Cosme Rímoli Derrotado pela quinta vez seguida, Corinthians assume. Luta será contra rebaixamento. Matheuzinho e Antônio Oliveira contratados

Derrotado pela quinta vez seguida, Corinthians assume. Luta será contra rebaixamento. Matheuzinho e Antônio Oliveira contratados

Com a diretoria calada, depois da derrota para o Santos, na Vila Belmiro, o treinador interino Tiago Koslovski assumiu que o objetivo do Corinthians é fugir do rebaixamento. Antônio Oliveira contratado

  • Cosme Rímoli | Do R7

Cássio lastima o gol do Santos, de João Schmidt. Corinthians na zona do rebaixamento no Paulista

Cássio lastima o gol do Santos, de João Schmidt. Corinthians na zona do rebaixamento no Paulista

Santos

São Paulo, Brasil

"A gente não pode enganar o torcedor e chegar aqui e falar que pensamos em título. Nossa realidade é tirar o Corinthians da zona do rebaixamento, simples assim. Se amanhã ou depois a gente embalar duas, três vitórias, aí conseguirmos vislumbrar uma situação de classificação, o Corinthians aí sim vai brigar por classificação.

"Mas no momento o principal foco é tirar o Corinthians dessa situação que é inadmissível e não merecemos estar nela."

O desabafo foi de Thiago Kosloski, treinador interino, após a derrota para o Santos, na Vila Belmiro, ontem, por 1 a 0. 

Bastaram seis rodadas do Campeonato Paulista, seis primeiros jogos do ano.

Cinco derrotas consecutivas e a cúpula do Corinthians assume que o objetivo é não ser rebaixado no Campeonato Paulista.

Toda a esperança está depositada no novo treinador Antônio Oliveira.

O próprio Kosloski confirmou a chegada do técnico que comandava o Cuiabá.

"Convívio (com Antônio) vai ser o melhor possível, conheço ele de ter enfrentado. É um grande profissional, não à toa foi convidado pelo Corinthians pelo grande trabalho feito no Cuiabá. Esperamos que chegue, que nos ajude, vai ser uma peça importante. Nós funcionários vamos fazer o possível para ajudar, para que se adapte e conheça o elenco o mais rápido possível."

A situação é muito preocupante.

Mas não desesperadora.

O Corinthians enfrentará a Portuguesa, em Itaquera; o Botafogo, em Ribeirão Preto; o Palmeiras, em Barueri; a Ponte Preta, em Itaquera; o Santo André, em Itaquera; e o Água Santa, provavelmente em São Bernardo. 

Os rebaixados de 2023 foram o São Bento, com dez pontos, e a Ferroviária, com nove.

A previsão é que 12 pontos garantirão a sobrevivência no Paulista de 2025.

O Corinthians tem três.

Vai disputar mais 18 pontos. 

Ou seja, teoricamente, pode perder nove pontos. Ou seja, três partidas. 

Vencendo três, tudo ficará dentro da normalidade.

E a reformulação do elenco poderá seguir.

A diretoria, depois de vários desencontros, acertou a contratação de Matheuzinho. Serão pagos ao Flamengo, R$ 21,4 milhões, por 60% dos direitos do lateral direito de 23 anos.

E também deixou praticamente fechada a contratação do meia Igor Coronado, 31 anos, que atuava no Al-Ittihad, da Arábia Saudita. Ele rescindiu seu contrato.

"O momento agora é de união. Nossa torcida cobra e está certa em cobrar, mas nossa torcida apoia e entende o momento.

"Acredito que para ter uma sequência de confiança e enxergue a luz no fim do túnel tem um caminho: ganhar o jogo.

"Clássico, ganhar ou perder, é normal. Não é normal o Corinthians perder para o Ituano, para o Novorizontino, com todo respeito, isso não é normal. O Santos é uma grande equipe, ganhar para lá ou para cá é normal. Temos que ter a resposta de uma vitória para ter tranquilidade. Com o corpo diretivo, dar tranquilidade para procurar reforços, ter calma para fazer o treinamento. Das quatro grandes, não conseguimos rodar o elenco.

"Estamos jogando com os mesmos jogadores, é uma situação complicada, diferentemente do São Paulo, do Palmeiras e do Santos. São dificuldades que temos que enfrentar. Com duas vitórias seguidas começamos dar um pé na crise e botar o time no caminho das vitórias e tirar o time dessa situação."

Esta é a esperança de Kosloski.

E de toda diretoria de Augusto Melo.

Aliás, que saiu da Vila Belmiro sem dizer uma palavra...

Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas