O trauma de Andrés. Pré-Libertadores acabou com a carreira de Ronaldo

O Corinthians enfrentará o vencedor de Guaraní do Paraguai e um time boliviano, pela Pré-Libertadores. A eliminação para o Tolima foi caótica em 2011

Ronaldo acabou sua carreira de forma constrangedora. Depois do Tolima

Ronaldo acabou sua carreira de forma constrangedora. Depois do Tolima

Reprodução/Twitter

São Paulo, Brasil

"Para nós, brasileiros, é um absurdo. É melhor ficar fora do que disputar uma pré-Libertadores. É uma cobrança enorme. Até hoje falam do Tolima.

"É um risco.

Não tem muito sentido..."

"Se é só para encaixar time da Bolívia, do Equador, da Venezuela, é melhor rever isso. Eles (Conmebol) têm o compromisso deles também... Para os brasileiros e argentinos, é muito complicado.

"Ou vai direto para o grupo ou fica fora."

As declarações de Andrés Sanchez, no Paraguai, antes do sorteio dos grupos e dos confrontos da 'pré-Libertadores', deixam claro que ele não esqueceu o sofrimento do dia 2 de fevereiro de 2011.

Ele ainda não sabia que o seu clube enfrentaria o vencedor de Guaraní, do Paraguai e Bolívia 4 (os times bolivianos ainda não estão definidos).

Caso o clube vença, ainda terá pela frente o sobrevivente de Cerro Largo, do Uruguai, e Palestino, do Chile.

Se passar pela pré-Libertadores irá para o grupo 2. 

Nele Bolívar, Tigre e Palmeiras o estarão esperando...

Em 2015, o Guaraní, eliminou o Corinthians, nas oitavas-de-final.

Mas o dirigente já queria se prevenir em caso de novo vexame.

O Corinthians foi o primeiro time brasileiro eliminado da pré-Libertadores, em Ibagué, na Colômbia.

Mais do que o vexame, a derrota por 2 a 0 marcou, de forma deprimente, o final da passagem de Ronaldo e de Roberto Carlos pelo Corinthians.

Andrés resume, ainda hoje que foi o ex-atacante que mostrou o caminho da modernidade no Parque São Jorge.

Os  ídolos do clube já fumavam e bebiam em festas. Sofreram as consequências

Os ídolos do clube já fumavam e bebiam em festas. Sofreram as consequências

Reprodução/Twitter

Mas o final da passagem de dois anos do atacante pelo clube é algo que incomoda o dirigente.

Na eliminação da pré-Libertadores, Ronaldo já estava muito gordo. E Roberto Carlos, na reta final de carreira, se mostrava desinteressado.

Os dois eram vistos constantemente em festas.

Foram fotografados fumando.

Membros de torcidas organizadas ficaram revoltados com a eliminação e culparam os dois maiores ídolos da época.

Ambos levaram a sério as ameaças, até de morte, dos torcedores.

Se sentiram inseguros para seguir no Corinthians.

E deixaram o clube.

Roberto Carlos jamais se livrou da identificação que tinha com o Palmeiras, enquanto jogou no Parque São Jorge.

Ele pediu desligamento do clube, rescisão, nove dias após a vergonha contra o Tolima.

Andrés sonhava com uma festa especial, e lucrativa, para Ronaldo Fenômeno. 

Mas ela jamais aconteceu.

No dia 14 de fevereiro de 2011, 12 dias após o vexame em Ibagué, o atacante anunciou o final de sua carreira como jogador.

Por isso, o trauma de Andrés em relação à pré-Libertadores.

Tudo que ele teme é que o vencedor de Guaraní e o time boliviano venha a ser o novo Tolima.

E já não Ronaldos e Roberto Carlos.

Ídolos decadentes para ficarem com a culpa...