Dudu que não teve piedade de Raul Gustavo, o driblou na velocidade, invadiu a área, da direita, pela diagonal. E bateu forte, de esquerda. Sem chance de Matheus Donelli. 

3 a 0, Palmeiras, aos 25 minutos.

"A gente precisava ganhar para recuperar os pontos perdidos na primeira rodada. Fizemos um grande jogo contra o Flamengo, faltou detalhe para ganhar. Tivemos uma intensidade muito boa. A equipe está de parabéns pelo resultado", resumiu Dudu, importante na estratégia e individualmente.

O clássico, que já estava decidido antes de começar, tinha o seu placar.

Os palmeirenses diminuíram o ritmo e os corintianos reconheceram a inferioridade.

Aceitaram a previsível derrota.

Vítor Pereira abriu mão do clássico. Decisão que só trará mais pressão contra o Boca Juniors

Vítor Pereira abriu mão do clássico. Decisão que só trará mais pressão contra o Boca Juniors

Rodrigo Coca/Corinthians

Só que na terça-feira, Vítor Pereira terá de provar que o sacrifício não foi em vão.

E o Corinthians, com seus titulares principais preservados, precisará vencer o Boca Juniors para não deixar o ambiente pesado. Perder para o grande rival nunca é bom, em situação alguma.

Além disso, com o seu novo treinador, o Corinthians completou a quarta derrota em quatro clássicos disputados. Duas para a equipe da Abel Ferreira e duas para o São Paulo, de Rogério Ceni.

O Corinthians perdeu para o Santos, também neste ano. Mas o técnico era Sylvinho. De qualquer maneira, cinco clássicos seguidos que o clube é derrotado.

Já o Palmeiras enfrentará uma viagem para o Equador. Na quarta-feira, também pela Libertadores, terá pela frente o Emelec.

A vitória de hoje além de tudo trouxe mais confiança ao time.

O plano de Abel Ferreira é ter a melhor campanha na fase de grupos da Libertadores.

E decidir os mata-matas no Allianz Parque...

Palco de Palmeiras x Corinthians já teve gol histórico e faca no campo

Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas