Cosme Rímoli O Santos se agigantou. O Fluminense jogou como pequeno. Time de Carille respira

O Santos se agigantou. O Fluminense jogou como pequeno. Time de Carille respira

O Santos jogou com vibração, intensidade, articulação tática, caráter. E apequenou o preguiçoso Fluminense. Os prêmios, vitória por 2 a 0. E fuga da zona do rebaixamento

  • Cosme Rímoli | Do R7

A vibração de Madson resume o caráter, o renascimento do Santos. Vitória e fuga do Z4

A vibração de Madson resume o caráter, o renascimento do Santos. Vitória e fuga do Z4

ANDERSON LIRA/ESTADÃO CONTEÚDO - 27.10.2021

São Paulo, Brasil

Contrariando qualquer lógica, o Santos mostrou toda autoridade, personalidade, vibração e caráter. Enquanto o Fluminense foi apequenado, encolhido, preguiçoso, nem sombra do time que venceu o Flamengo, no sábado.

O resultado foi a empolgante vitória do time de Fabio Carille por 2 a 0, na Vila Belmiro, ganhando o direito de respirar, faltando dez rodadas para o Brasileiro acabar, fora da zona do rebaixamento.

Madson e Tardelli marcaram os gols santistas.

Se tivesse essa mesma postura, o Santos não estaria sofrendo tanto. Estaria, no mínimo, brigando por uma vaga na Libertadores.

Mas teve muito a visão tática de Carille, que finalmente entendeu que, com o limitado elenco que possui, precisa atuar com três zagueiros e cinco jogadores no meio de campo. E dois atacantes.

Marcão apostou apenas no desespero santista para contragolpear. Não esperava o Santos bem armado e com os nervos no lugar. O resultado foi uma partida pífia do Fluminense, deixando escapar a chance de entrar no G6, entrar na zona da Libertadores.

"Faltou competição. O Santos veio para o jogo da vida deles. Eles fizeram hoje o que não vinham fazendo há um bom tempo. Fizeram um grande jogo. Até tentamos, mas depois do 2 a 0 ficou difícil reverter", resumiu o consciente zagueiro Luccas Claro.

O desabafo de Marinho foi significativo. Embora tenha alcançado o jejum de 14 partidas sem marcar um gol, 11 no Brasileiro, depois de muito tempo, voltou a mostrar bom futebol. Foi fundamental na vitória santista.

Mostrou sua mágoa por ter sido muito criticado.

"Às vezes a gente tenta assimilar. Sou um cara que me cobro muito. Não venho bem. Estou há vários jogos sem marcar. Posso ficar até o fim do ano, desde que a equipe vença. Nosso torcedor veio e nos apoiou até o fim. Temos que agradecer.

"O time de 2020 não existe mais. Muita gente falou que o futebol do Marinho acabou, mas foi junto com o time de 2020.  Agora chegou a vez dos garotos e a pressão é muito grande.

"Venho trabalhando, me dedicando.

"Às vezes na técnica não vai, mas vai na raça, na vontade."

E foi o que aconteceu.

Como bem observou Luccas Claro, o Santos entrou em campo para sobreviver. E diante de sua exigente e desconfiada torcida, que tem vivido uma péssima temporada. No mesmo ano, o clube foi vice campeão da Libertadores e escapou na última rodada do rebaixamento no Paulista.

E foi eliminado da Libertadores e da Sul-Americana.

O medo de que o clube acabe o ano na Segunda Divisão contaminou diretoria, torcida, Comissão Técnica, jogadores. O ex-capitão do time, Edu Dracena, não foi contratado como novo executivo de futebol por acaso. E desde ontem ele tratou de trabalhar psicologicamente os atletas.

Mas foi Carille o responsável pela postura vitoriosa santista. Ele tratou, além de montar uma equipe muito competitiva, explorar o ponto fraco do Fluminense. Seu lado esquerdo, que tem problemas sérios de marcação. 

Enquanto o Santos surpreendia a todos pela intensidade, sabiamente explorava a marcação falha de Marlon. E o inexplicável espaço dado pelos volantes André e Iago Felipe, que não travavam o espaço e nem faziam a cobertura.

O primeiro gol foi desenhado. Zanocelo deu um passe espetacular, por cima de Marlon. Madson já estava orientado para fazer a diagonal. E cabeceou sem chances para Marcos Felipe. Santos 1 a 0, aos 32 minutos de jogo.

O incrível é que o Fluminense seguiu na mesma toada, sem reação. 

No segundo tempo, Marcão resolveu adiantar suas linhas, percebeu que precisava fazer o Fluminense reagir. Só que mesmo assim faltavam vibração e compactação. O Santos seguia firme, sem dar possibilidade ao time carioca.

O golpe final chegou aos 16 minutos, nos pés do veterano Tardelli. O jogador que teve seu carro perseguido e cercado por torcedores santistas, ameaçado de morte, marcou de carrinho. Completando contragolpe treinado. Pela direita, lógico.

Após péssima reposição de Marcos Felipe, Marinho foi lançado e serviu Madson, no ponto futuro, como dizia o visionário Claudio Coutinho. E ele cruzou para Tardelli, 36 anos, dar o carrinho e empurrar, com gosto, a bola para o fundo das redes.

2 a 0.

O jogo estava decidido.

Carille, especialista em armar esquemas defensivos, tratou de trancar as intermediárias. E garantir os preciosos três pontos.

E o Santos, com caráter, saiu da zona do rebaixamento...

Pintado é o 18º técnico que perde o cargo no Brasileirão; veja a lista

Últimas