Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Cosme Rímoli - Blogs
Publicidade

MP exige prisão do agressor de deficiente mental no Maracanã

Matheus, de 18 anos, provocou e depois atingiu com um soco o deficiente mental Marcos Arruda, de 60 anos, no Maracanã. Flamengo já o baniu

Cosme Rímoli|Do R7 e Cosme Rímoli


A agressão ao deficiente foi filmada. MP quer prisão e banimento
A agressão ao deficiente foi filmada. MP quer prisão e banimento

São Paulo, Brasil

O tão criticado sistema judiciário do Rio de Janeiro tem uma oportunidade pública de agir. E mostrar que estádio de futebol não é local para vândalos.

O caso é revoltante.

Leia também

Aconteceu no dia 24 de março e não teve a relevância merecida.

Publicidade

Marcos Arruda, de 60 anos, deficiente mental, saía do Maracanã ao lado de seu grisalho amigo, Luis Fernando e um irmão. Arruda cometeu o 'pecado capital' de estar com a camisa do Fluminense, número sete, com seu nome nas costas.

O trio queria ir para a estação de metrô perto do estádio. Só que errou e foi pela ala Oeste, reservada à torcida flamenguista. Sim, no Rio de Janeiro, ainda torcidas rivais podem comparecer aos clássicos.

Publicidade

O trio passou a ser hostilizado por flamenguistas.

Só que Matheus Morbeck Pedroso dos Santos Galvão, de 18 anos, resolveu ir além. Parou na frente do deficiente mental e passou a berrar, depois de ler o seu nome nas costas da camisa tricolor. 

Publicidade

"Marcos viado, Tricolor viado."

Encurralado, Marcos se defendeu. Jogou o refrigerante que tomava no corpo da vítima. 

Matheus não teve dúvidas. Mesmo 42 anos mais novo e completamente saudável, o jovem, sem piedade, acertou um violentíssimo soco abaixo do olho esquerdo do deficiente.

Com a pancada, Marcos caiu no chão.

COSME RÍMOLI: Clubes rebeldes fraquejam. Querem perdão da Globo. Menos o Palmeiras

Os próprios torcedores do Flamengo ficaram revoltados com Matheus, que saiu correndo, depois da agressão.

Mas ele foi identificado.

Assustado diante da repercussão nas redes sociais e nos veículos de comunicação, ele resolveu se esconder na casa de parentes.

A PM do Rio, pressionada pela imprensa, foi até lá e o prendeu.

Ele pagou fiança e foi solto.

Só que as consequências chegaram.

O Flamengo o eliminou do plano de sócio-torcedor.

Seu nome foi barrado para sempre.

Só que o Ministério Público do Rio de Janeiro decidiu levar adiante o caso.

Veja mais: Arrascaeta lembra estilo de jogo do Cruzeiro ao explicar adaptação ao Fla

Sua puniçao pode ser exemplar.

Ele foi enquadrado nos artigo 129 do Código Penal (Ofender a integridade corporal ou a saúde de outrem). A pena prevista é entre três meses e um ano de cadeia.

A covarde agressão
A covarde agressão

Além de violar o artigo 41-B do Estatuto do Torcedor (Promover tumulto, praticar ou incitar a violência, ou invadir local restrito aos competidores em eventos esportivo). 

A pena prevista, se condenado, fica entre um e dois anos de reclusão.

COSME RÍMOLI: Punição absurda a Moisés revolta de vez o Palmeiras contra a FPF

O MP também exige que ele fique, ao menos, um ano impedido de comparecer em eventos esportivos, diante de sua violência.

A denúncia do Ministério Público foi feita ontem. 

E tem tudo para ser aceita.

Os vídeos da agressão são chocantes.

Seguem sendo divulgados pela Internet.

Estádios de futebol não são territórios livres de leis.

Veja mais: Presente em 19 partidas, árbitro de vídeo altera dez decisões nos Estaduais

Onde a violência é livre.

Até contra deficientes.

A justiça desse país precisa agir.

E este caso deplorável servir de exemplo.

Que se faça justiça...

Curta a página R7 Esportes no Facebook

Negócio fechado! Veja as contratações do mercado da bola

Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.