Cosme Rímoli Depois de cenas de guerra, Doria manda investigar organizadas

Depois de cenas de guerra, Doria manda investigar organizadas

Além de proibir que grupos contra e a favor de Bolsonaro se manifestem no mesmo dia e local, PM investiga se violência das organizadas foi combinada

  • Cosme Rímoli | Do R7

Começo do conflito. Batalhão de choque contra torcedores organizados

Começo do conflito. Batalhão de choque contra torcedores organizados

Roberto Sungi/Futura Press/Estadão Conteúdo

São Paulo, Brasil

A Polícia Militar de São Paulo já avisou.

Os principais chefes de torcidas organizadas receberam o recado.

Os torcedores não poderão participar de manifestações no mesmo dia que pessoas de outras ideologias forem às ruas.

E, principalmente, no mesmo local.

A imposição foi do governador João Doria.

Ele disse à cúpula da PM que não admitirá mais confrontos como os que ocorreram ontem na avenida Paulista.

Membros das torcidas dos quatro grandes, corintianos, palmeirenses, são paulinos e santistas, combinaram de se opor contra o presidente Jair Bolsonaro.

A grande maioria com máscaras pretas.

Os defensores de Bolsonaro já estavam na principal avenida da capital, quando os torcedores organizados chegaram.

Houve confronto físico.

Duas pessoas saíram feridas.

E seis foram presas.

A intervenção da Polícia Militar evitou o pior. 

Foram 200 membros da Tropa de Choque.

Com bombas de efeito moral e força física, os soldados separaram os dois grupos ideológicos.

Os torcedores respondiam com pedras e rojões.

Cenário de guerra na avenida Paulista. Batalhão de Choque evitou o pior

Cenário de guerra na avenida Paulista. Batalhão de Choque evitou o pior

Reprodução Twitter

Doria foi claro.

Não quer mais conflitos.

Os grupos se revezarão nos sábados e domingos.

E a cúpula da Polícia Militar vai além.

Investigará se houve orientação dos chefes das torcidas para que os torcedores tivessem atitudes violentas.

Batessem nas pessoas pró-Bolsonaro.

“Não haveria problema torcida convocar suas pessoas para se manifestar desde que isso fosse dentro da democracia. Grupos se excederam e quebraram a ordem. Se alguma torcida for identificada nesta linha, que convocou associados para comparecer [ao ato] de forma mais agressiva, será responsabilizada", disse o secretário-executivo da Polícia Militar do Estado de São Paulo, coronel Alvaro Camilo.

Torcedores serão investigados pela PM. Meta é descobrir se violência foi combinada

Torcedores serão investigados pela PM. Meta é descobrir se violência foi combinada

Reprodução Twitter

Os presos pela PM carregavam rojões, artefatos químicos e canivetes.

Todos faziam parte das organizadas.

A orientação de Doria:

Se um grupo adversário chegar em um local e dia combinado por pessoas de outra ideologia, a ordem é prender.

Ele garantiu.

As cenas dantescas de ontem não se repetirão...

Atletas apoiam movimento contra racismo após morte de George Floyd

Últimas