Cosme Rímoli Ceni exige a permanência de Reinaldo. Diretoria do São Paulo não quer renovar por dois anos. Diniz o deseja no Fluminense

Ceni exige a permanência de Reinaldo. Diretoria do São Paulo não quer renovar por dois anos. Diniz o deseja no Fluminense

Aos 33 anos, o lateral marcou os dois gols da vitória, fundamental, hoje contra o Juventude. Mas vive impasse. Contrato termina em dezembro. Quer ficar. Desde que receba aumento aos R$ 500 mil mensais e renovação por dois anos

  • Cosme Rímoli | Do R7

Reinaldo é o lateral mais efetivo da Série A, na temporada. Oito gols e nove assistências. Aos 33 anos

Reinaldo é o lateral mais efetivo da Série A, na temporada. Oito gols e nove assistências. Aos 33 anos

São Paulo

São Paulo, Brasil

Os gols de Reinaldo contra o Juventude, em Caxias, foram os responsáveis por três pontos importantíssimos para o São Paulo, na luta pela pré-Libertadores. O jogador, de 33 anos, marcou os dois gols na vitória, por 2 a 1, contra o último colocado no Brasileiro.

Chegou à marca de 32 gols, tornando-se o lateral esquerdo a fazer mais gols na história do São Paulo. Passou Gustavo Nery, que tinha marcado 31.

Roubou toda a atenção, desviou o foco do fraco e pouco competitivo futebol mostrado pelo time de Rogério Ceni.

Só que há um grande impasse.

Reinaldo divide a diretoria.

Aos 33 anos, ele recebe R$ 500 mil mensais.

Salário altíssimo, considerando que Wellington, seu reserva, tem mostrado enorme potencial. Tem 21 anos. E recebe apenas R$ 80 mil.

Rogério Ceni sabe da utilidade ofensiva, da personalidade, da liderança de Reinaldo. Ele o quer, pelo menos, para a próxima temporada.

Só que o contrato do lateral termina no final do ano.

E ele deseja dois anos de contrato com o São Paulo.

Com direito a aumento.

Já foi uma luta no final de 2020, quando Reinaldo também queria dois anos e acabou se contentando com um.

Para deixar tudo mais complicado, surgiu a proposta do Fluminense.

Como o contrato do jogador termina em 31 de dezembro, o clube carioca pode contratá-lo sem pagar nada ao São Paulo.

E oferece dois anos de compromisso.

Se depender do apoio de Rogério Ceni, Reinaldo ficará no Morumbi. Diretoria acha muito caro

Se depender do apoio de Rogério Ceni, Reinaldo ficará no Morumbi. Diretoria acha muito caro

Reprodução/Twitter

Com as luvas que o jogador quer, receberia bem mais do que o aumento que sonha ganhar no Morumbi.

O técnico do Fluminense, Fernando Diniz, considera importantíssima a chegada do jogador. Para disputar a Libertadores, que está bem encaminhada. Na fase de grupos ou na eliminatória.

Reinaldo estava em baixa no final do semestre. 

Recuperou moral nestes quatro meses.

Principalmente com Rogério Ceni.

"Tecnicamente, ele (Reinaldo) é muito refinado para um lateral esquerdo. Sempre acha bons passes e encontra boas alternativas. Não é mais um garoto, mas ainda está numa idade boa", elogiou, hoje, o técnico.

Ele já o fez capitão do time, considera-o o jogador que melhor cruza e arremata para o gol. E tem o espírito mais competitivo do São Paulo.

O presidente Julio Casares não quer ter problemas com Ceni.

Mas não quer a renovação por dois anos.

E ainda mais aumentar o salário de meio milhão do lateral. 

Prefere gastar R$ 6 milhões por ano com uma posição carente do time, por exemplo, um meia ofensivo.

Mas terá de dobrar Ceni.

O treinador faz questão de ser mais político publicamente.

Mas nos bastidores do Morumbi é mais direto.

Diz que não abre mão de Reinaldo.

É uma situação complicadíssima.

A direção do Fluminense percebeu que há esperança.

Reinaldo sabe que, aos 33 anos, a hora é conseguir um grande último contrato.

Com dois anos, sem aumento, ele ganharia nada menos do que R$ 12 milhões.

O impasse é sério.

Só será resolvido assim que o Brasileiro acabar.

Mas Reinaldo jamais teve tanta consideração como atualmente.

Jamais foi tão respeitado como agora no São Paulo.

Mas não abre mão de ter os dois próximos anos definidos...

Líder de torcida mais velha da NFL pode ter história contada nos cinemas

Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas