Cosme Rímoli Farra do Profut não bastou. Clubes querem mais R$ 3 bi do governo

Farra do Profut não bastou. Clubes querem mais R$ 3 bi do governo

Foram R$ 4 bilhões de dinheiro público, parcelados em 20 anos, em 2017. Administrações seguiram irresponsáveis. Agora, clubes querem mais R$ 3 bi

  • Cosme Rímoli | Do R7

Com o Profut foram R$ 4 bilhões de dinheiro público aos clubes

Com o Profut foram R$ 4 bilhões de dinheiro público aos clubes

Reprodução Twitter

São Paulo, Brasil

Um caos.

Se os clubes da Série A, a mais importante deste país, tivessem o mesmo tratamento reservado às empresas, a maioria estaria decretando falência.

Mesmo antes da pandemia, décadas de incompetência, irresponsabilidade e em alguns casos específicos, desonestidade, fizeram que os clubes estagnassem. Acumulassem dívidas, sem responsabilidade alguma para os dirigentes.

Basta prova que não houve dolo, má fé, roubo e mera incompentências, as dívidas  dos clubes podem, e são aumentadas, na sua maioria, a cada presidente que deixa o cargo.

Por serem 'sociedades privadas sem fins lucrativos', os clubes aproveitam as benesses dos governos, fazem a farra.

E, de tempos em tempos, dirigentes se juntam pedem perdão de suas dívidas tributárias e fiscais. E são atendidos, jurando que tomarão jeito, serão mais responsáveis com suas administrações. 

Mas repetem o mesmo 'modus operandi'. Gastam mais do que podem. Se endividam e depois, pedem auxílio econômico ao governo federal.

Como cada clube grande tem milhões de torcedores e cada torcedor é um eleitor, as necessidades das equipes são atendidas.

Outra vez, o futebol brasileiro mostra sua face desesperadora.

A receita total dos clubes da Série A de 2019 foi de R$ 6 bilhões. 

Os clubes faturaram muito em 2019. Dinheiro não  rendeu

Os clubes faturaram muito em 2019. Dinheiro não rendeu

Reprodução Twitter

Números impressionantes?

Não.

Porque as dívidas foram mais de R$ 8,3 bilhões.

Ou seja, conseguiram gastar R$ 2,3 bilhões a mais.

A metade dos clubes ficou devendo mais do que arrecadou.

O relatório foi feito pela empresa Ernest & Young, analisando os balanços dos clubes.

Os volumes são assombrosos.

É muito dinheiro que passa pelas mãos dos dirigentes.

Infelizmente sem a transparência ideal.

Este foram os clubes que mais faturaram.

Mas o envididamento é surpreendente.

Aqui a incrível capacidade das equipes para gastar.

Diante da exposição de suas vísceras administrativas, algumas diretorias tentaram dar explicações para conselheiros e sócios.

As incríveis dívidas dos clubes brasileiros no ano passado. Gastos sem limites

As incríveis dívidas dos clubes brasileiros no ano passado. Gastos sem limites

Reprodução Twitter

Já que não há como contestar a seriedade da consultoria Ernst & Young.

Como a do Atlético Mineiro.

E o que era tenebroso, deverá ficar insustentável.

Por conta da pandemia.

A própria Ernst & Young fez projeções assustadoras.

Com o futebol voltando ao país em julho, os clubes faturarão entre R$ 1,3 bilhão e R$ 1,9 bilhão a menos.

A força financeira das equipes brasileiras diminuirá, voltará para o patamar de 2016.

Lógico que as dívidas ficarão impossíveis de serem pagas.

Daí, é fácil imaginar o que já se articulou.

Os clubes se juntaram e conseguiram que o governo perdoasse mais de R$ 600 milhões do Profut, no dia início deste mês.

Além disso, a 'bancada da bola', políticos que defendem os clubes brasileiros e a CBF em Brasília, conseguiu que a Procuradoria-Geral da Fazendo Nacional decidiu suspender a cobrança de dívidas ativas da União nos próximos 90 dias.

Três meses sem pagar impostos, tributos, dívidas com o governo federal, a partir  do dia 18 de março.

Além de tudo isso, o Atlético Mineiro articula o pedido coletivo de uma linha de crédito junto ao governo brasileiro.

Sim, o presidente Sérgio Sette Câmara quer que o governo ofereça R$ 3 bilhões para empréstimo aos clubes.

O prejuízo com o corona deverá ser até R$ 1,9 bilhão. Clubes querem R$ 3 bilhões

O prejuízo com o corona deverá ser até R$ 1,9 bilhão. Clubes querem R$ 3 bilhões

Reprodução Twitter

Ou seja, o prejuízo deverá chegar ao máximo em R$ 1,9 bilhão.

Mas o presidente atleticano quer R$ 3 bilhões.

Vários dirigentes concordam com Sette Câmara.

É inacreditável as benesses dos clubes deste país...

Últimas