Cosme Rímoli Messi sensacional. Gol espetacular. E vitória, injusta, do PSG, contra o City, de Guardiola

Messi sensacional. Gol espetacular. E vitória, injusta, do PSG, contra o City, de Guardiola

Guardiola pagou caro por não ter insistido com a família real dos Emirados Árabes. Aos 34 anos, sem ritmo, ainda entrando em forma, o genial argentino decidiu o jogo para o PSG. 2 a 0 contra o City

  • Cosme Rímoli | Do R7

O chute genial sem chance de defesa de Ederson. 121 gols na Champions. O primeiro pelo PSG

O chute genial sem chance de defesa de Ederson. 121 gols na Champions. O primeiro pelo PSG

Reprodução/Champions League

São Paulo, Brasil

28 minutos do segundo tempo, Parque dos Príncipes.

O PSG era massacrado, sofria até não poder mais, diante da pressão do Manchester City. Vencia, de forma injusta, por 1 a 0, gol de Gueye.

O time de Pep Guardiola tinha 63% de posse de bola, criava, fustigava. Donnarumma colecionava defesas e grandes saídas.

Com o time inglês todo avançado, veio o contragolpe.

Em altíssima velocidade, o talento de três excepcionais jogadores veio à tona.

Neymar tocou para Messi na direita. 

O argentino fez o que já acostumou o mundo a ver. Desceu com a bola dominada, subjugada, submissa. Enquanto Laporte tentava acompanhá-lo. Ele procurou Mbappé. 

O passe chegou milímetros atrás do que o francês esperava. Mas o atacante conseguiu um toque genial de calcanhar. E a bola voltou para Messi, que correu mais que Laporte. 

O chute foi previsível: mortal.

Sem chance para Ederson. 

A bola foi deitar, respeitosa, no fundo do gol do Manchester City.

2 a 0, PSG.

A família real do Qatar comemorava, vibrava, pela família real dos Emirados Árabes ter titubeado, e não ter contratado o excepcional argentino.

Vitória do time francês na partida mais aguardada na fase de grupos da Champions League 2021/2022.

O detalhe é que o jogador de 34 anos está ainda sem ritmo de jogo, e longe da melhor forma física. Mas o talento, o arranque, a consciência e a convicção do melhor do mundo.

A alegria do gênio. O gol, na diagonal, que é sua marca registrada. Lembrete para o Barcelona

A alegria do gênio. O gol, na diagonal, que é sua marca registrada. Lembrete para o Barcelona

PSG

 A partida foi muito emocionante.

Pep Guardiola fez o que se esperava: tratou de colocar o City, em Paris, como se estivesse em Manchester. Todo no ataque, sufocando o time de Mauricio Pochettino. O catalão sabia o risco que corria. Só não poderia dar espaço para os contragolpes de um time que tem Neymar, Messi e Mbappé.

E, consciente, tratou de colocar duas duplas Sterling e Walker, abertos pela direita, e Grealish e Cancelo, abertos pela esquerda. Se aproveitando exatamente da fraca marcação de Messi, canhoto pela direita, e Mbappé, destro pela esquerda.

Com trocas de passes terminando com inversões para os laterais, o City queria abrir espaço para De Bruyne, Foden e Bernardo Silva, que surgiam como opções para chutar dentro da área.

Nos primeiros minutos, o time inglês chegou a ter 71% de posse de bola. Mas a justiça hoje não estava do seu lado. A arma do PSG veio à tona: os contragolpes em velocidade, treinados à exaustão por Pochettino. Aos sete minutos, Mbappé desceu com sua explosão muscular peculiar, cruzou, Neymar não conseguiu acertar com convicção a bola e ela chegou até o volante Gueye, que acompanhou a jogada. O chute foi no ângulo, indefensável para Ederson.

PSG 1 a 0. 

O chute violento. A bola fugindo de Ederson. E indo, sem piedade, para o ângulo. Gol lindíssimo

O chute violento. A bola fugindo de Ederson. E indo, sem piedade, para o ângulo. Gol lindíssimo

PSG

O gol só fez o City avançar ainda mais as suas linhas.

O PSG não teve o menor pudor, mesmo com seu estádio repleto de torcedores, tratou de se defender. Assumindo a postura de contragolpear. Verratti fez uma partida espetacular, travando a intermediária francesa.

O City dominava o jogo, finalizava, mas faltou pontaria e sobrou precipitação no arremate final. E o italiano Donnarumma mostrava porque ficou com a posição de Navas.

O lance que resume a primeira etapa foi a cabeçada de Sterling no travessão, Bernardo Silva fica com o rebote e chuta também no travessão. Lances acompanhados pelo desesperado Donnarumma.

No segundo tempo, Guardiola tratou de comprimir de vez as linhas do PSG. O time de Pochettino marcava em um esquema previsto por Carlos Alberto Parreira há 27 anos: 5-5-0. Cinco defensores, com quatro zagueiros e um volante à frente, protetor. E cinco jogadores espalhados na intermediária. Sem um atacante fixo.

O City pressionava no ataque, com até oito jogadores na intermediária do PSG.

A bola rondou a área do PSG, as chances foram criadas e desperdiçadas.

Quando o massacre era total, surgiu o contragolpe sonhado por Pochettino. E fatal para Guardiola. Neymar serviu Messi na direita, o argentino, que guardou fôlego durante o jogo, correu muito, no setor que mais adora. Serviu Mbappé e recebeu o toque de calcanhar. 

O chute foi indefensável para Ederson.

Aos 28 minutos, o mundo reverenciava, de novo, o gênio Messi.

E seu primeiro gol por um clube que não era o Barcelona.

2 a 0.

A alegria insana, incontrolável de um time que possui Lionel Messi

A alegria insana, incontrolável de um time que possui Lionel Messi

PSG

O Manchester City ainda tentou descontar.

Mas o PSG seguiu firme.

Conseguiu a vitória para dar confiança, impor respeito.

Injusta, sim.

Mas que premiou o talento do genial Lionel Messi...

Messi deve morar em mansão em Paris com aluguel de R$ 124 mil

Últimas