Cosme Rímoli Neymar, o ídolo que a França rejeita. Não aceita

Neymar, o ídolo que a França rejeita. Não aceita

Em um ano e meio, fracasso na busca da sonhada Champions. Franceses não toleram egocentrismo, ostentação, farras. Eleições são sinais da desilusão

Neymar, França, PSG, eleição do melhor do mundo, Champions League Neymar, reveillon, Cosme Rímoli

Neymar com um harém de mulheres. Não é esse ídolo que a França esperava

Neymar com um harém de mulheres. Não é esse ídolo que a França esperava

Reprodução Instagram

São Paulo, Brasil

2011: 10º (Santos); 2012: 13º (Santos), 2013: 5º (Santos/Barcelona); 2014: 7º (Barcelona), 2015: 3º (Barcelona); 2016: 5º (Barcelona), 2017; 3º (Barcelona/PSG); 2018: 12º (PSG).

Negócio fechado! Veja as contratações do mercado da bola

Esta é a trajetória instável e extremamente decadente, em 2018, de Neymar na eleição para a Bola de Ouro, tradicionalíssimo prêmio oferecido pela jornal francês L'Equipe desde 1956.

Foi publicada hoje a seleção da Champions League 2018/2019 até as oitavas de final, que começam no dia 12 de fevereiro. Escolhida pela equipe de jornalistas do L' Equipe.

Oblak, Alexander-Arnold, Varane, Van Dijk e Marcelo; Kanté e Modric; Hazard, Mbappé e Messi; Cristiano Ronaldo.

Neymar está de fora. 

Foi apenas o quinto, entre meias e atacantes.

Veja também: Copa América e muito mais! Confira aqui o calendário esportivo de 2019

É absolutamente indisfarçável a indisposição do principal veículo esportivo francês e um dos maiores do mundo com Neymar. Postura que já foi antecipada ao blog, pelo correspondente do L'Equipe no Brasi, Eric Frosio. Ele é autor do livro "Neymar, príncipe do Brasil", inédito no país.

A exclusiva foi publicada no dia 31 de maio de 2018, portanto, antes de começar o Mundial. 

Muito antes de Neymar virar piada e memes por bizarras simulações durante a Copa.

É verdade que ele tentou mostrar depois do torneio da Rússia mais seriedade. E foi fundamental para o PSG conseguir sobreviver no grupo da morte na primeiras fase da Champions.

Mesmo assim não foi valorizado pelos franceses.

Pelas palavras de Eric, fica mais fácil compreender o que acontece agora.

Vale relembrar algumas perguntas-chaves da entrevista.

Sampaoli impõe seu estilo logo no primeiro dia de Santos

Eric, porque acabou a euforia na França em relação a Neymar?

Por culpa do próprio Neymar. O país ficou eufórico quando foi efetivada sua contratação. E eu revelo no livro que já estava tudo certo em 2016. O PSG já tinha negociado com o pai dele e deixado tudo certo. Foi a imposição do Fair Play financeiro que adiou a transação. O Neymar já sonha em ser o número um do mundo desde que começou a fazer sucesso acima do normal, no Santos.

Quando tinha 15, 16 anos, colocou isso na cabeça e foi decisivo ao deixar o Barcelona de Messi.

Ele quis ter um clube só voltado para ele. Por isso foi para o PSG.

Só que sua postura individualista fez com que passasse a empolgação. E viessem os questionamentos. Futebol não é tênis. Ter como meta na carreira ser o número um do mundo é algo que não combina com o coletivo. O Iniesta nunca foi número um, mas está no coração de todos. Não se colocou como mais importante do que o clube, como o Neymar está fazendo. Daí o desencanto.

Você trabalha para o L'Équipe, principal jornal esportivo francês, e várias matérias mostraram Neymar com problemas de relacionamento no clube. Por que isso aconteceu?

O Neymar tinha a possibilidade de acabar com os três clãs que dominam o time. Existe o dos brasileiros, com ele, Thiago Silva, Daniel Alves entre outros, o dos franceses e o dos argentinos e uruguaios, que se juntaram. Não existe união de verdade no elenco. E o Neymar não exerce o seu papel. Ele poderia aproximar os três clãs e transformá-los em um. Mas não tem interesse. Ele só está preocupado com a própria carreira. Isso é algo que todos na França já perceberam.

Atuação apática no fundamental jogo contra o Real foi um grande fracasso

Atuação apática no fundamental jogo contra o Real foi um grande fracasso

Reprodução/Twitter

Ele sempre foi assim?

Esta é a orientação dada desde o início da carreira pelo pai. Se preocupar com ele, não com o time. Isso reflete até na sua saída do Santos. Eu como jornalista, acho um absurdo o pai de Neymar ter recebido 10 milhões de euros (cerca de R$ 40 milhões) dias antes da final do Mundial. E do próprio Barcelona, o adversário do Santos.

Eu até demorei para acreditar que fosse verdade, tamanho o absurdo. Mas foi verdade. Falei com o Léo, ex-capitão do Santos, na época, até hoje ele prefere se recusar a acreditar.

Mas o pai do Neymar e ele pensaram na carreira. 

Portanto, não é surpresa que o Neymar siga focado nele e não nos clubes.

Seja no Santos, Barcelona ou no PSG. Sempre foi assim.

Mal começou 2019 e a postura de Neymar segue sendo criticada.

Uma foto que ele fez questão de tirar, ao lado de Arthur, do Barcelona, e do bicampeão mundial de surfe, Gabriel Medina, e mais 26 mulheres, na Bahia, foi muito mal recebida na Europa.

As críticas em programas esportivos franceses foram duras.

Hora de trabalhar! Confira as férias agitadas de Neymar no Brasil

Arthur sentiu a pressão vinda da Catalunha. O Barcelona segue exigindo um comportamento discreto dos seus jogadores, mesmo nas férias. Eles recebem uma cartilha ao chegar no clube espanhol.

O volante tentou amenizar a situação publicando outra fotografia.

Desta vez, o trio estava com 26 homens.

Ficou ridiculo esse recuo.

Neymar, que levou Arthur, Medina e vários de seus 'parças' na farra na Bahia, com seu jatinho particular, não se importou com a cobrança. Seguiu nas festas, sabendo que estava sendo filmado por inúmeros celulares.

Antes de deixar a Bahia e voltar para São Paulo, o capitão da Seleção Brasileira de Tite, fez questão de ficar de joelhos e agradecer aos céus.

"2018 foi um ano difícil, de muito aprendizado e mesmo assim eu sorrio para te agradecer Deus, por tudo!"

Ele deve ter aprendido inúmeras coisas.

Simulações de Neymar na Copa. Imprensa francesa não perdoa o fiasco

Simulações de Neymar na Copa. Imprensa francesa não perdoa o fiasco

Reprodução/Instagram

Fracassou com o PSG na Champions 2017/2018. Com ele em campo, o Real Madrid fez 3 a 1, na Espanha, mais do que encaminhou a eliminação do seu time nas oitavas de final. 

Neymar foi o grande símbolo de outro fracasso, a queda da Seleção Brasileira na Copa do Mundo, na Rússia.

Deve ter tirado várias lições.

Mas não foi às aulas de francês.

Segue sem falar o idioma do clube que pagou R$ 880 milhões por ele.

Situação que a imprensa francesa, em especial do jornal L'Equipe, considera imperdoável.

Como se não disfarçasse estar no PSG só de passagem.

No Barcelona, falava espanhol.

E se virava em catalão.

Em Paris há um ano e meio, não se importa com o francês.

Não é tão difícil entender o porquê de o brasileiro ser tão mal votado nas eleições europeias.

E principalmente do L'Equipe.

Que Neymar siga aproveitando suas farras.

Com suas mansões, seu jatinho, seu iate.

Seu helicóptero.

Afinal, como diz o coordenador da Seleção, Edu Gaspar:

"Ele é um menino".

Embora daqui a um mês e dois dias, completará 27 anos.

Tem um filho de sete anos.

Com Gaspar e Tite ele segue em alta.

Seguirá o capitão da Seleção deste país.

Com direito à festa marcada.

A fraca Copa América, disputada no Brasil.

Excelente torneio para autopromoção, desviar o foco da estagnação da Seleção.

Da falta de intercâmbio com times europeus.

Disfarçar a geração limitada e submissa ao seu camisa 10.

A pose do capitão da Seleção e jogador mais caro do PSG. Assim começa 2019

A pose do capitão da Seleção e jogador mais caro do PSG. Assim começa 2019

Reprodução/Instagram

Nada melhor do que adversários fraquíssimos, fazer inúmeros gols, pose, dancinhas.

Com final já marcada para o Maracanã.

Como foi na Olimpíada de 2016, diante do time C da Alemanha.

Na conquista da medalha de ouro que enganou tanta gente.

Depois da obrigatória final, Neymar poder repetir seu discurso.

Mandar a imprensa nacional continuar sendo obrigada a 'engoli-lo'. 

A francesa demonstra a cada dia que não precisa.

Não quer.

E o suporta cada vez menos.

Basta analisar cada lista de melhores jogadores do mundo...

(Recebo nesta sexta-feira, uma ligação de Walmir Lopes, assessor de imprensa, do ex-lateral Léo. Ex-jogador, conselheiro e homem que articulou a campanha derrotada de Modesto Roma, na eleição do Santos.

Walmir pede para que seja publicada uma versão mais completa de Léo sobre o pai de Neymar ter recebido 10 milhões de euros, atuais R$ 42,9 milhões, dias antes da final do Mundial.

A versão apresentada pelo correspondente do L' Equipe, Eric foi publicada na entrevista feita em maio de 2018 e replicada aqui. 

"Falei com o Léo, ex-capitão do Santos, na época, até hoje ele prefere se recusar a acreditar."

Como toda a entrevista na qual ele falou sobre Neymar.

O ex-jogador com maior número de conquistas pelo Santos, pós Pelé, participante ativo da derrotada campanha de Modesto Roma para a presidência do Santos, acionou Walmir Lopes.

Ele disse, segundo Lopes, que estava muito vago. Parecia que ele duvidava de Neymar.

Léo pediu para sair o seguinte complemento.

"Na entrevista que concedi ao jornalista francês Eric Frosio, por telefone, em dezembro de 2017, quando me foi perguntado se eu acreditava que o pai de Neymar havia recebido algum valor do Barcelona antes da decisão do Mundial de Clubes de 2011, no Japão, em que o Santos enfrentou o clube espanhol, eu fui categórico ao dizer que não acreditava que isso tinha acontecido.

Na ocasião, fui testemunha após o confronto em quer perdemos o título, que Neymar era um dos jogadores mais abatidos, refletindo toda sua tristeza e decepção com a derrota.

Da forma como está colocado no artigo desta quinta-feira, deixa transparecer que eu estava suspeitando que aquela especulação era verdadeira."

Assim que falei com Walmir, achei justa a colocação do ex-jogador. Não tenho como adivinhar o que ele falou para Eric. Mas sim as palavras que ouvi do jornalista francês.

Telefonei para Eric. 

Ele não tinha questionamento algum sobre a entrevista feita no ano passado. E também não fez agora, quando reproduzi trechos. Mas deixou claro que 'talvez poderia ter explicado melhor a postura de Léo'.

O complemento de Léo está publicado.

Lembrando que o ex-jogador estava duas vezes errado em relação à final do Mundial.

A primeira em acreditar que não era verdade que o pai de Neymar havia recebido 10 milhões de euros do Barcelona, dias antes da final.

Seu erro maior é inesquecível.

Antes do confronto, Léo, campeão da Libertadores, declarou.

"Quero ver se o Barcelona é tudo isso."

O Santos foi goleado por 4 a 0.

Os espanhóis poderiam fazer 8 a 0, se quisessem.

Eu estava no Estádio Internacional de Yokohama, naquela constrangera partida.

Foi a final mais fácil da história dos Mundiais.

Léo e Neymar jogaram muito mal.

Como todo o time de Muricy Ramalho.

Para sofrimento da torcida santista...)

    Access log