Cosme Rímoli City não tem como contratar Messi. Portas abertas só no PSG

City não tem como contratar Messi. Portas abertas só no PSG

Guardiola confessa que o clube não esperava, não está pronto para contratar agora Messi. O PSG, ao contrário, já abriu negociação com o meia. Para felicidade de Neymar

  • Cosme Rímoli | Do R7

Tudo o que Guardiola mais queria era ter Messi no City. Mas fair play financeiro trava

Tudo o que Guardiola mais queria era ter Messi no City. Mas fair play financeiro trava

Javier Soriano/AFP

São Paulo, Brasil

"No momento, (Messi) não está nos nossos planos.

Foi uma surpresa.

Laporta, foi claro sobre as razões.

"Neste mundo tudo pode acontecer.

"Mas não parece possível."

Pep Guardiola tem orgulho de repetir sempre que pode. Não mente e nem admite mentiras. E ele acaba de deixar claro que Messi não está nos planos do Manchester City. 

O treinador sonhou em voltar a trabalhar com o excepcional jogador desde que deixou o Barcelona, em 2013. 

Foram oito anos desejando, no Bayern e, principalmente, no Manchester City. O clube inglês bancado pela família real dos Emirados Árabes tem patrimônio bilionário.

Mas Guardiola sabe que o fair play financeiro da Uefa nunca esteve tão rígido. E, por pressão dos clubes rivais, o City, o Barcelona e o PSG estão no alvo. O presidente Joan Laporta usou o fair play financeiro, que 'obriga' o clube da Catalunha a abrir mão de Messi.

O fair play financeiro foi criado em 2010, na Europa, para obrigar os clubes a gastarem apenas dentro de sua arrecadação. Tentanto travar o auxílio bilionário de famílias reais do Oriente. Ou de excêntricos milionários russos, com dinheiro de origem duvidosa.

Foi criado para que tentar equilibrar as disputas. Evitar que clubes como o City e o PSG montem seleções mundiais, tornando injustos os torneios europeus.

O máximo que podem gastar a mais do que arrecadam é 30%.

O City não planeja investir mais 70 milhões de euros, cerca de R$ 431 milhões, por temporada, de salários para um jogador. Cerca de R$ 35 milhões por mês. Que era o que Messi ganhava no Barcelona.

Para isso, Guardiola teria de dispensar algumas estrelas. E a pandemia fez com que os clubes evitassem gastar tanto como no passado.

O treinador catalão está falando a verdade.

Não há lugar para Messi no City.

Não sem a obrigatoriedade de repensar todo o elenco.

Fora o fato de há dois dias, o clube ter anunciado a contratação de Jack Grealish, do Aston Villa, por um valor recorde entre equipes inglesas: 117 milhões de euros, cerca de R$ 717 milhões. Ele atua do meio para a esquerda, posição que Messi adora.

E o City ainda está para quebrar esse recorde. O Tottenham tem nas mãos a proposta de 120 milhões de euros, cerca de R$ 748 milhões, por Harry Kane. O atacante quer jogar com Guardiola. A negociação pode ser anunciada nas próximas horas.

Ou seja, o treinador e a direção do clube nem sonhavam com Messi.

Com o caminho livre, o PSG trabalha para ter o meia argentino.

Como o blog informou, o treinador compatriota do meia, Mauricio Pochettino confirma que o PSG está trabalhando 'para melhorar o elenco'.

Neymar quer voltar a jogar com Messi desde que deixou o Barcelona em 2017. Se arrependeu de ir para o PSG. Tentou retornar ao Barcelona, ofereceu até ajudar financeiramente o clube catalão para comprá-lo de volta. Não deu. Então pediu para a diretoria não deixar escapar essa oportunidade de ter o jogador que considera como o 'melhor do mundo'.

Messi sabe que se adaptaria muito melhor ao futebol francês do que ao inglês. O ritmo de jogo é muito menos intenso. E exige menos do físico. Aos 34 anos, Messi não é dono mais de inúmeras arrancadas com a bola dominada, como fazia, por exemplo, há dez anos.

O presidente do Barcelona, Joan Laporta, deixou muito claro hoje o motivo que fez Messi não seguir na Catalunha, depois de 21 anos.

Franceses sonham há anos

Franceses sonham há anos

Reprodução/France Football

"Infelizmente temos uma instituição com 122 anos de história, que está acima de tudo, de todos os jogadores, inclusive do melhor jogador do mundo, do presidente. Ele nos deu tanta coisa, estaremos agradecidos eternamente. Os motivos pelos quais não pudemos e decidimos (não renovar) foram as razões econômicas muito claras, em que se encontram a entidade

"Quero deixar claro que Leo queria ficar, e que o clube queria que ele ficasse. É a sua casa", disse de maneira dramática.

A verdade é que o Barcelona queria reduzir o salário do jogador.

E não aceitava a renovação por cinco anos.

Simples assim.

Daí, o caminho livre.

O City já está com seu planejamento comprometivo.

O PSG, não.

E a possibilidade de ter Messi, Neymar e Mpabbé também vai obrigar a uma reengenharia financeira.

Mas a família real catariana deseja fazer.

Neymar pode se animar.

As chances são reais de jogar ao lado do seu grande amigo.

E 'melhor do mundo'...

Relembre os casos famosos de doping de atletas brasileiros

Últimas