Cosme Rímoli  Olé flagra agente da PF, armado, discutindo com jogadores da Argentina

 Olé flagra agente da PF, armado, discutindo com jogadores da Argentina

A Fifa divulgou nota que está analisando o vexame entre Brasil e Argentina ontem. A AFA e a CBF querem novo jogo. O jornal Olé flagou um agente da Polícia Federal, armado, discutindo com Otamendi e Acosta no gramado

  • Cosme Rímoli | Do R7

O jornal Olé flagrou um agente da polícia federal discutindo com jogadores. Ele estaria armado

O jornal Olé flagrou um agente da polícia federal discutindo com jogadores. Ele estaria armado

Reprodução/Olé

São Paulo, Brasil

A Fifa já se posicionou sobre o vexame histórico que aconteceu ontem no gramado do estádio do Corinthians. Nesta manhã divulgou uma nota oficial lamentando que aconteceu entre Brasil e Argentina, com a invasão do gramado de agentes da Anvisa e membros da Polícia Federal, obrigando a suspensão da partida, válida pelas Eliminatórias Sul-Americanas, aos cinco minutos.

Por conta dos quatro jogadores da Argentina que atuam na Inglaterra e não respeitaram a quarentena de 14 dias para entrar no Brasil, como prevê a legislação sanitária brasileira. O goleiro Emiliano Martinez, os meia Emiliano Buendia e Giovani Lo Celso e o zagueiro Cristian Romero.

" A Fifa lamenta as cenas que antecederam a suspensão da partida entre Brasil e Argentina pelas Eliminatórias Sul-americanas para a Copa do Mundo do Catar 2022 que impediu milhões de torcedores de assistir a uma partida entre duas das mais importantes nações do futebol mundial.

"O primeiro relatório oficial da partida foi enviado à Fifa. Estas informações serão analisadas pelos órgãos disciplinares competentes e a decisão será tomada em devido tempo."

"A decisão será tomada em devido tempo", significa, no entender de pessoas ligadas à CBF, é que não haverá pressa. O que será 'ótimo'. A entidade brasileira acredita em uma nova partida, em suspensão e multa para os quatro atletas argentinos que mentiram ao chegar ao país, informando que não estiveram no Reino Unido nos últimos 14 dias. Falácia deslavada, já que jogam na Inglaterra.

É muito importante destacar que a relação amistosa entre a CBF e a AFA não foi afetada. Pelo contrário. O presidente interino da CBF, Ednaldo Rodrigues, criticou veementemente a atitude dos agentes da Anvisa e da Polícia Federal que obrigaram a suspensão do jogo.

Ou seja, não haverá guerra jurídica entre Brasil e Argentina, porque os dois países estão com as vagas mais do que encaminhadas para a Copa do Catar.

As duas federações de futebol contam com o apoio da Conmebol para que pressione a Fifa por uma nova partida. Ou melhor, o jogo recomece em São Paulo, aos cinco minutos do primeiro tempo, com o placar de 0 a 0. Os dois países querem outro jogo. Por seus patrocinadores. Para seguirem preparando suas equipes ao Mundial. E a CBF quer o dinheiro da arrecadação, já que a previsão é que, se acontecer novo confronto, será com a liberação de público.

Jornais do mundo todo ridicularizaram a suspensão do jogo.

Os veículos de imprensa argentinos seguem atacando os agentes da Anvisa e da Polícia Federal.

O jornal Olé, o mais popular de Bueno Aires, flagrou um policial da PF tendo uma séria discussão com os jogadores Acosta e Otomendi.

Em uma foto, há o detalhe sob sua camiseta preta o que tudo indica ser uma arma. Um revólver. Situação comum para um agente da Polícia Federal. Mas completamente descabido em um gramado de futebol, discutindo com jogadores da Seleção Argentina, sem identificação.

Está sendo mais um motivo de escândalo nos programas de televisão e rádios argentinos.

O que aconteceu ontem em Itaquera foi histórico.

Mostra o amadorismo, a 'esperteza' da delegação Argentina, que tentou burlar a legislação brasileira.

E a absurda lentidão das autoridades brasileiras que, de acordo com a cúpula da Anvisa, já se sabia da mentira dos argentinos no sábado.

O vexame de ontem poderia ter sido evitado...

Mulher de CR7 desfila com diamantes de meio milhão de reais

Últimas