Cosme Rímoli Palmeiras desperdiçou Hulk e Diego Costa. Estagnou. E tem medo de perder '2021'

Palmeiras desperdiçou Hulk e Diego Costa. Estagnou. E tem medo de perder '2021'

Como Abel havia previsto. Sem reforços, com os jovens e reforços baratos não rendendo, o time estagnou. O clima é de pessimismo na semi da Libertadores e no restante do Brasileiro. Clube está atrás do Flamengo e Atlético

  • Cosme Rímoli | Do R7

Galiotte tinha a prioridade para contratar Hulk. Presidente achou caro demais

Galiotte tinha a prioridade para contratar Hulk. Presidente achou caro demais

Atlético Mineiro

São Paulo, Brasil

Clima de pessimismo no Palmeiras.

A origem italiana do clube deixou uma característica marcante no clube. Não há meio termo. Ou a equipe está 'pronta' para ganhar todos os títulos que disputa. Ou não vai 'dar nada certo'.

O 'ano está perdido' foi a expressão mais ouvida entre conselheiros da oposição e da situação, ontem, após a deprimente derrota para o time misto do Flamengo, em pleno Allianz Parque. 

O Palmeiras já perdeu o Campeonato Paulista, permitindo que o rival São Paulo acabasse com o jejum de nove anos, na final;  foi eliminado da Copa do Brasil pelo CRB, de Alagoas; chegou à metade do Brasileiro sete pontos distante do embalado Atlético Mineiro, tem apenas um ponto a mais que o Flamengo, que pode ganhar mais seis, com duas partidas que tem a menos.

E vai enfrentar justamente o Atlético Mineiro, na semifinal da Libertadores. De favorito, o time de Abel Ferreira virou zebra contra a equipe de Cuca.

Das últimas oito partidas, o clube venceu apenas duas.

Tomou 11 gols nos últimos cinco jogos.

Quatro derrotas e uma vitória.

A cobrança interna desta vez não está recaindo no treinador. 

Nem nos jogadores.

Mas no último ano da administração Mauricio Galiotte.

A sua obsessão em deixar o Palmeiras com menos dívidas possíveis fez com que a equipe não se reforçasse.

Diego Costa também priorizava o Palmeiras. Acabou no Atlético Mineiro

Diego Costa também priorizava o Palmeiras. Acabou no Atlético Mineiro

Atlético Mineiro

E tinha dois jogadores importantes na mira e os descartou por conta dos salários.

Eles foram parar justamente no rival pelos títulos brasileiro e da Libertadores.

Os atacantes Hulk e Diego Costa.

'É a tal administração do futebol de Anderson Barros', resume ao blog um dos mais poderosos conselheiros da situação, que sustenta Galiotte e garante Leila Pereira como nova presidente do clube, a partir de novembro.

A mando de Galiotte, o gerente Anderson Barros não fez grandes investimentos. Apesar de, por exemplo, esses dois atletas e seus representantes estarem dispostos a defenderem o clube paulista.

Além disso, o Palmeiras abriu mão de Matías Viña, seu excelente lateral esquerdo uruguaio. A direção não conseguiu convencer a Roma a aceitar o atleta apenas no final do ano, depois da disputa da Libertadores e do Brasileiro.

Acreditou que o também uruguaio Piquerez chegaria e já assumiria a posição. Só que não houve tempo de adaptação para tamanha cobrança.

Jorge, outro lateral esquerdo contratado, ainda está no estágio final de recuperação no joelho esquerdo.

Os jovens jogadores não estão dando a resposta esperada nesta temporada. Gabriel Menino, Patrick de Paula, Verón, não se firmaram como Galiotte esperava.

E o Palmeiras estagnou.

Nem duas semanas de férias foram suficientes para melhorar a equipe, que foi muito mal, ontem contra o time misto do Flamengo, em partida fundamental para o futuro do time no Brasileiro.

Abel Ferreira antecipou a Galiotte que esta situação chegaria.

Por isso ele chegou até a cobrar reforços públicamente do dirigente porque precisava de outros atletas com capacidade de alterar a maneira de o Palmeiras jogar.

Mas o presidente foi direto. Deixou claro que Dudu, como o blog antecipou, voltaria. E que também poderia oferecer Deyverson. Ambos voltaram. Mas não era o que Abel precisava.

Borja também poderia ficar, pelo treinador, mas a direção quis recuperar ao menos uma mínima parte dos R$ 70 milhões que gastou com o atacante, sua contratação mais cara da história. E o emprestou ao Grêmio.

O time voltará a campo no sábado, contra a Chapecoense, em Santa Catarina. E enfrentará o Atlético Mineiro, pela semifinal da Libertadores, na terça-feira, dia 21. 

Terminar 2021 sem a conquista de um título é tudo que a situação não queria. Para que a pressão não se reflita na eleição, que a favoritíssima Leila Pereira, dona da Crefisa, não sofra os reflexos da campanha decepcionante, para um elenco tão importante.

A tensão é grande na diretoria.

O que deveria ser expectativa virou preocupação.

Tudo está acontecendo como Abel Ferreira previra.

Há enorme incerteza sobre o futuro do Palmeiras no ano.

E já atinge até a candidata Leila Pereira.

O clube não está preparado para ser a terceira força do Brasil.

Ficar atrás do Flamengo e do Atlético Mineiro.

Mas não investiu para isso...

Hamilton se livrou de um acidente letal: veja 7 destaques esportivos

Últimas