Cosme Rímoli Fernando Diniz despachado da Seleção. Dorival e Filipe Luís convidados como técnico e coordenador. Para agradar São Paulo e Rio

Fernando Diniz despachado da Seleção. Dorival e Filipe Luís convidados como técnico e coordenador. Para agradar São Paulo e Rio

Mesmo sem ter a certeza que continuará como presidente da CBF, Ednaldo Rodrigues agiu. Mandou embora Fernando Diniz. E convidou Dorival Junior como novo técnico até a Copa dos Estados Unidos

  • Cosme Rímoli | Do R7

Dorival Junior e Filipe Luís. Ednaldo quer agradar São Paulo e o Rio de Janeiro

Dorival Junior e Filipe Luís. Ednaldo quer agradar São Paulo e o Rio de Janeiro

Dorival e Filipe Luís

São Paulo, Brasil

A demissão de Fernando Diniz resume a falta de rumo da CBF.

Sem o menor constrangimento, o treinador, campeão da Libertadores de 2023, foi despachado do comando da Seleção, nesta tarde de sexta-feira, dia 5 de janeiro.

O motivo foi deixar o lugar vago para Dorival Junior, treinador do São Paulo.

O mesmo Ednaldo Rodrigues que convidou Dorival foi o mesmo que confirmou, no começo de dezembro, que Fernando Diniz seria o treinador da Seleção até junho. E em julho, o italiano Carlo Ancelotti deixaria o Real Madrid e assumiria o Brasil até a Copa dos Estados Unidos.

Ednaldo foi afastado do comando da CBF no dia 7 de dezembro, por sua eleição ter sido considerada ilegal pelo Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro.

Ancelotti se considerou livre da palavra dada ao dirigente brasileiro e assinou a renovação com o Real Madrid.

Iriam acontecer novas eleições na CBF. O presidente da FPF, Reinaldo Carneiro Bastos, e o ex-presidente do STJD, Flávio Zveiter, eram os candidatos à presidência.

Mas o ministro do Superior Tribunal de Justiça, Gilmar Mendes, recolocou Ednaldo no cargo, ontem. A decisão, no entanto, pode ser anulada no Supremo Tribunal Federal.

Só que antes disso, Ednaldo precisava criar um 'fato novo'.

E nada melhor do que despachar o treinador que acumulou fracassos na Seleção, Fernando Diniz, e nomear um técnico que tenha aceitação tanto em São Paulo como no Rio de Janeiro, os dois polos mais fortes politicamente no futebol do país.

E escolheu Dorival Junior.

Fernando Diniz teve o apoio de Ednaldo até começar a fracassar. Seis jogos bastaram. E foi despachado

Fernando Diniz teve o apoio de Ednaldo até começar a fracassar. Seis jogos bastaram. E foi despachado

CBF

Ednaldo já procurou o presidente do São Paulo, Julio Casares, e falou da sua intenção.

O presidente da CBF quer Dorival Junior até a Copa de 2026.

Está abortado o plano da busca de um técnico estrangeiro.

Amigos de Dorival Junior garantem quer ele está inseguro em aceitar.

Largar o seu trabalho no São Paulo e depois Ednaldo perder o cargo.

E outro dirigente eleito para a presidência escolher novo técnico.

É uma situação mais do que complexa.

Casares colocou todo o planejamento do São Paulo em 2024 nas mãos de Dorival Junior

Casares colocou todo o planejamento do São Paulo em 2024 nas mãos de Dorival Junior

São Paulo

A CBF deu apenas seis partidas para Fernando Diniz.

Ednaldo o despachou sem dó.

Usou a desculpa que não iria atrapalhar o Fluminense.

Mas não terá constrangimento em atingir em cheio o futebol do São Paulo.

Toda a montagem da equipe paulista foi feita de acordo com as preferências de Dorival. As contratações e dispensas.

São R$ 2 milhões a multa que a CBF tem de pagar ao São Paulo para ter Dorival. O equivalente a três meses de salário.

Fernando Diniz recebia R$ 500 mil mensais para comandar a Seleção.

Se amigos de Dorival têm dúvidas, Ednaldo, não.

Para ele, o treinador do São Paulo aceitará assumir o Brasil.

Ao contrário de Diniz, com esquema tático complicado, com jogadores executando várias funções, Dorival Junior é mais simplista.

Se o treinador do Fluminense leva meses para conseguir implementar sua maneira de jogar, o do São Paulo não perde muito tempo, pedindo o básico de cada atleta.

Além disso, Dorival tem personalidade muito mais tranquila do que Diniz.

Filipe Luís, ex-Flamengo, seria o novo coordenador da Seleção.

Está claro que a escolha do técnico foi para agradar São Paulo e do coordenador, o Rio de Janeiro.

Ednaldo quer que o novo técnico assuma o Brasil nos amistosos contra a Inglaterra e Espanha, em março.

A situação é bizarra.

Não há a certeza que Dorival aceitará o convite de Ednaldo.

De real há a demissão de Fernando Diniz.

Com ele, o Brasil venceu Bolívia e Peru, empatou com a Venezuela e perdeu para Uruguai, Colômbia e Argentina.

O 'dinizismo' foi um fracasso na Seleção....

Estrela do Manchester United ostenta garagem de mais de R$ 2 milhões; veja a coleção

Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas