Cosme Rímoli Flamengo nem precisou se esforçar na caça ao Atlético Mineiro. Athletico entrou com reservas

Flamengo nem precisou se esforçar na caça ao Atlético Mineiro. Athletico entrou com reservas

O time de Renato Gaúcho ganhou enorme presente. O Athletico não quis traumatizar seus jogadores antes da semifinal da Copa do Brasil. E colocou reservas no Maracanã. Esforço só no primeiro tempo. 3 a 0

  • Cosme Rímoli | Do R7

Andreas Pereira comemora com a torcida. Meio-campista está cada vez melhor no Flamengo

Andreas Pereira comemora com a torcida. Meio-campista está cada vez melhor no Flamengo

Alexandre Vidal/Flamengo

São Paulo, Brasil

Foi covardia.

O Flamengo, finalista da Libertadores, entrou com o time completo e recebeu um grande presente da Comissão Técnica do Athletico. A equipe paranaense resolveu poupar oito titulares na partida contra o rubro-negro carioca no Maracanã.

Colocando inclusive atletas da equipe sub-20. 

Não houve nem pressa para a inscrição de Alberto Valentim, novo treinador. E ele ficou acompanhando a partida da tribuna.

A postura absurda foi para que o time não ficasse abalado, impressionado, perdesse a confiança para os confrontos que terá com o mesmo Flamengo, pela semifinal da Copa do Brasil.

A ideia foi não 'traumatizar' seus atletas com uma derrota.

A desculpa de Bruno Lazaroni foi que 'seus jogadores estavam desgastados'.

Foi incrível como o trabalho do time de Renato Gaúcho foi facilitado.

Não houve competição. O Flamengo levou apenas nove minutos para garantir mais uma vitória no Brasileiro. Everton Ribeiro e Bruno Henrique marcaram dois gols. A partida estava decidida. Mas ainda haveria um contragolpe fatal, em alta velocidade, que Andreas Pereira, cada vez melhor, estufou as redes de Santos, aos 48 minutos.

3 a 0.

No segundo tempo, o Flamengo diminuiu o ritmo, Renato Gaúcho não quis expor seus jogadores. Administrou a vitória, que garantiu a luta para tentar buscar o Atlético Mineiro, líder do Brasileiro.

A distância entre os clubes passou a 11 pontos, com duas partidas a menos.

A caça continua.

Ao abraçar Bruno Henrique, comemorando o segundo gol, Renato sabia. O jogo estava decidido

Ao abraçar Bruno Henrique, comemorando o segundo gol, Renato sabia. O jogo estava decidido

Alexandre Vidal/Flamengo

O jogo foi decidido antes de começar. Quando o Athletico Paranaense resolveu inovar no sonho em conquistar a Copa do Brasil. Para isso, precisa sobreviver ao Flamengo nas semifinais que acontecerão nos dias 20 e 27 deste mês.

A escolha foi por não fazer seus atletas desanimarem, diante da excelente fase da equipe de Renato Gaúcho. Mesmo finalistas da Copa Sul-Americana, todos na Arena da Baixada sabem que o elenco do Flamengo tem muito mais recurso que o Athletico. E que hoje dificilmente escapariam de uma derrota incômoda.

Daí a escolha para 'descansar' seus atletas e esconder suas armas para a semifinal. 

Por isso, como titulares, só Santos, Pedro Henrique e Erick, volante, improvisado como ala.

Renato Gaúcho, que não tinha nada a ver com isso, fez seu time repetir o que está dando mais do que certo. Pressionou o improvisado Athletico na intermediária e mandou seu time atacar com muitas triangulações pelos lados do campo, e muita velocidade ao roubar a bola.

De Arrascaeta e, principalmente, Andreas Pereira estavam mais do que inspirados. Fizeram excelente primeiro tempo, quando o Flamengo resolveu o confronto.

Tudo começou rápido demais, quando Bruno Henrique ajeitou para Andreas Pereira bater forte da entrada da área, a bola estourou na trave de Santos e voltou para Everton Ribeiro empurrar para as redes.

Flamengo 1 a 0, aos quatro minutos.

O Athletico não tinha tempo nem para respirar. A pressão rubro-negra era para decidir o jogo no primeiro tempo. Depois de troca de bola inteligente, Gabigol cruzou, procurando Arrascaeta, mas Bruno Henrique também estava livre. 2 a 0, aos nove minutos.

Todos os jogadores e os pouco mais de sete mil torcedores que estavam no Maracanã sabiam: a partida já tinha um vencedor.

Everton Ribeiro comemora com Isla. O time sabia que adversário estava enfraquecido demais

Everton Ribeiro comemora com Isla. O time sabia que adversário estava enfraquecido demais

Alexandre Vidal/Flamengo

O desentrosado time reserva athleticano seguia correndo, marcando e sofrendo. 

Andreas Pereira está cada vez mais à vontade no Flamengo. Garantindo saída de bola com qualidade, articulando ataques e presente na área adversária, para ajudar o ataque.

Ele foi premiado com um lindo gol. Arrascaeta puxou contragolpe em altíssima velocidade. E para desespero da zaga, que não sabia o que o uruguaio iria fazer, ele serviu Andreas Pereira, que tocou com convicção na saída de Santos. 3 a 0, aos  48 minutos.

Segundo gol do versátil meio-campista emprestado pelo Manchester United.

No segundo tempo, Renato Gaúcho tratou de poupar seus atletas. O esforço não foi mais o mesmo. Os três pontos estavam mais do que garantidos. 

O Athletico adiantou suas linhas, mas não tinha competência nem para descontar o placar.

O Flamengo deixou o tempo passar.

E contabilizou mais três pontos.

Praticamente dados de presente...

Sem estádio, Mundial ou Copa do Brasil: piadas persistem no futebol

Últimas