Cosme Rímoli Foi mais fácil do que um treino para o Flamengo. 4 a 1 no Santos

Foi mais fácil do que um treino para o Flamengo. 4 a 1 no Santos

Cuca colocou o time reserva no Maracanã, por conta da Libertadores. O time de Rogério Ceni não tomou conhecimento. O placar de 4 a 1 foi modesto

  • Cosme Rímoli | Do R7

Gabigol fez questão de comemorar com Diego Alves a goleada sobre o Santos

Gabigol fez questão de comemorar com Diego Alves a goleada sobre o Santos

Reprodução/Twitter

São Paulo, Brasil

Foi um massacre.

Mas antecipado.

O peso de o Brasileiro ser disputado ao mesmo tempo que a Libertadores, na sua fase decisiva.

Cuca tratou de poupar seus principais jogadores para a partida muito mais importante, quarta-feira, contra o Grêmio, pela competição continental.

Rogério Ceni, com seu time já eliminado da Libertadores, tratou de colocar o que tem de melhor, até porque tem a obrigação de mostrar se está pronto ou não para o privilégio de comandar o clube mais popular do país.

Os garotos e reservas do Santos suportaram o quanto puderam.

Mas o Flamengo acabou com a previsível goleada no Maracanã, 4 a 1.

Gabigol marcou duas vezes, de pênalti.

Gerson e Felipi Luís fizeram os gols do time carioca.

Bruninho descontou.

E volta à terceira colocação do Brasileiro.

O time paulista, prejudicado pela tabela, fica estagnado na oitava colocação.

Um treino, contra os reservas, seria mais difícil para a equipe de Ceni.

"Temos mais dias para trabalhar agora. A semana foi muito boa. Ceni falou que treinando firme na semana a gente consegue desempenhar um bom papel nos jogos", Bruno Henrique explicou a única vantagem de o Flamengo estar fora da Libertadores.

E o atacante não se furtou a falar sobre a polêmica situação de Diego Alves, que tem contrato por mais 18 dias e ainda não renovou.

"Todo mundo sabe a importancia dele no grupo. É um líder dentro e fora de campo. Quem decide a permanencia é ele e a diretoria.

"A gente quer que ele fique. A gente quer a permanencia dele aqui, é um cara que é muito ídolo e muito experiente."

A alegria de Gerson, por ter feito o primeiro gol do Flamengo. Está mais ofensivo

A alegria de Gerson, por ter feito o primeiro gol do Flamengo. Está mais ofensivo

Reprodução/Twitter Gerson

Sem ter o que fazer, diante do seu elenco limitado, Cuca apelou para garotos e reservas contra o Flamengo. O treinador tentou, ao menos, repetir a estratégia que conseguiu travar o Grêmio, em Porto Alegre.

O mesmo 4-5-1, para dificultar o Flamengo na intermediária. Evitar a troca de passes.

Só que os reservas e os garotos santistas estavam absolutamente desentrosados. 

E outro ponto importantíssimo.

Morando no Ninho do Urubu, tendo conversas intermináveis com os líderes do time, Ceni percebeu o quanto seus atletas queriam voltar a atuar exatamente como nos tempos de Jorge Jesus.

E foi o que ele fez nos treinamentos.

Foi assim que o time se impôs no Maracanã.

Arrascaeta e Everton Ribeiro conseguiam encontrar espaço. Mas era Gerson, muito mais ofensivo, que chegava com a bola dominada, rasgando as linhas de marcação santista.

Bruno Henrique flutuando pela esquerda, voltava aos seus melhores dias. Com velocidade, habilidade assustava seu ex-time assim que pegava na bola.

O Flamengo voltou a ter intensidade. O improvisado Santos foi mero sparring

O Flamengo voltou a ter intensidade. O improvisado Santos foi mero sparring

Santos

Ceni, de maneira mais discreta, fortaleceu a defesa do seu time. Rodrigo Caio e Natan deram estabilidade, algo que era raro na Gávea.

O Flamengo aproveitou os espaço que um time desentrosado oferecia. E forçou desde os primeiros minutos. E foi perdendo chances.

A goleada, no entanto, só começou a nascer aos 41 minutos de jogo. Depois de uma blitz, Natan cabeceou no travessão e Gerson empurrou para as redes. 

1 a 0, Flamengo.

No segundo tempo, com o Santos cansado, o trabalho foi facilitado de vez para o Flamengo.

O segundo gol veio o mais rápido possível. Alex puxou a camisa de Arrascaeta, aos dois minutos.

Gabigol cobrou com talento, 2 a 0.

Ele fez questão de comemorar com Diego Alves, deixando claro o quanto o grupo quer a sequência do seu capitão no time.

O Santos não tinha o que fazer, a não ser, seguir se defendendo, diante de um time superior.

E o terceiro gol não demorou.

Depois de troca de bola, Bruno Henrique cruzou, João Paulo deu rebote e Felipi Luís empurrou para as redes. 3 a 0, aos 12 minutos.

O Flamengo seguia pressionando, por ordem de Rogério Ceni.

Pedro lançou Everton Ribeiro. Ele foi derrubado pelo afoito goleiro, aos 21 minutos. Outro pênalti.

Gabibol repetiu a cobrança.

E João Paulo repetiu o salto para o lado errado. 

4 a 0, Flamengo.

Ceni tratou de diminuir o ímpeto de seu time, já que tinha garantido a goleada, os três pontos.

Aos 29 minutos, os valentes jogadores reservas do Santos conseguiram diminuir o placar.

Gabigol aproveitou. Dois gols de pênalti contra seu ex-time. Voltando a confiança

Gabigol aproveitou. Dois gols de pênalti contra seu ex-time. Voltando a confiança

Alexandre Vidal/Flamengo

Madson cruzou, Rodrigo Caio não conseguiu desviar, raspou a cabeça na bola. Bruninho cabeceou para as redes. 4 a 1.

Placar justo.

Flamengo está evoluindo com Ceni.

E pode brigar para valer pelo título.

E Cuca mostrou que não faz milagres...

Curta a página do R7 Esportes no Facebook.

Quem vence o 1º turno leva também o Brasileirão? Nem sempre é assim

Últimas